sexualidade

Baseado no estudo etnográfico minucioso que realizou em saunas de prostituição masculina na cidade do Rio de Janeiro, o antropólogo Victor Barreto lança o livro “Vamos fazer uma sacanagem gostosa?”, no dia 6 de outubro, na Livraria da Travessa de Botafogo.

No livro, o autor relata não apenas os meandros do mundo dos negócios da prostituição no Rio de Janeiro, mas traz para o leitor uma percepção da forma como as sexualidades e os desejos estão articulados nas saunas cariocas.

Baseado no estudo etnográfico minucioso que realizou em saunas de prostituição masculina na cidade do Rio de Janeiro, o antropólogo Victor Barreto lança o livro “Vamos fazer uma sacanagem gostosa?” (Eduff, 2017). Nele, o autor trata do universo do mercado do sexo e suas peculiaridades, com relatos que vão desde a ambientação do local até a forma como os programas são negociados entre cliente e garotos de programa.

Parafraseando Raewyn Connell, o poder das estruturas sociais na formação do indivíduo faz com que a sexualidade pareça não se transformar. Mas quando pensamos a partir da história da sexualidade, percebemos que as constantes modificações dos arranjos sociais reelaboram a todo o momento a nossa sexualidade, sempre posta em crise, pois não pode ser fixada nem exatamente reproduzida. Os corpos não são uma tela em branco a ser pintada exclusivamente pela sociedade.

Fundado no final de 2014 pelo professor Eder Fernandes, do Departamento de Direito Privado, o grupo de pesquisa "Sexualidade, Direito e Democracia" (SDD) desenvolve pesquisas jurídicas interdisciplinares por meio dos conceitos de sexualidade, governança e poder. Atualmente é composto por 23 pesquisadores, sendo 18 alunos de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito, cinco graduandos de iniciação científica e orientandos de trabalhos de conclusão de curso.

Durante os anos de 2015 e 2016, o Grupo de Pesquisa "Sexualidade, Direito e Democracia" (http://www.sdd.uff.br/), vinculado à Faculdade de Direito e ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da Universidade Federal Fluminense, desenvolveu suas pesquisas sobre política sexual, direito e democracia.

Os pesquisadores agora se reúnem para dar publicidade aos resultados das pesquisas na I Jornada SDD.

A proposta do evento, organizado pelo Laboratório PesquisarCOM / Grupo de Pesquisa Perceber sem Ver, do Instituto de Psicologia da UFF, é discutir as articulações entre deficiência, sexualidade e estudos queer, tomando como foco o corpo e suas possibilidades para além das hetero-normatividades. Quais são as interfaces entre estudos queer e estudos sobre deficiência? O que pode um corpo? Como são feitas as fronteiras que separam corpos eficientes e corpos deficientes? O que pode um corpo se articulado longe dos parâmetros de normalidade?

Word DocumentXLSCSV
Subscrever sexualidade