Eu sou: Técnico | Docente | Estudante

UFF quebra tabus e disponibiliza tratamento odontológico para gestantes

Clínica odontológica gratuita para gestantes

Com o intuito de oferecer tratamento odontológico gratuito para gestantes e quebrar o tabu de que não é adequada sua realização na gravidez, surgiu, na Faculdade de Odontologia da UFF, o Projeto de Atendimento às Gestantes. O serviço visa a uma abordagem especial e atenciosa para que as pacientes se sintam à vontade, mesmo em uma situação comumente de desconforto. Dessa forma, os profissionais participantes, alunos e professores pretendem lidar não apenas com as gestantes, mas também com suas famílias. Além de reforçar a importância dos conceitos de prevenção, educação e do cuidado com a saúde bucal.

Ao levar em conta o contexto do momento gestacional, no qual não só o físico da mulher está alterado, mas o emocional também, muitas acabam deixando de lado a saúde bucal. Dentre eles, a equipe do projeto pesquisou e listou que os mais comuns são a dificuldade de acesso ao profissional, problemas financeiros, medo de chegar ao dentista e não ser atendida, o famoso ‘vou deixar para depois’, a contraindicação da família e o temor de que a odontologia possa gerar algum problema na gravidez.

Ainda é recorrente o mito de que uma extração dentária pode acarretar uma hemorragia que levará à perda do bebê. Assim, muitas grávidas optam por deixar de lado as consultas ao dentista. Entretanto, esse pensamento é equivocado, como expõe a coordenadora do projeto odontológico Tereza Cristina Almeida Graça: “O fato de uma gestante apresentar um problema bucal que pode até ser infeccioso é muito mais lesivo e traumático para essa gravidez do que o tratamento em si, que é controlado e feito a partir do uso de anestésicos e antibióticos recomendados por um profissional”.

A partir das análises feitas, a equipe definiu como prioridade facilitar o atendimento odontológico às gestantes e torná-lo atrativo. A coordenadora do projeto explica a solução encontrada para possibilitar isso: “Procuramos acolher a gestante em todos os sentidos para conhecermos um pouco mais suas ansiedades e também levar esse conhecimento, essa reflexão, de que a saúde bucal tem que ser valorizada. Às vezes é como se as pessoas pensassem ‘a boca é uma coisa e o corpo é outra’ e esquecessem de que tudo é saúde e todo mundo quer saúde durante a gravidez”.

Na área da saúde nenhuma profissão pode se centrar em si mesma. Tanto para benefício médico quanto do paciente deve haver interação entre as áreas”, destaca Tereza Cristina.

Dessa forma, a equipe reconheceu a importância de lidar também com seus núcleos familiares, que muitas vezes não apoiam o tratamento pela crença equivocada no seu malefício. “É preciso levar esse conhecimento para as famílias, de forma respeitosa e com cuidado, para que eles apoiem a gestante e facilitem o tratamento contínuo”, ressalta Tereza Cristina. Além disso, mesmo que a paciente tenha a saúde bucal perfeita, ela também tem o direito de ir à clínica para ser cuidada e acompanhada por um profissional odontológico, prevenindo problemas futuros.

Por ser afiliado à universidade, o projeto apresenta parcerias com outros cursos: Enfermagem, Farmácia, Psicologia, Nutrição e Medicina. O trabalho integrado proporciona às gestantes um atendimento auxiliar completo a qualquer problema de saúde que possa vir a ser apresentado. “Na área da saúde nenhuma profissão pode se centrar em si mesma. Tanto para benefício médico quanto do paciente deve haver interação entre as áreas”, afirma Tereza Cristina.

Devido ao projeto estar no início, ainda não há financiamento externo. Apenas uma aluna participante recebe bolsa para ajudar no deslocamento. A equipe envolvendo alunos e professores, tanto da própria Odontologia quanto dos cursos parceiros, é formada por voluntários. O material básico de consumo - para restauração, resinas, obturação, etc. - e medicamentos são fornecidos pela UFF e o instrumental clínico pertence aos alunos, que já os utilizam também em aulas da graduação. O atendimento é feito em um espaço cedido pela instituição, na Clínica 4, localizada na Faculdade de Odontologia dentro do Campus do Valonguinho.

O consultório foi recentemente reformado e apresenta uma aparelhagem moderna para que o atendimento seja realizado da forma mais confortável possível. O projeto atende unicamente às gestantes para que os profissionais envolvidos consigam lhes dar uma atenção especial. O foco também está em proporcionar o bem-estar das grávidas situando-as em um ambiente de fácil troca e reconhecimento entre elas mesmas. A coordenadora ressalta a importância dessa atmosfera para proporcionar um momento de tranquilidade às pacientes, ajudando muitas vezes a acalmar seus anseios, facilitando assim a cooperação no tratamento.

Alerta às gestantes

Durante o período gestacional, é muito comum o aumento hormonal ocasionar uma sensibilidade da gengiva, acarretando na doença periodontal, o que ocorre também porque muitas mulheres deixam de escovar os dentes por sentirem enjoo na gravidez. Às vezes elas enjoam da escova, da pasta e até mesmo motivos externos podem dificultar a higiene bucal. A falta de escovação acarreta um acúmulo de placa bacteriana que irrita a gengiva, facilitando o desenvolvimento do sangramento gengival, que é o primeiro sinal clínico de uma inflamação na gengiva.

“Quando veem o sangue na boca, as pessoas logo pensam ‘ai meu deus, estou doente’ e param com a escovação. Na verdade, nesse momento é imprescindível fazer o contrário, pois a medida profissional que temos para fazer esse sangramento parar é escovando os dentes”, enfatiza Tereza Cristina. Segundo ela, entretanto, é necessário que tenhamos certa quantidade de placas na boca para impedir outras doenças de aparecerem. “O ideal para ter uma boa saúde bucal é escovar o dente com a regularidade de três vezes ao dia”, conclui.

A coordenadora alerta também para a importância da escova de dente em prol da saúde da boca. A escolha inadequada favorece uma limpeza ruim. Ela afirma que, erroneamente, as pessoas compram as que apresentam cerdas duras e compridas porque associam força com a limpeza. No entanto, o que se recomenda são escovas pequenas e macias, que possibilitam uma higienização ideal. Tereza Cristina ainda completa: “A isso soma-se o sabor da pasta de dente, que proporciona uma falsa sensação de limpeza, fazendo as pessoas acharem que a saúde bucal está em dia quando, na verdade, pode não estar”.

Compartilhe