Categoria
UFF divulga Edital de Chamamento e Registro de Experiências de Tecnologia Social 2019A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação e a Agência de Inovação (AGIR) da Universidade Federal Fluminense (UFF) tornam público o presente Edital de Chamamento e Registro de Experiências de Tecnologia Social e convidam docentes, técnicos-administrativos e/ou alunos a apresentarem, nos termos do Edital, experiências de tecnologia social desenvolvidas no âmbito da UFF, visando o mapeamento e documentação das experiências de tecnologia social da Universidade Federal Fluminense e publicação do Catálogo de Tecnologias Sociais 2019. O presente Edital tem como objetivo identificar, mapear e documentar as experiências de tecnologia social desenvolvidas pela Universidade Federal Fluminense e divulgá -las em seu Catálogo de Tecnologias Sociais. Confira a íntegra do edital.  
Incubadora da UFF está com inscrições abertas para receber novas empresas  Com o objetivo de apoiar a criação, o desenvolvimento e a consolidação de empreendimentos que se proponham a desenvolver inovação tecnológica ou agregar valor a processos, produtos e serviços, a Agência de Inovação (Agir) abre para a comunidade externa as inscrições de propostas de negócio para o ingresso na Incubadora de Empresas da UFF. As inscrições estão abertas até o dia 29 de março de 2019. O link para inscrição é: https://bit.ly/2tF11D4. O processo de incubação busca o apoio e fortalecimento de empresas nascentes ou em desenvolvimento com ênfase na formação do empreendedor e estruturação de seu negócio. A iniciativa estimula a interação entre a Incubadora de Empresas, a Universidade Federal Fluminense e o setor produtivo, criando um ambiente propício para o desenvolvimento de produtos e transferência de tecnologia. Os proponentes, pessoas físicas ou jurídicas, que desejarem se inscrever no processo de seleção deverão pagar o valor de 20% do salário mínimo vigente por proposta, através da Guia de Recolhimento da União (GRU), conforme o edital. Espera-se que o empreendimento candidato à incubação já tenha finalizado, ou esteja próximo de finalizar, a construção de seu protótipo, produto ou serviço. Dentre as vantagens da parceria com a Incubadora, estão o uso da infraestrutura física, orientações para elaboração do Plano de Negócios, assessoria técnica e consultoria, orientações para a elaboração de projetos de financiamento; cursos de desenvolvimento da capacidade empreendedora e de gestão do negócio; orientações sobre depósito de patentes, registro de marcas e outras modalidades de propriedade intelectual, uso da rede de contatos e da marca Incubadora da UFF.
Agir: plataforma incubada na UFF conecta mulheres e traz soluções para demandas sociaisA cada dia, as constantes mudanças na nossa sociedade levam à criação de diferentes demandas nos mais variados aspectos da vida social e pensar em soluções inovadoras que contemplem essas novas necessidades é também papel da universidade. Nesse cenário, a UFF conta com sua própria incubadora de startups: a Agência de Inovação (Agir). A função principal da incubadora é prestar a assessoria e o suporte necessários para que as empresas emergentes, ou startups, possam se consolidar, como foi o caso da plataforma criada para conectar mulheres, a Elza. De acordo com o diretor da Agir, o professor Ricardo Leal, as startups visam encontrar respostas para questões e problemas das sociedades pós-modernas, globalizadas e conectadas e muitas vezes não sabem se seu produto, serviço ou plataforma funcionará no mercado e trará bons resultados. “Uma incubadora é similar a uma incubadora de nenéns, que necessitam de alguma proteção especial. Pegamos uma empresa ou uma ideia que ainda vai virar empresa, damos apoio para que ela se transforme e ganhe fundamentação, estando assim pronta para deixar a incubadora”. A plataforma digital Elza, que surgiu na Agir, tem como objetivo criar uma rede de apoio entre mulheres e foi criada pelos ex-alunos da UFF, Thomas Hanssen, que fez um MBA em Gestão de Projetos na universidade e Thiago Diogo, mestre na área de Sistemas de Gestão pelo Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente da UFF (Latec). Além deles, o projeto conta com apoio da ex-aluna de Engenharia de Produção, Rebeca Elian. Desde os anos 90, quando surgiu a incubadora, mais de 30 outras empresas já foram apoiadas e lançadas no mercado. A Ayra, por exemplo, um estúdio de desenvolvimento de jogos que hoje atende clientes como Fox, Telecine e Coca-Cola, foi uma das participantes. O chefe da Divisão de Incubadoras da Agir, Álvaro Eduardo, explica que atualmente 3 empresas com propostas bem diferentes estão incubadas na agência. Uma delas, a Domain Expert é uma companhia de consultoria em engenharia que traz para o mercado inovações através de inteligência artificial, data mining e software inteligente de EPI’s (equipamento de proteção individual). Já, a Displace trabalha com realidade virtual aumentada ou VR (do inglês, Virtual Reality) e traz para o mercado parcerias no desenvolvimento de projetos com os segmentos de segurança e turismo. A terceira, Ambmet, opera com a previsão e monitoramento de chuvas e do nível dos rios, temas esses relacionados ao custo de produção da energia. Álvaro Eduardo ainda relata que essa busca por soluções faz parte do viés central dessas empresas. “A solução e a inovação estão incluídas no plano de negócio de cada uma delas. Qualquer que seja a área, ela tem que solucionar uma dificuldade de mercado. Um problema científico, algo que não existe ainda. Tem que haver sempre uma inovação. Trabalhamos com pesquisa aplicada, com um conhecimento que já temos para fabricar o produto final. Esse é um avanço importantíssimo para as pesquisas básicas produzidas pela universidade.” A Plataforma Elza A ideia da criação da rede de apoio de mulheres Elza surgiu a partir da constatação das diversos obstáculos encontrados no dia a dia do público feminino. Nos seis primeiros meses de 2018, por exemplo, a Central de Atendimento à Mulher registrou mais de 79 mil casos de violência. Já outro estudo, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), divulgada em outubro do último ano, indica que a mulher negra é a que mais sofre com as oscilações no mercado de trabalho. E em 2017, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou em pesquisa que 48% das mulheres são demitidas após licença maternidade. Esses são apenas alguns exemplos de problemas sociais para os quais a plataforma foi idealizada. Atualmente, Elza opera com duas principais vertentes, são elas: Ajuda - conectando uma rede de mulheres que precisam de ajuda e mulheres que querem ajudar, e Empregos. Thomas Hanssen relata que reconheceu um dilema quando sua filha, uma adolescente de 17 anos na época, foi seguida durante seu caminho da escola para casa. “Assim que soube do ocorrido, percebi que poderia usar meu conhecimento na área de TI para fazer algo, pois a distância entre nós - eu morava no Rio de Janeiro e ela, no interior do estado -, dificultava o meu suporte, relata. A identificação do problema foi o ponto de partida para a criação da Elza, mas, com a necessidade diversificada do seu público alvo, o projeto sofreu diversas modificações para se adequar a essas demandas. Hanssen explica ainda que o foco na questão do mercado de trabalho surgiu após a maioria dos pedidos de auxílio terem sido referentes a esse tema nos primeiros 3 meses da plataforma no ar. “Depois de um mês, já com quase 300 usuárias, descobrimos que 60% dos pedidos de ajuda não era sobre segurança, não era sobre direitos, não era sobre relacionamentos, eram pedidos de empregos. Com o país em crise, acho natural que essa demanda surgisse, mas não imaginávamos que seria tão grande”.  Recentemente, a plataforma foi selecionada para fazer parte do Madan Parque, em Portugal. Este centro de desenvolvimento de ciências e tecnologia, estabelecido em 1995, busca conectar o mundo acadêmico com as empresas, oferecendo serviços como os de incubadora e coaching. Para Rebeca Elian, essa experiência Portugal possibilitará novos aprendizados e um trabalho em equipe entre os sócios e parceiros da iniciativa. “A experiência de ver como o mercado lá fora trata essas questões é muito importante. Ver o que podemos adaptar para a realidade do Brasil e trazer para o que fazemos aqui é muito rica. E enquanto o Thomas está testando e validando a plataforma e o chatbot naquele país, vamos daqui testar, falando diretamente com essas mulheres e em paralelo começar a conectar e conscientizar empresas sobre a inclusão de mulheres no quadro de funcionários. Tratar do lado humano aqui, enquanto ele cuida do software lá”. Rebeca reitera que passou pela experiência de perder seu emprego após retornar da licença maternidade e mostra que existe a necessidade de reinserir as mulheres ao mercado, principalmente após se tornarem mães. “É um problema que eu vivi. Temos dados recentes sobre como quase metade das mulheres são demitidas ao retornarem da licença e que 75% delas resolvem empreender depois de ter filhos. Nós mudamos muito depois dessa experiência. Então, é importante descobrir o que se quer fazer novamente. Ou até ter oportunidade de voltar para o mercado, o que também é muito difícil”.
Cerimônia de Assinatura dos Contratos de Incubação acontece na UFFNo dia 17 de julho aconteceu a cerimônia de Assinatura dos Contratos de Incubação, na Agência de Inovação – AGIR/UFF. O evento contou com a participação do Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa e Inovação, Vitor Francisco Ferreira, do Diretor da Escola de Engenharia, Fábio Passos, do Diretor da AGIR, Ricardo Henriques Leal, e do Coordenador da Incubadora, Álvaro dos Anjos Oliveira. Durante a cerimônia as autoridades presentes reforçaram a necessidade de ter uma incubadora ativa na universidade, tendo em vista os benefícios gerados em favor da sociedade. Além disso, as empresas que assinaram contrato com a UFF tiveram a oportunidade de expor os seus ramos de atuação e as atividades desenvolvidas. Veja as informações completas da cerimônia e fotos no arquivo em anexo.
Cerimônia de assinatura dos contratos de Incubação - AGIRA Incubadora de Empresas da UFF/AGIR tem o prazer de convidá-los a participar da cerimônia de assinatura dos contratos de incubação entre a UFF - representada pelo Vice-Reitor, prof. Antonio Claudio Lucas da Nóbrega , e pelo Pró-Reitor de Pesquisa, Pós Graduação e Inovação, prof. Vitor Francisco Ferreira - e as empresas selecionadas no último edital. O evento será realizado dia 17/07/18, às 10h, no auditório da AGIR: campus da Praia Vermelha, Instituto de Física, torre nova, 3º andar .
Últimas semanas para inscrições no edital PIBITI/PIBINOVA 2018-2019A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação – PROPPI e a Agência de Inovação - Agir da Universidade Federal Fluminense - UFF, tornam público o edital para a concessão de bolsas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação – PIBITI/CNPq e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Inovação – PIBINOVA/PDI/UFF, para a vigência 2018/2019. O Edital e seus respectivos formulários também podem ser encontrados no site http://www.agir.uff.br/, no menu superior BOLSAS. As propostas deverão ser obrigatoriamente enviadas até o dia 01/06/2018, conforme previsto no cronograma do Edital. Para mais informações enviar e-mail para bolsasagir@gmail.com.
Prorrogado o prazo do Edital de Chamamento e Registro de Experiências de Tecnologia Social 2018A Divisão de Inovação e Tecnologias Sociais da Agência de Inovação (AGIR), vinculada à Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, está lançando o Edital de Chamamento e Registro de Experiências de Tecnologia Social 2018. Este edital visa identificar, mapear, documentar e divulgar as experiências de tecnologia social que são desenvolvidas por técnicos-administrativos, docentes e/ou alunos da Universidade Federal Fluminense. Pretendendo dar visibilidade às experiências (em curso ou já finalizadas), de modo a inseri-las no Catálogo de Tecnologias Sociais 2018, o qual será lançado no final deste ano. O prazo de envio dos formulários das propostas para o e-mail (tecnologiasocial.uff@gmail.com) foi prorrogado até o dia 9 de maio. Site da Divisão de Inovação e Tecnologias Sociais
UFF mapeia tecnologias sociais desenvolvidas por sua comunidadeProfessores, servidores técnico-administrativos e alunos da UFF têm até o dia 30 de abril para realizar inscrição no Mapeamento de Tecnologias Sociais, promovido pela Divisão de Inovação e Tecnologias Sociais da Agência de Inovação (Agir), vinculada à Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (Proppi). O levantamento busca identificar, mapear, documentar, catalogar e divulgar soluções inovadoras desenvolvidas em diferentes áreas do ensino, pesquisa e extensão da universidade. As informações levantadas serão utilizadas na elaboração do Catálogo de Tecnologias Sociais da UFF, publicação pioneira em todo o Brasil. O mapeamento, documentação e divulgação dos dados apurados darão visibilidade às experiências de tecnologia social já realizadas pela universidade ou ainda em fase de desenvolvimento, criando o que os organizadores chamam de “Memória da UFF”. Isso se dará a partir das iniciativas registradas e permitirá que os produtos, processos, metodologias, serviços e técnicas mapeadas possam ser objeto de reaplicação e intercâmbio com diferentes áreas da instituição e da sociedade. O diretor da Agir e coordenador do Núcleo de Estudos em Políticas Públicas para a Inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), Thiago Borges Renault, afirma que hoje em dia a transferência de tecnologias tem causado impacto significativo em diferentes áreas como: infraestrutura, biotecnologia e de software, por exemplo, e quase sempre com fins mercadológicos. No entanto, na contramão desse pensamento, a UFF buscou o que ele chama de “desbalanceamento dessa estrutura amadurecida”, ou seja, passou a investir e incentivar pesquisas e trabalhos nas áreas de ciências humanas, sociais e aplicadas, como psicologia, educação, saúde, segurança pública, etc. O catálogo será uma importante fonte de informação e pesquisa na área das tecnologias sociais", garante Luciane Patricio. “A realização de dois fóruns de inovação, em 2015 e 2016, que resultaram em quatro reuniões importantes nesse período, serviram para ampliar nosso programa de bolsas, que teve um crescimento relevante, de 5% há três anos para 25% atualmente, totalizando 105 bolsas oferecidas para os mais diversos campos de pesquisa”, comemorou Thiago Renault. Já para a chefe da Divisão de Inovação e Tecnologias Sociais da Agir, Luciane Patricio, não há exatamente um consenso sobre o conceito de tecnologia social. Para os propósitos do edital, no entanto, pode ser um produto, processo, metodologia, serviço ou técnica reaplicável, construída e desenvolvida com a participação da comunidade e que representa uma solução inovadora voltada para a transformação, desenvolvimento ou inclusão social. O mapeamento e a produção do catálogo buscam, de acordo com Luciane, ampliar o conhecimento e a visibilidade do que a UFF tem produzido na área das tecnologias sociais, valorizando assim as especificidades de cada iniciativa. Com isso, a comunidade acadêmica terá acesso direto ao que está sendo desenvolvido na universidade. Luciane ressaltou ainda a necessidade de mobilizar professores, alunos e servidores a participarem do mapeamento, feito através de uma pesquisa exploratória. “O catálogo será uma importante fonte de informação e pesquisa na área das tecnologias sociais”, garantiu. Chamada pública A Agir fomenta, por meio de bolsas para alunos de graduação, projetos de inovação voltados para o desenvolvimento social. Ao analisar os projetos, a agência verificou a necessidade de lançar uma chamada pública a toda a UFF no sentido de buscar outras iniciativas semelhantes que causem impacto social. A agência também se inspirou no Banco de Tecnologias Sociais da Fundação Banco do Brasil. Luciane esclarece que as experiências poderão ser fruto de projetos de pesquisa, extensão ou inovação e devem responder a demandas sociais nas mais diversas áreas, como educação, energia, alimentação, acesso à justiça, geração de renda, habitação, saúde, recursos hídricos, meio ambiente e segurança. Além disso, serão selecionadas para compor o mapeamento as atividades que atendam, pelo menos, a três dos critérios listados no edital e que serão utilizados para avaliar os projetos de alunos, professores e técnicos. Os interessados em participar deverão preencher uma ficha de inscrição e encaminhá-la para a Agir pelo e-mail: tecnologiasocial.uff@gmail.com Para outras informações, consulta ao edital e ficha de inscrição, acesse: http://www.editais.uff.br/2012
Resultado Final Edital PIBITI-PIBINOVA 2016-2017A Agência de Inovação divulga o resultado final do edital PIBITI/PIBINOVA 2016-2017 que contém os projetos contemplados com uma bolsa de iniciação à inovação. Todos os orientadores que possuírem projetos nesta lista deverão entregar a documentação impressa, que está especificada no edital, até o dia 10/08/2016. Informamos que a não entrega da documentação pode acarretar a perda da bolsa. Reforçamos que os bolsistas que serão contemplados com a bolsa PIBITI deverão possuir conta corrente no Banco do Brasil e manter seu currículo Lattes atualizado. Todos os assuntos sobre documentação deverão ser tratados pelo e-mail (proppiagir@gmail.com) A lista de projetos aprovados está em anexo.  
Resultado Preliminar PIBITI PIBINOVA 2016-2017A Agência de Inovação divulga os resultados preliminares do Edital PIBITI PIBINOVA 2016-2017. O resultado final será divulgado após o período de recursos (14/07 a 19/07) e após a confirmação por parte do CNPq  da disponibilização das bolsas para o ciclo 2016 / 2017. Assim sendo a lista disponibilizada contempla 65 projetos e poderá ser acrescida de novos projetos à medida que tivermos informações sobre o número de bolsas que será disponibilizado pelo CNPq. O recurso será feito através do link http://tinyurl.com/recurso1617 até o dia 19/07, como informado acima.  
Prorrogação dos prazos do Edital PIBITI PIBINOVA 2016-2017Devido ao grande número de projetos enviados, o processo de avaliação dos projetos não foi finalizado e assim se tornou necessário prorrogar os prazos do Edital PIBITI PIBINOVA 2016-2017. O Edital e seus respectivos formulários são encontrados no site http://www.agir.uff.br/, no menu superior BOLSAS. Mais informações pelo e-mail bolsasagir@gmail.com.
Agir prorroga inscrições para os programas Pibiti e Pibinova até 19 de junhoA Agência de Inovação (Agir) da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proppi) lançou o edital para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti) e o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Inovação (Pibinova). São 45 bolsas em cada modalidade, com vigência de um ano, no valor de R$ 400. Devido à grande demanda da comunidade acadêmica as inscrições foram prorrogadas até o dia 19 de junho. A alteração do prazo é somente em relação ao envio de propostas, o restante do calendário permanece o mesmo. O Pibiti é financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Pibinova, pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFF. Os programas estimulam a atuação de professores da universidade e alunos de qualquer curso de nível superior em atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação, com o objetivo de contribuir para a solução de problemas de mercado ou da sociedade em geral. Novo perfil e objetivo da Agir De acordo com o diretor da Agir, Thiago Renault, até 2014 a estrutura de apoio à inovação e ao empreendedorismo e a transferência de tecnologia na UFF eram trabalhadas em plataformas diferentes. A partir de 2015, a Agir, a Incubadora de Empresas da universidade e o Escritório de Transferência de Conhecimento (Etco) funcionam de forma conjunta. “Esse edital é voltado para alimentar o fluxo de empreendimentos na incubadora e de proteções de propriedade intelectual do Etco. A ideia é que os ganhadores desenvolvam produtos ou serviços que possam efetivamente ser aplicados no mercado ou na sociedade em geral”, afirmou Renault. A nova abordagem da Agir busca trazer o mercado para próximo da universidade e transformar as invenções em inovação. Com as mudanças implementadas pela administração da agência desde janeiro, esse é o primeiro edital voltado para transferir o conhecimento desenvolvido pelos bolsistas para a prática social e de mercado. Desta forma, o foco antes puramente tecnológico é ampliado para trabalhar a plataforma “lato sensu”. Segundo Renault, as ações da Agir são baseadas no tripé que une editais, incubadora e Etco, beneficiando os estudantes. “É importante que o aluno, desde a graduação, seja treinado para fazer a ponte entre o mercado e a universidade, pois quem leva o conhecimento para a sociedade é o estudante”, completou. Inscrições e resultados As propostas devem ser enviadas pelos orientadores para o e-mail bolsasagir@proppi.uff.br até o dia 19 de junho, por meio do formulário disponível no Anexo II do edital. Cada orientador pode solicitar até duas bolsas. O resultado final do programa será divulgado no dia 14 de julho, e as bolsas implantadas no mês de agosto. O relatório final sobre os projetos desenvolvidos durante a vigência das bolsas deverá ser entregue em 29 de julho de 2016. No Seminário de Iniciação à Inovação, em outubro desse, promovido pela Agir e pela Proppi, os alunos vão apresentar sob a forma de pôsteres, resumos e/ou painéis sua produção inovadora, com auxílio do orientador. Outras informações sobre o edital e critérios de seleção emhttp://www.editais.uff.br/1015.