Eu sou: Técnico | Docente | Estudante | Bandeira da inglaterra

Nota sobre a invasão da reitoria

Imagem da porta trancada com a corrente e o cadeado dos manifestantes

A Universidade Federal Fluminense, em seu período de expansão, assumiu o desafio de ocupar as regiões do estado fluminense com o objetivo de democratizar o acesso ao ensino superior e ser a condutora do desenvolvimento tecnológico e científico de todo o Rio de Janeiro. Associado a isso, a atual gestão sempre se espelhou nos mais altos valores democráticos como forma de interação com a comunidade acadêmica. Esses dois pressupostos – a importância da UFF para o progresso fluminense e uma gestão pautada no diálogo e na formação de consensos – são o norte que seguimos em nosso trabalho cotidiano.

Sobre o fato ocorrido no dia primeiro de outubro, quando estudantes do Campus de Rio das Ostras invadiram o prédio da reitoria e bloquearam os seus acessos com cadeados nas portas, esclarecemos os seguintes fatos:

1) Todas as vezes que os estudantes apresentaram as suas demandas, a gestão se portou com diálogo. Para a situação específica em Rio das Ostras, atuamos de maneira enérgica para tentar encontrar a solução adequada para atender o pedido dos estudantes de um restaurante universitário. Primeiramente, foram realizadas duas reuniões no gabinete da reitoria, em meados de julho, com a presença do Vice-Reitor, dos Pró-Reitores de Planejamento e de Assistência Estudantil, do Superintendente da SAEN, dos dois diretores e de representantes dos estudantes daquele campus, nas quais foi analisada a situação. Recentemente, foi criado um Grupo de Trabalho, composto por representações discentes de todos os campi de expansão, seus diretores de unidade e representantes da reitoria.

2) Além disso, a SAEN realizou, recentemente, duas visitas ao campus, uma em conjunto com órgãos da prefeitura, para buscar uma solução adequada. A questão fundamental é que o restaurante universitário não está previsto no Plano Diretor da Unidade. Ademais, o único terreno livre para construção já tem um projeto básico e executivo pago, da ordem de R$ 480 mil. Tal prédio (blocos A e B) estava previsto na expansão dessa unidade acadêmica. Desse modo, a alteração deste projeto configuraria – pelos órgãos de controle –improbidade administrativa, conforme consta do parecer da Procuradoria junto à nossa universidade.

3) Ao tentar pensar em outra solução, como a utilização dos demais terrenos que cercam o campus de Rio das Ostras, a SAEN foi informada pela prefeitura, na última quinta-feira (27/09), que estes espaços não estão legalmente disponíveis para a construção do restaurante universitário.

4) Cabe ainda ressaltar que a UFF, como os demais órgãos públicos, está sob a tutela da emenda constitucional nº 95/2016, que congela os investimentos da União por 20 anos. Assim, a previsão que temos é de estagnação do nosso orçamento no atual patamar, o qual já nos coloca em difícil situação para a manutenção de todos nossos serviços.

5) A emenda parlamentar no valor de R$ 1 milhão destinada à obra de um restaurante universitário é muito inferior ao custo estimado de R$ 10 milhões para a implantação deste equipamento. Ademais, o acréscimo de um novo restaurante acarretaria um aumento considerável em nosso custeio, o que ensejaria um desbalanceamento de nossas contas, sobretudo em virtude de um preço fortemente subsidiado há anos, no valor de 70 centavos para os estudantes.

6) A atitude dos estudantes de romper o diálogo deu-se unilateralmente, uma vez que todos os compromissos assumidos foram honrados. Uma próxima reunião para debater a situação do campus de Rio das Ostras já estava prevista, mas a decisão intempestiva e antidemocrática de invasão da reitoria e de interdição desse diálogo interrompeu tal cronograma.

Em nossa gestão, os estudantes têm sido continuamente agentes fundamentais, no sentido de ouvirmos as suas demandas e construirmos – em conjunto – uma UFF cada vez melhor. Mantemos o diálogo aberto para tentar formar um consenso que seja o melhor para a nossa Instituição, sempre com a responsabilidade que tem caracterizado a nossa atuação.

Entretanto, a UFF não pode aceitar que suas atividades administrativas sejam paralisadas em função de manifestações descompassadas com a realidade da UFF e do País, muito menos em virtude de uma pauta exclusivista no contexto da luta pela assistência estudantil para todos. Trata-se de um desrespeito à nossa Comunidade e aos demais Campi que não dispõem de infraestrutura para estudantes.

Este ato arbitrário já prejudica o processamento administrativo do pagamento de bolsas, auxílios e empresas terceirizadas, bem como a emissão e entrega de certificados e diplomas, entre tantas outras atividades. Além disso, impede a preparação do prédio para a realização das eleições gerais do próximo domingo, dia 07/10.

A UFF defende de forma intransigente aumento dos recursos para o PNAES, mas só restabelecerá negociações sobre o tema a partir da desocupação imediata da reitoria. Se isto não ocorrer, medidas legais serão tomadas para reintegração de posse do prédio, com o objetivo de garantir o direito de ir e vir de servidores e usuários e restabelecer o funcionamento de atividades essenciais à vida da Comunidade Universitária e da justiça eleitoral.

Sidney Mello
Reitor

 

Imagem da invasão da reitoria    Imagem de invasores na reitoria da UFF

Para saber mais sobre este informativo

Estes são os dados de contato do setor da universidade que escreveu este informativo:

Setor responsável: 
Grande área: 

Avalie esta página

CAPTCHA
This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.

Informes

Não há nenhum conteúdo neste grupo.

A atualização mais recente deste conteúdo foi em 05/10/2018 - 13:19