Categoria
PROAES divulga Relatório Parcial do Monitoramento da Saúde Mental dos Estudantes diante da Pandemia de COVID-19A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis divulga o Relatório Técnico Parcial do Monitoramento da Saúde Mental dos Estudantes da UFF no Período de Isolamento Social em Consequência da Pandemia de Covid-19. O trabalho foi desenvolvido nesse período de isolamento pelo Dr. Alexsander Moreira Siqueira, Médico Psiquiatra da Divisão de Atenção à Saúde do Estudante/CAS/PROAES. O projeto está em andamento, no entanto, a divulgação do relatório parcial é um importante instrumento na proposição de ações junto à comunidade discente, a fim de contribuir na prevenção e tratamento no que tange a saúde mental. Acesse o anexo deste informe para ver o Relatório parcial.
Projeto de extensão SaúdeANTAR #ProexEmAção parabeniza o coordenador extensionista professor Jairo Werner e toda equipe do projeto SaúdeANTAR e a REDE GEAL- UFF que estão estudando as dimensões da saúde mental no isolamento antártico. A pesquisa está alinhada ao Programa Antártico-Brasileiro PROANTAR 2019-2022, e busca identificar os aspectos humanos que precisam ser investigados, a fim de abranger toda a dimensão humana, biofísica e climática do PROANTAR, de forma estratégica.
Saúde Mental na Escola: Novos horizontesO evento "Saúde Mental na Escola: Novos horizontes" tem por objetivo discutir diferentes aspectos da saúde mental na escola, nos tempos atuais e as perspectivas e impacto no âmbito escolar. É uma ação ratuita organizada em parceria pelas Ligas de Fisiologia Humana (LiAFH), Liga Acadêmica Multiprofissional de Saúde mental e Psiquiatria (LiPSi) e Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências (NuPEDEN) da Universidade Federal Fluminense, e que faz parte do projeto “Academia na escola” sob coordenação geral de Claudio Tadeu Daniel Ribeiro (FIOCRUZ) e Priscilla Bomfim (UFF), e coordenação Niterói de Aline Rabelo (UFF) e Natália Galito (UFF). O "Saúde Mental na Escola: Novos horizontes" é executado com o apoio do INCT-NIM e PROEX/UFF. Ansiedade, transtornos de aprendizagem e transtornos mentais na infância e adolescência serão alguns dos temas abordados ao longo do evento. Além disso, será discutido como a aprendizagem significativa, a musicalidade e a arte podem ajudar a enfrentar os novos desafios. A visão será multidisciplinar, contando com educadores, psicólogos, pedagogos e médicos, visando uma análise de diferentes aspectos dentro desta temática. O evento será realizado nos dias 12 e 13 de março de 2020, no auditório da Faculdade de Odontologia da UFF e tem como público alvo professores, pedagogos, psicólogos, psicopedagogos, alunos de licenciaturas, orientador pedagógico, coordenadores e diretores escolares. As inscrições devem ser realizadas através do link: https://doity.com.br/saude-mental-na-escola-novos-horizontes A programação completa se encontra nos anexos. *As inscrições são gratuitas e limitadas. Se não for possível comparecer ao evento, o inscrito deverá avisar a organização com antecedência pelo e-mail academianasescolas@gmail.com. * Não há a possibilidade de estacionar qualquer veículo no local.
UFF lança Programa de Prevenção e Atenção à Saúde Mental dos EstudantesNessa segunda-feira, a Universidade Federal Fluminense realizou o lançamento do Programa de Prevenção e Atenção à Saúde Mental dos Estudantes da UFF no Auditório do Núcleo de Estudos em Biomassa e Gerenciamento de Água (NAB). O programa tem como principais objetivos garantir a melhoria na qualidade de vida dos estudantes, orientar o corpo discente sobre o acesso aos serviços que compõem a Rede de Saúde Mental da UFF e a Rede de Atenção à Saúde Mental Municipal, bem como apoiar institucionalmente os programas e projetos de atendimento à saúde mental dos estudantes da UFF. Segundo o reitor da UFF, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, o programa está em construção e é uma atitude concreta de envolvimento da gestão com o cuidado do estudante. “O objetivo principal é dar visibilidade e articular todas essas iniciativas e, com isso, fomentar novas atividades. Por isso, temos envolvidos no projeto desde aspectos acadêmicos, até operacionais, passando por diversos setores da UFF. Estão planejadas a continuidade, expansão e articulação das atividades de prevenção da saúde mental e de ausculta acolhedora aos estudantes, maximizando um trabalho que a Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Proaes) já tem feito de forma muito qualificada”, afirmou Antonio Claudio. A coordenadora do programa, Geralda Freire Marques, realizou o levantamento e cadastramento das ações e disse que passou a conhecer projetos muito importantes que já estão sendo realizados. “Foi um trabalho conjunto, exaustivo e gratificante com a colaboração da Proaes e sua equipe da Divisão de Atenção à Saúde do Estudante (DASE), que já vem realizando um excelente trabalho nessa área. Agradeço também à Pró-Reitoria de Extensão e ao professor Jairo Werner, da Faculdade de Medicina, além da Pró-Reitoria de Graduação e da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas, que acolhem nossos alunos e servidores, além das unidades do Serviço de Psicologia Aplicada (SPA); e parcerias externas como o Centro de Valorização da Vida, que somam muito para que possamos cuidar da saúde mental dos nossos alunos”. De acordo com a pró-reitora de Graduação, Alexandra Anastacio, em novembro do ano passado havia uma grande dúvida dos coordenadores de curso sobre como orientar os estudantes com problemas relacionados à saúde mental. “Temos uma preocupação muito grande na Prograd por causa do aumento nos pedidos de trancamento de matrícula e pedidos de regime especial com o motivo principal relacionado à saúde mental. Gostaria de agradecer à escuta acolhedora que a reitoria colocou para essas demandas. Precisamos unir diferentes profissionais que trabalham a prevenção e promoção da saúde mental dos estudantes” afirmou Alexandra. O representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE), João Neto, enfatizou que esse é um assunto importante para os discentes. “Principalmente nesse momento de crise econômica e social, que afeta diretamente a saúde dos estudantes. Para nós, isso é uma visão de futuro que mostra que a universidade se preocupa com a nossa saúde mental. O retorno disso é a gente produzir mais ciência, mais pesquisa, ter uma nota melhor e lutar para aumentar o CR”.   Rede de Atenção à Saúde Mental O programa listou a Rede de Referências na UFF, com serviços de atenção psicossocial, para transtorno ou sofrimento mental. Por meio da Divisão de Atenção à Saúde do Estudante (DASE) são desenvolvidas ações de acolhimento, acompanhamento e encaminhamento de problemas de saúde que estejam impossibilitando o curso regulamentar dos alunos na universidade. A fim de viabilizar o acesso à orientação psicossocial, atendimentos médicos e psicológicos, a projetos de saúde desenvolvidos na universidade e à prestação de serviços médico hospitalares da rede pública de saúde, a equipe responsável disponibiliza diariamente agendamento para o atendimento aos alunos, coordenadores, diretores/ professores de cursos, pais/parentes de estudantes da UFF. Acolhimento ao estudante Avaliação para serviços de clínica médica Escuta com psicólogo Orientação para a rede SUS - Projeto Café, Palavras e Suspiros Rodas de Conversas Ambulatório Clínico do Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) Atendimento psicoterápico a pacientes Rede de Atenção a Saúde Mental dos Municípios  
Rede de Referência em Saúde nos municípios da UFFDisponibilizamos abaixo e no anexo, os contatos da rede pública de referência em saúde, nos municípios dos campi da UFF.   NITERÓI Fundação Municipal de saúde Tel: (21) 2717-9401 Ouvidoria Geral Tel: (22) 3523 – 8404 Hospital Carlos Tortelly R. Des. Athaíde Parreiras, 226 – Centro Tel: (21) 2728-9300 CAPS Herbert de Souza R. Marquês de Olinda, 104 - Centro Tel: (21) 2722-4147 Hospital Psiquiátrico de Jurujuba Av. Prefeito Sylvio Picanço. s/mº - Jurujuba Tel: (21) 2714-8856 MACAÉ Secretaria Municipal de Saúde Tel: (22) 2763-6330 semusa@macae.rj.gov.br Núcleo de saúde mental Rua das Laranjeiras, s/n – Imbitiba Tel: (22) 2759-9410 saudemental@macae.rj.gov.br Pronto Socorro Parque aeroporto – 24hrs Unidade de emergência psiquiátrica Rua Curunhango, s/n – antiga rua 87 ANGRA DOS REIS Prefeitura Tel: (24) 3377-8311 Ouvidoria Geral Tel: (24) 3377-8311 Hospital Geral da Japuíba – 24hrs R. Japoranga, 1700 - Japuíba Tel: (24) 3368-6556 NOVA FRIBURGO Prefeitura Tel: (22) 2522-5716/3399-8410 Secretaria Municipal de Saúde Tel: (22) 2522-0661 Hospital Municipal Raul Sertã R. General Osório, 324 – Centro Tel: (22) 2523-9000/ 2524-2300 CAMPOS DOS GOYTACAZES Prefeitura Tel: (22) 2747-1798 Secretaria Municipal de Saúde Tel: (22) 98119-3398 Hospital Ferreira Machado Serviço de psicologia 24hrs na emergência R. Rocha Leão, 02 – Centro Tel: (22)2732-3788 Hospital Psiquiátrico Espírita Doutor João Viana R. Antônio Alves Cordeiro, 81 - Parque Rosario Tel: (22) 2737-1550 PETRÓPOLIS Ouvidoria Geral Tel: (24) 2233-8869 ouvidoradasaude@petropolisrj.gov.br Secretaria Municipal de Saúde Av. Barão do Rio Branco, 2846 – Retiro Tel: (24) 2233-8850/8852 Hospital Municipal Dr Nelson de Sá EARP – 24hrs R. Paulino Afonso, 455 - Centro, Petrópolis Tel: (24) 2237-4062 RIO DAS OSTRAS Prefeitura Tel:(22) 2771-1515 Secretaria Municipal de Saúde Tel: (22) 2771-6817/6260 Pronto Socorro Municipal Rio das Ostras – 24hrs R. Laércio Lúcio de Carvalho (Antiga Vila Babel), 1075 - Parque Zabulao Tel: (22) 2764-1823/7734 SANTO ANTONIO DE PÁDUA Ouvidoria Geral Tel: (22) 3853-4089 Departamento de Saúde Mental de Pádua Tel: (22)3851-0474 saudementalpadua@gmail.com Hospital Hélio Montezano de Oliveira Tv. João Jasbick, 520 - Cehab Tel: (22) 3853-3691 VOLTA REDONDA Prefeitura Tel: (24)3345-4444 Secretaria Municipal de Saúde Rua Quinhentos e Sessenta e Seis, 31 – aterrado Tel: (24) 3339-9635/36/37 Gs.sms@epdvr.com.br / faleconoscosms@epdvr.com.br Hospital Municipal Dr. Munir Rafful (HMMR) – 24hrs Demanda espontânea e referenciada (álcool e drogas) Av. Jaraguá, 1020 - Retiro Tel: (24) 3339-9393 / (24) 3339-9397 Hospital São João Batista (HSJB) Rua Nossa Senhora das Graças, 235 – São Geraldo Tel: (24) 3339-4242    
Saúde mental - Rede Referenciada na UFFRede de Referências na UFF, com serviços de atenção psicossocial, para transtorno ou sofrimento mental Para Alunos Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (PROAES) Por meio da Divisão de Atenção à Saúde do Estudante são desenvolvidas ações de acolhimento, acompanhamento e encaminhamento de demandas de saúde que estejam impossibilitando o curso regulamentar dos alunos na universidade. A fim de viabilizar o acesso à orientação psicossocial, atendimentos médicos e psicológicos, projetos de saúde desenvolvidos na universidade e à prestação de serviços médico hospitalares da rede pública de saúde, a equipe responsável disponibiliza diariamente acolhimento aos alunos da UFF. Acolhimento ao estudante Avaliação para serviços de clínica médica Escuta com psicólogo Orientação para a rede SUS - Projeto Café, Palavras e Suspiros Rodas de Conversas Ambulatório Clínico do Serviço de Psicologia Aplicada Atendimento psicoterápico a pacientes Para Servidores e seus dependentes: Espaço Saúde do Servidor Atendimento Psicossocial  Em caso de urgência e emergência siga as orientações disponíveis no seguinte endereço: http://www.uff.br/node/15311
Urgência e Emergência em saúde mental. O que fazer?Manejo de situações agudas Urgência e Emergência em saúde mental - O que fazer? O protocolo de atendimento às situações emergenciais e de urgência segue as seguintes portarias: -Nº 1.010, de 21/5/2012 - Diretrizes para a implantação do SAMU - Nº 2048, de 5/11/2002 - Regulamenta atendimento do Corpo de Bombeiros QUANDO CHAMAR O SAMU? - Tentativa de suicídio; - Vítima inconsciente (desmaio); - Intoxicação ou envenenamento; - Crises hipertensivas; - Dores no peito de aparecimento súbito; - Agressão por arma de fogo ou arma branca; - Crises convulsivas; Hemorragias; - Traumas e fraturas; - Queda; - Outras situações consideradas de urgências e emergências acidentais. Emergência Qualquer situação que apresente risco de morte ou injúria grave para o paciente ou para outros, necessitando de uma intervenção terapêutica imediata por equipe treinada. SAMU - TELEFONE 192 Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência Equipe: técnicos em enfermagem, socorristas, enfermeiros e médicos. Atende a população em residências, locais de trabalho e vias públicas. BOMBEIROS - TELEFONE 193 Tem a missão de proteção de vidas, patrimônio e meio ambiente e busca ser referência para a sociedade pela excelência dos serviços prestados. 188 O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo gratuitamente todas as pessoas que precisam conversar 24 horas todos os dias. Importante lembrar que emergências em saúde mental, tais como surtos psiquiátricos, agressões e tentativas de suicídio seguirão o protocolo de atendimento apresentado, já que representam risco iminente à vida do sujeito em questão e dos que o cercam. QUANDO ACIONAR OS BOMBEIROS: - Resgate de pessoas ou animais; - Inundação e desabamento; - Incêndio; - Afogamento; - Acidente com animal peçonhento; - Choque elétrico; - Vazamento de produto perigoso; - Acidente com vítima; - Queda e acidente doméstico; Caso o SAMU esteja impossibilitado de atender, o Corpo de Bombeiros deve ser contactado. Ao identificar uma ou mais das situações listadas, seguir o seguinte protocolo: 1- Realizar o pedido de atendimento/resgate, informando com maior detalhamento a situação 2- Identificar-se e aguardar a chegada dos profissionais que prestarão assistência 3- Em caso de dúvidas, ligue para o número de telefone Disque Saúde 136 - Ouvidoria Geral do SUS - 24 horas 4- Em caso de tentativa de suicídio, notificar a ocorrência à PROAES para fins de registro através do endereço eletrônico: saudedoestudante@proaes.uff.br
Lançamento do Programa de Prevenção e Atenção à Saúde Mental dos Estudantes da UFFNo dia 11 de novembro, às 11h, ocorrerá o lançamento do Programa de Prevenção e Atenção à Saúde Mental dos Estudantes da UFF no Auditório do Núcleo de Estudos em Biomassa e Gerenciamento de Água (NAB). O programa tem como principais objetivos garantir a melhoria na qualidade de vida dos estudantes, orientar o corpo discente sobre o acesso aos serviços que compõem a Rede de Saúde Mental da UFF e a Rede de Atenção à Saúde Mental publica e privada, bem como apoiar institucionalmente os programas e projetos de atendimento à saúde mental dos estudantes da UFF.
Café com RH apresenta: roda de conversa “Redes sociais, tolerância e saúde mental/inteligência emocional na Universidade e no Trabalho”"Redes sociais, tolerância, saúde mental/inteligência emocional na universidade e no trabalho" - Roda de Conversa “A raiva e a intolerância são as inimigas gêmeas da compreensão correta.” ― Mahatma Gandhi No cenário atual brasileiro, e podemos dizer que até no mundial, o número de casos de intolerância e suas consequências está aumentando de forma bastante considerável. Por isso, acreditamos ser necessário debatermos ainda mais sobre como podemos lidar com essas situações e transformar esse cenário, uma vez que a convivência em harmonia dentro da sociedade é a melhor maneira de seguirmos em frente . A universidade dispõe de um ambiente amplo e muito diverso, onde todos que nela estão precisam aprender, trocar experiências e principalmente respeitar as diferenças. Por isso, o Café com RH e Diversidade lhes convida a participar conosco dessa roda de conversa para podermos juntos debater esse assunto e trocarmos uma ideia! Evento aberto a toda a comunidade acadêmica e macaense. Data: 24/10/19 (quinta) Horário: 16h Local: Cidade Universitária de Macaé - Bloco A - Sala 301 Nosso evento no Faceebook: https://www.facebook.com/events/2351857488362362/ Evento da Agenda Acadêmica da UFF. Inscreva-se: http://www.agendaacademica.uff.br/atividades/
Palestra sobre Saúde Mental na Agenda AcadêmicaNo próximo dia 22 de outubro, o professor e psiquiatra Jairo Werner (Faculdade de Medicina da UFF) ministrará palestra com o tema 'Saúde Mental' no auditório do Serviço de Psicologia Aplicada (SPA), Bloco N, Campus do Gragoatá. A Agenda Acadêmica O evento acontecerá de 21 a 27 de outubro, integrada à 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). A equipe organizadora do evento, coordenada pela Prof. Geralda Freire Marques, está preparando novidades para esta edição. A abertura do evento será realizada no dia 20 de outubro, domingo, com solenidade realizada na Cúpula do Caminho Niemeyer, em parceria com a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), que realizará seu evento no Campus do Gragoatá, simultâneo à Agenda Acadêmica, com a participação de aproximadamente 3.000 pessoas de diversos lugares do país. Neste ano, a Agenda contará com a Tenda da Sustentabilidade, que reunirá a apresentação de diversos projetos da Universidade que trabalham com o tema, além de oficinas para o público e demonstrações artísticas e culturais. Alem disso, o evento musical “Breaktime Sessions”, uma parceria com a Red Bull que revelou diversos talentos, entre estudantes e funcionários da UFF, estará de volta em sua 2ª edição, que será realizada na quinta-feira, dia 24 de outubro, na quadra do Instituto de Educação Física. O encerramento da Agenda Acadêmica será celebrado com a 2ª Edição do UFF nas Praças, evento realizado em maio deste ano, que movimentou Niterói e as cidades do interior com diversas ações e prestações de serviço para a população em pontos urbanos estratégicos. Desta vez, o UFF nas Praças, será realizado no dia 26 de outubro, das 09h às 14h, na Praça Getúlio Vargas e nos jardins da Reitoria, em Icaraí, com a participação do Grupo de Música Antiga da UFF.   
Quando a sociedade é quem anda doente: pesquisa na UFF investiga sofrimento psíquico em tempos de capitalismo selvagemHá muitas maneiras de acessar um tempo passado ou presente na história da humanidade, com suas formas de existir, de organizar a vida e se relacionar. Uma das chaves para conhecer cada um desses períodos é através dos modos de sofrimento que se produziram nele. A anorexia, depressão e cutting, por exemplo, são os nomes com que identificamos algumas das dores psíquicas que temos vivido atualmente. Ao contrário do que se pode imaginar, elas têm características em comum e colocam em evidência o modo adoecido como temos nos relacionado em sociedade.  Buscando compreender esse cenário, foi inaugurado, em 2011, o Laboratório de Investigação das Psicopatologias Contemporâneas (Lapsicon), sob a coordenação da professora do Departamento de Psicologia da UFF de Volta Redonda, Claudia Henschel de Lima. De lá pra cá, o laboratório, que iniciou suas investigações em torno da psicopatologia do uso de drogas, tem expandido bastante a sua pesquisa na direção dos fenômenos clínicos contemporâneos, numa tentativa de cuidar das formas de sofrimento que temos gerado com nosso modo de viver. Segundo a psicóloga, que também supervisiona uma linha de estágio no Serviço de Psicologia Aplicada da UFF, associada à pesquisa, “começou-se a receber nos últimos anos uma quantidade grande de demandas para tratamento da depressão em mulheres adultas principalmente, tratamento da anorexia, conduta autolesiva, uso de drogas e, mais recentemente, autismo”. De acordo com ela, “o SPA é uma espécie de laboratório no sentido de que ali temos como investigar na singularidade de cada caso quais as conjunturas de desencadeamento dessas psicopatologias e como podemos estabilizá-las ao longo do tempo”, explica. Há uma exigência excessiva que o sujeito atribui a si próprio de estar sempre bem, sempre saudável, sempre conforme as normas sociais", Claudia Henschel. O fio que costura todos esses sofrimentos é, para Claudia, a forma contemporânea de organização social de caráter neoliberal, que impacta diretamente o funcionamento subjetivo das pessoas: “O neoliberalismo tem esse traço que localiza no sujeito a responsabilidade completa pelo destino de sua vida. Com seu fundamento de valorização extrema do indivíduo e quantificação de sua ação, estar bem numa determinada atividade depende única e exclusivamente do quanto você é capaz. Há uma exigência excessiva que o sujeito atribui a si próprio de estar sempre bem, sempre saudável, sempre conforme as normas sociais”. Um exemplo de como isso tem aparecido diz respeito ao sofrimento psíquico estudantil, um dos eixos de investigação do Laboratório. Segundo a professora, “em 2016, começaram a aparecer muitos alunos se candidatando a tratamento e todos tinham uma queixa de estarem com baixíssima concentração nos estudos, de não conseguir entender o que os professores falavam em aula, de olharem para o horizonte de suas vidas e não verem a possibilidade de avançarem em nada. Tivemos algumas situações difíceis no campus e isso chamou a atenção dos meus bolsistas, que vieram me pedir a possibilidade de abrirmos vagas para tratamentos dessas situações dos estudantes. Muitos deles são extremamente preocupados com seu desempenho da universidade, para realizar o ideal que os pais projetaram neles”. O excesso de exigência também aparece, embora de forma distinta, nas práticas de autolesão do sujeito (cutting), quadro cada vez mais frequente nos consultórios e também no SPA. Claudia explica que a autolesão é comum no momento de passagem da infância para a adolescência: “nesse momento uma série de modificações estão acontecendo no funcionamento subjetivo e na própria imagem corporal. O peso muda, a altura muda, os caracteres sexuais secundários aparecem e alteram a estética do sujeito que às vezes seis meses antes era uma criança. Muitas vezes se experimentam as exigências do mundo como uma espécie de experiência de não pertencimento. A equação é: ‘eu não me enquadro, sou culpado pelo mal que produzo em meus pais e se sou culpado, mereço o castigo e então me corto’. O efeito dessa conduta é a de produzir uma dor física que supere a dor da culpa por fazer mal a seus pais”, ressalta. A prática da autolesão também coloca em evidência outro aspecto comum na clínica da contemporaneidade, em que a forma como o indivíduo ataca o seu corpo acaba por colocá-lo vulnerável diante da morte: “o que é a anorexia se não a estetização da morte? O sujeito faz uma cadaverização de seu corpo. O que é o cutting se não a prática de ferir e vilipendiar o corpo? Trabalhamos com sujeitos que fazem uso de 12, 14, 15 pedras de crack por dia. Sabemos que no horizonte desses recursos – à lâmina, a não comer nada, à droga – existe a morte. Clinicamente falando, a temática não é uma exceção, mas a regra. Todos os dias na clínica é dia de prevenção do suicídio”. Para o mestrando em psicologia Thalles Cavalcanti Sampaio, que já participou do Lapsicon como voluntário, monitor e também bolsista de iniciação científica, “um projeto como esse traz à tona a importância da universidade pública para a educação e a ciência. Não é só a garantia de um ensino superior de qualidade, como a prova viva de que, no Brasil, a ciência é desenvolvida dentro das nossas universidades. Estar inserido no Lapsicon me deu a oportunidade de aprender o que é ser um pesquisador hoje no Brasil, o que é uma carreira acadêmica. O Lapsicon me fez querer ser professor, cientista e pesquisador”. O estudante de psicologia Daniel Cavalcante, atualmente estagiário do SPA e bolsista de iniciação científica do laboratório, engrossa o coro: “vejo que a universidade pública é o maior expoente nacional em produção científica e tecnológica, como em nenhum outro ambiente. A UFF transforma não só a minha vida, como a de colegas meus e das pessoas que usufruem dos produtos e serviços dela à comunidade”, enfatiza. Maria Stela Campos, também mestranda em psicologia com passagem pelo Lapsicon, tem uma vivência parecida com a de Thalles e Daniel: “participar do Lapsicon permitiu que eu me reconhecesse como pesquisadora, o que em minha concepção ultrapassa a formação acadêmica. Trata-se de um projeto que atravessa também minha vida pessoal”. Para a coordenadora do laboratório, Thalles, Daniel e Maria não são simplesmente alunos: “eles são meus parceiros de pesquisa”. Segundo ela, ao contrário do que muitos pensam, “a profissão do psicólogo é ancorada em princípios científicos. O estudante não está ali para fazer uma reprodução de saberes; isso ele já fez na escola. Ele está ali para produzir conhecimento. A bolsa de iniciação científica é isso. A bolsa de extensão é isso. A bolsa de monitoria é isso. Essas são as ferramentas que a universidade oferece para a produção de cientistas. Chamo meus estudantes de cientistas em formação”. Apaixonada pelo seu trabalho e pela psicologia, Claudia afirma não se ver fazendo outra coisa na vida: “se tem uma coisa pela qual não me arrependo é ter insistido numa profissão que minha família na época dizia que não iria dar certo. E eu disse: ‘vai dar certo’. Fiz a universidade num momento terrível do país que era prévio à abertura política. Cursei o mestrado e o doutorado o tempo todo acreditando que era possível. Acho que é isso o que transmito aos meus alunos, o ‘é possível’. Eles, por sua vez, transmitem isso aos pacientes”, conclui.
Depressão e ansiedade: entre o normal e o patológicoHome   A FEUFF   Coord. Curso   Parcerias   Departamentos   Pós-Grad.   Grupos de Pesquisa   Administração   GRUPO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EM CURRÍCULO, CONHECIMENTO E EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA [GEPECCEG] Palestra sobre depressão e ansiedade na FEUFF Postado por nggomes01 em 20/ago/2019 - Sem Comentários No mês de setembro, a FEUFF promoverá uma série de eventos em consonância com a campanha do Setembro Amarelo. E para debater sobre dois distúrbios bastante comuns entre os estudantes e profissionais de educação, a Faculdade recebe o psicólogo Braz Werneck, que proferirá a palestra Depressão e Ansiedade: entre o normal e o patológico. O evento acontece no dia 16/09, às 10h, na sala Paulo Freire, situada no Bloco D do campus Gragoatá. Pré-inscritos pelo e-mail, conforme orientações contidas no cartaz abaixo, receberão certificados de participação. Divulgue e participe!
PROAES participa da comissão de avaliação dos trabalhos para Campanha de SaúdeNo dia 11 de julho, a equipe esteve presente no auditório Interartes, no IACS, para a avaliação dos trabalhos de alunos da disciplina Comunicação Comunitária da professora Patrícia Saldanha. Trata-se de uma parceria feita pela PROAES através da DASE. Foram apresentados três projetos chamados "Só os brabo", "Participa UFF" e "Barbúrdia", que consistia na elaboração de propostas a serem expostas para a banca avaliadora, entre eles professores e servidores da UFF e de outras instituições. O trabalho escolhido foi do grupo "Balbúrdia" que atuará no próximo semestre em Campanha de Saúde para os alunos da UFF.
PROAES promove o III Seminário de Saúde Mental da Assistência EstudantilNo dia 05 de junho aconteceu o III Seminário de Saúde Mental da Assistência Estudantil, promovido pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROAES), no Campus do Gragoatá. O evento reuniu diretores(as) de unidades acadêmicas, coordenadores(as) de cursos, docentes, técnicos administrativos e profissionais da área. O objetivo do encontro foi fomentar o debate relacionado a tématica com diversos profissionais e atores envolvidos levantando novas perspectivas e possibilidades de ações. O evento se estruturou em três mesas de discussões, sendo: Mesa I - Promoção de Saúde na Universidade Nesta mesa houve duas apresentações: uma da professora Lilian Belz, discutindo sobre o tema "Saúde: movimento e dança"; e outra com o professor Edmundo de Drummond Alves Junior com o tema "Promoção da Saúde, cultura e lazer, contribuições da disciplina "Extramuros" em debate.  Mesa II - Saúde Mental e Universidade A mesa contou com as falas do professor Jairo Werner, que tratou sobre o Programa Nossos Futuros Médicos (GEAL/UFF), e da professora Daniele Machado com o tema: Papo cabeça - reflexões sobre a transferência na extensão e intenção. A mesa levantou questões importantes como: quais ações podem ser desenvolvidas, expandidas e como a universidade pode proporcionar condições psicoemocional para os estudantes. Mesa III - Saúde e Comunidade Nesta mesa aconteceram duas palestras: uma com a professora Clarice Cabral da UFRJ, falando sobre a assistência estudantil e os novos desafios; e outra com o psicólogo e voluntário do CVV, Allan Teixeira, sobre o tema: CVV 57 anos prevenindo o suicídio. 
III Seminário de Saúde Mental da Assistência EstudantilO tema da saúde mental vem ganhando cada vez mais destaque no meio acadêmico, seja pelos diversos estudos que são realizados na área seja pela urgência de um fato que se apresente: os estudantes estão adoecendo no âmbito universitário. Diante desse cenário e considerando o papel de destaque que a Proaes exerce no tocante a assistência estudantil, é fundamental a realização de estudos, discussão do tema e elaboração de ações de prevenção e promoção da saúde mental dos discentes da universidade. O III Seminário e Saúde Mental da Assistência Estudantil tem por objetivo fomentar o debate com os diversos profissionais, campos de saber e atores envolvidos na temática. O evento será realizado no dia 05 de junho de 2019, de 9h às 18h, no bloco G, Campus do Gragoatá. Link para as inscrições: https://doity.com.br/iii-seminario-de-saude-mental-da-assistencia-estudantil A  programação se encontra em anexo.
PROAES promove o III Seminário de Saúde Mental da Assistência EstudantilO tema da saúde mental vem ganhando cada vez mais destaque no meio acadêmico, seja pelos diversos estudos que são realizados na área seja pela urgência de um fato que se apresente: os estudantes estão adoecendo no âmbito universitário. Diante desse cenário e considerando o papel de destaque que a Proaes exerce no tocante a assistência estudantil, é fundamental a realização de estudos, discussão do tema e elaboração de ações de prevenção e promoção da saúde mental dos discentes da universidade. O III Seminário e Saúde Mental da Assistência Estudantil tem por objetivo fomentar o debate com os diversos profissionais, campos de saber e atores envolvidos na temática. O evento será realizado no dia 05 de junho de 2019, de 9h às 18h, no auditório do bloco G, Campus do Gragoatá. Link para as inscrições: https://doity.com.br/iii-seminario-de-saude-mental-da-assistencia-estudantil Acesse a programação do evento no final deste informe.
II seminário de Saúde Mental da Assistência Estudantil é realizado somente pela manhãInformamos que devido às fortes chuvas e incerteza do mau tempo, o II Seminário de Saúde Mental da Assistência Estudantil será realizada apenas no período da manhã. A mesa I (PICS), composta pela Dra. Maria Aparecida dos Santos, Profa. Liliane Belz e o médico Leon Sidi, já está acontecendo. Agradecemos a compreensão de todos.
Burnout, Bullying e Assédio: os males da ModernidadeO PPGCCV convida a todos para a aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Ciências Cardiovasculares "Burnout, Bullying e Assédio: os males da modernidade". Ela será proferida pela Profa Valéria Pagnin, professora adjunta de Psiquiatria e chefe do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental da UFF, e pelo Prof. Daniel Pagnin, professor adjunto de Psiquiatria da Infância e Adolescência e Psicologia Médica da UFF. A palestra será no dia 11/04/19, às 9h, no Auditório do Instituto Biomédico. As inscrições deverão ser feitas através do e-mail poscardiovascularuff@gmail.com. Haverá emissão de certificado para os participantes.
UFF Macaé terá atendimento psicológico a partir deste semestre letivoEm resposta à demanda da comunidade acadêmica, inicia-se o atendimento psicológico no campus, com a parceria da FeMASS e do Curso de Psicologia da Universidade Estácio de Sá. O serviço de psicologia aplicada desta última estará disponível para o atendimento no campus e na moradia estudantil, nos seguintes horários: Cidade Universitária: Terça: das 18h às 21h30 Quarta: das 13h às 17h e das 17h às 20h Quinta: das 18h30 às 21h30 Sexta: das 18h30 às 21h30 Moradia Estudantil: Segunda: das 10h às 16h Quarta: das 10h às 13h No campus, o serviço será inicialmente prestado no contêiner da UERJ, que está localizado ao lado dos laboratórios da UFRJ, à esquerda da entrada da cidade universitária. Para agendamento do atendimento, os interessados devem telefonar para (22) 2757-7760, no horário das 13h às 21h. Todavia, atendimentos de emergência também poderão acontecer, bastando os interessados se dirigirem diretamente ao local indicado. Para os estudantes que desejarem procurar o serviço, não é preciso esperar o início do semestre letivo. O serviço de atendimento teve início no dia 20/02/2019.
Neurocine debate o filme Se enlouquecer não se apaixoneEm consonância com o tema escolhido para a X Semana do Cérebro "Neurociências e Educação", será exibido o filme "Se enlouquecer não se apaixone" que aborda a temática de um adolescente, Craig Gilner, que decide se internar em uma clínica de saúde mental. Em seguida, será realizado o debate sobre o filme com diferentes profissionais da área: Helena de Souza Pereira- Pesquisadora/UFF, Fátima Erthal – Pesquisadora/UFRJ, Ricardo Krause – Médico Psiquiatra e Terezinha Resende – Psicóloga clínica e orientadora vocacional. O projeto de Extensão Neurocine tem como objetivo promover a exibição de um filme, seguido de discussão com profissionais de diferentes áreas, em tom  multidisciplinar, sobre a temática do filme. A ação é organizada pelo Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências da UFF (NuPEDEN).
UFF Macaé convida para 1º Fórum sobre Saúde Mental O 1º Fórum sobre Saúde Mental é uma iniciativa da Comissão de Assistência Estudantil e Saúde Mental do Campus UFRJ-Macaé, juntamente com a professora Izabela Taveira (UFF Macaé), que promoveu a Roda de Conversa SOS Universidade durante a última Semana de Integração Acadêmica. Contamos com o apoio das direções das IES integrantes da Cidade Universitária (UFRJ, UFF e FEMASS), bem como da Coordenação da Secretaria de Ensino Superior, e também com a participação da Liga de Saúde Mental, formada por estudantes de medicina e enfermagem do Campus UFRJ-Macaé. A saúde mental no ambiente universitário é um assunto de suma importância nos dias atuais, visto que abrange a comunidade acadêmica como um todo. Discuti-la é fundamental para que possamos conscientizar e contribuir para que o ambiente acadêmico seja sadio e acolhedor para todos. O 1º Fórum sobre Saúde Mental será realizado no dia 29 de novembro, das 17 às 19 horas, no Auditório Claudio Ulpiano (Bloco A da Cidade Universitária).
Abertas inscrições para o 'Simpósio Prevenção e Manejo do Suicídio'Aline Bonifácio A Liga Acadêmica Multiprofissional de Saúde Mental e Psiquiatria está com inscrições abertas para o "Simpósio Prevenção e Manejo do Suicídio: um desafio de muitos saberes", que ocorrerá em 18 de outubro. A liga é coordenada pelo professor  Ronaldo Victer, do Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal Fluminense. O tema, que é muito complexo, será abordado por profissionais de diferentes áreas, a partir de evidências científicas e relatos de experiência. As inscrições são gratuitas e deverão ser realizadas pelo link https://doity.com.br/prevencao-e-manejo-do-suicdio PROGRAMAÇÃO COMPLETA: 18:00 – Abordagem psicossocial do suicídio e as propostas políticas de prevenção e cuidado Prof. Dr. Rogério Lustosa Bastos (ESS UFRJ) 18:20 – Falando de esperança quando o assunto é suicídio Profa. Dra. Valéria de Queiroz Pagnin (MSM UFF) 18:40 – Abordagem toxicológica do panorama das tentativas de suicídio Dra. Lilia Ribeiro Guerra (CCIn HUAP) 19:00 – Relato de experiência sobre salvamento de tentativas de suicídio Capitão Evangelista (1º GBM Humaitá) 19:20 – Estratégias de prevenção ao suicídio no meio acadêmico - Como abordar a saúde mental do estudante e do docente? Profa. Dra. Elaine Antunes Cortez (EEAAC UFF) 19:40 – Cafezinho 20:00 – Debate 21:00 – Encerramento
Rede de referência para atendimento em saúde mental Integrando a Campanha "UFF PELA VIDA", disponibilizamos para download as informações sobre a rede de atendimento disponível em nível institucional na UFF e em nível municipal de apoio à saúde mental.   Compondo tal rede, incluem-se as ações realizadas pela Divisão de Promoção e Vigilância em Saúde e da Seção Psicossocial, ambas ligadas à Coordenação de Atenção Integral à Saúde e Qualidade de Vida (CASQ/PROGEPE/UFF), como a Campanha do Setembro Amarelo para prevenção do suicídio, atendimento psicológico e psiquiátrico, entre outras ações diretas e indiretas nos diferentes setores da UFF.   Realize o download do material disponibilizado a seguir para visualizar as informações completas. Onde procurar ajuda? Rede referências na UFF (Atenção psicossocial, transtorno ou sofrimento mental.) Rede referências no Estado do Rio de Janeiro (Atenção psicossocial, transtorno ou sofrimento mental.)
O UFF Debate Brasil do mês de agosto discute promoção à saúde mental no Teatro da UFFO Teatro da UFF abre suas portas no dia 28 de agosto, às 15h, para debater o tema ‘Um olhar sobre a vida, promoção à saúde mental’, na próxima edição do UFF Debate Brasil. Essa reflexão, tão atual e necessária, quer instigar uma abordagem positiva da existência de momentos de crises individuais e sociais, nos fazendo perceber que sempre podemos optar pela reinvenção da vida. A sua presença é imprescindível.   Venha trocar ideias rumo a soluções criativas conosco! Contará com a participação de: • Maria Elizabeth Araújo - psicanalista e psiquiatra do SPA/UFF • Jorge J. Melo - Psicólogo do núcleo de atenção à saúde do servidor (NASS/FME Niterói) • Diego Nogueira - Médico e psicólogo da DPVS/CASQ/UFF • Márcia Godinho de Souza - Musicoterapeuta clínica e Mestre em Filosofia e Ética Serviço: 28 de agosto de 2018, terça, às 15h UFF Debate Brasil - Um olhar para a vida, promoção à saúde mental Teatro da UFF - Rua Miguel de Frias 9, Icaraí, Niterói - RJ 344 lugares Entrada Franca Indicação etária: livre
PROEX apoia lançamento de livro sobre saúde mental no BrasilO projeto de extensão Por que também temos que falar de violência? realizará a mesa  Saúde Mental, Violência e Luta Antimanicomial e o lançamento do livro A Loucura sem avesso: saúde mental no Brasil, no dia 26 de julho, às 18h, no auditório do Instituto de Psicologia da UFF (IPSi – bloco N – 4º andar). A mesa versará sobre os problemas atuais na micro e na macropolítica que interferem no movimento da luta antimanicomial. Contará com a participação da Prof.ª Dr.ª Paula L. Curi (UFF), da Prof.ª Me. Ariadna P. Alvarez (FIOCRUZ), e do Prof. Dr. Rogério Quintella (UFF), organizador do livro.  Haverá venda de livros no local. O livro A Loucura sem avesso - saúde mental no Brasil é um convite à reflexão e ao conhecimento sobre novas maneiras de se conceber e lidar com a questão da loucura na sociedade contemporânea. Essa obra é o resultado de uma série de pesquisas e experiências no campo da saúde mental em sua diversidade teórico-prática, que coloca em questão as diversas concepções de loucura na história das sociedades modernas, buscando demonstrar que não há, do ponto de vista ético e político, motivos para o encarceramento manicomial. O projeto de extensão Por que também temos que falar de violência?, coordenada pela Prof.ª Dr.ª Paula Land Curi, do Instituto de Psicologia da UFF, tem como objetivo principal desenvolver ações voltadas a discutir violências a partir de uma perspectiva de gênero. Fb do projeto: https://www.facebook.com/temosquefalardeviolencia/  
Estudo revela violências e vulnerabilidades nos desenhos infantisParte do universo lúdico de toda criança, o ato de desenhar é também a forma pela qual os pequenos conseguem expressar seus sentimentos e retratar as experiências sobre o mundo à sua volta. Por isso mesmo, os rabiscos infantis são comumente utilizados para analise e diagnóstico por psicólogos e pediatras. São também o objeto de um estudo aprofundado disponível no livro "Violências e vulnerabilidades nos desenhos infantis", organizado por Simone de Assis e Joviana Avanci e publicado pela Eduff em coedição com a Editora Fiocruz. A obra é fruto de um trabalho que envolveu cerca de 500 crianças e adolescentes do ensino fundamental do município de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, e contou com a colaboração de profissionais da área de saúde pública especializados no tema da violência e em saúde mental. Os nove capítulos que compõe a coletânea trazem reflexões sobre a relação entre a expressão gráfica infantil e os contextos sociais e as condições de saúde mental das crianças que participaram do estudo. A partir de desenhos que retratam a família e o ambiente doméstico, os pesquisadores se propõem a conhecer as expressões gráficas que indiquem vulnerabilidades sociais.   Saiba como comprar.    
Roda de Conversa com o SPA de Rio das Ostras acontece na UFF de Macaé.A professora e doutora em psicologia clinica, Soraya Martins, coordenadora do Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) de Rio das Ostras, estará presente com sua equipe no Campus Macaé para conversar com professores, servidores técnicos e estudantes interessados na assistência psicológica na universidade. O evento chama a comunidade acadêmica de Macaé para o debate sobre saúde mental dentro das universidades, onde a pressão do cotidiano pode desencadear uma série de problemas, e abre oportunidade para sugestões sobre o atendimento a docentes, discentes e servidores técnicos. A preocupação com a saúde mental no ambiente universitário não é algo novo. Nos Estados Unidos, o primeiro serviço de assistência psicológica a estudantes universitários foi implementado em 1910, em Princeton. Na Inglaterra, o primeiro serviço de saúde estudantil que se tem notícia iniciou-se em 1927, em Oxford. No Brasil, em 1957, foi criado, na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pernambuco, o primeiro Serviço de Higiene Mental e Psicologia Clínica, com a finalidade de oferecer assistência psicológica e psiquiátrica aos estudantes universitários. Em São Paulo, a Escola Paulista de Medicina (EPM) organizou, em 1965, um Serviço de Saúde Mental Escolar. Nos anos 60, as universidades federais do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro também implantaram seu Serviço de Saúde Mental destinado ao universitário (Loreto, 1985). Hoje, o foco não é mais apenas o estudante universitário. Percebeu-se que a universidade é um ambiente extenuante também para os professores e servidores técnicos. E é com base nisso que a UFF de Macaé proporciona essa Roda de conversa com o SPA da UFF de Rio das Ostras. A Roda de Conversa acontecerá no dia 21/11/2017, às 18 horas, na sala 308, bloco A, da Cidade Universitária - Rua Aluísio da Silva Gomes, 50, Macaé. Maiores informações: contato@icm.uff.br  
Iniciativas da UFF focam a saúde mental de seus alunosSegundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país com a maior taxa de transtornos de ansiedade no mundo e o quinto em casos de depressão. Essa realidade também está presente no ambiente universitário, demandando mobilizações efetivas das instituições de ensino superior no auxílio aos seus estudantes. De acordo com o professor de neuropsiquiatria infantil da UFF, Stephan Oliveira, fatores como a cobrança, a competitividade, as relações interpessoais, a dificuldade de conciliar vida acadêmica e social, a ameaça do desemprego e do fracasso profissional e a distância da família podem desencadear transtornos ligados à saúde mental, não sendo raros os casos de alunos que apresentam queda no rendimento ou até abandonam o curso. Para auxiliar na questão, é importante que as instituições de ensino superior compreendam melhor as demandas dos estudantes, como explica o professor do Departamento Materno-Infantil da Faculdade de Medicina e doutor em saúde mental, Jairo Werner. “Observamos no contato com os estudantes que muitos apresentam queixas ligadas a ansiedade e depressão e nem sempre procuram auxílio, alguns, inclusive, optam pelo uso de medicamentos. É necessário que a universidade amplie o trabalho preventivo, de orientação e apoio a esses alunos”, alerta. Segundo o vice-reitor, Antonio Claudio da Nóbrega, é fundamental um olhar focado na direção de uma saúde integral dos estudantes. “Trabalhamos para gerar um ambiente que promova o bem estar, o sentimento de pertencimento e a autonomia dos estudantes. Desta forma, fortalecemos os vínculos institucionais e criamos condições para uma formação integral, promovendo a saúde mental. Nesse contexto, é importante que cada docente considere seus alunos como pessoas em formação com demandas, sonhos e frustrações”, ressalta. Na UFF de Niterói, a Divisão de Atenção à Saúde do Estudante (Dase) - que realizou aproximadamente mil atendimentos em 2016 - oferece serviço de escuta terapêutica com psicólogos, além de projetos que visam à promoção da saúde, como oficinas, tratamentos de auriculoterapia e técnicas de meditação. “Aqui nós buscamos acolher os alunos e oferecer ferramentas para que eles possam administrar seu próprio sofrimento”, explica a psicóloga diretora do Dase, Nathalia Lacerda. Nos campi da UFF em Volta Redonda e Campos dos Goytacazes, os estudantes também encontram auxílio psicológico. O Departamento de Psicologia  e o Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) de Campos, em parceria com a Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Proaes), vem desenvolvendo um projeto intitulado "Cuca Legal: educação e saúde" , que tem exatamente o objetivo de promover um espaço para acolhimento e discussão sobre as principais dificuldades emocionais apresentadas pelos alunos, especialmente em seu processo de adaptação à nova condição universitária. “É possível perceber que os estudantes de um modo geral, e os fora da sede em especial, enfrentam um período de "luto" pelo afastamento de casa, da família e dos amigos. Associado à nova vivência estudantil, com as cobranças inerentes a um curso de graduação, alguns deles desenvolvem quadros de maior ansiedade ou depressão”, avalia a coordenadora de estágio do SPA de Campos, Andrea Soutto. Segundo dados da secretaria do SPA de Volta Redonda, lá são recebidos alunos das mais diversas áreas: Física, Química, Matemática, Engenharia, Direito, Administração e Ciências Contábeis. O atendimento é feito por estagiários de Psicologia, sob a orientação de professores do curso. Em atenção a essa questão, o curso de Medicina da UFF criou em 2015 o programa Nossos Futuros Médicos, que desde então oferece atendimento médico-psicológico com foco na saúde mental e no cuidado integral com o aluno. O projeto foi criado devido às demandas dos estudantes com transtornos que poderiam vir a impedi-los de continuar o curso. “Nós entendemos que a faculdade deveria oferecer um trabalho preventivo, de orientação e apoio. Dessa forma, desenvolvemos esse projeto voltado para a saúde mental e o próprio cuidado com o universitário”, explica um dos coordenadores, Jairo Werner. Na opinião de Antonio Claudio da Nóbrega, as competências acadêmicas devem ser aplicadas também no cumprimento da responsabilidade social junto à própria comunidade da UFF, como no caso do projeto Nossos Futuros Médicos. “Os docentes da área de saúde exercem tradicionalmente suas atividades formando profissionais, mas também atendendo a população como ações de extensão e pesquisa. Portanto, iniciativas que promovam saúde podem e devem ser multiplicadas não só para fora, mas também para dentro dos muros da universidade”, conclui. Abaixo, os professores Jairo Werner e Stephan Oliveira, coordenadores do projeto, dão mais detalhes sobre o programa: Como funciona o Nossos Futuros Médicos? Jairo - O projeto é dividido em três níveis. O primeiro é mais geral, formado por oficinas, vídeos, palestras, com temas ligados às necessidades que identificamos entre os alunos, com conteúdo voltado para ansiedade, sexualidade, para a questão de cuidado do corpo e até espiritualidade. Temos um segundo nível voltado para um grupo mais específico, daqueles que buscam se aprofundar nos temas apresentados. Para isso, organizamos o “Clube da Mente”, que no início era uma série de palestras e que agora se transformou em grupos reflexivos e atividades, como oficinas e ações ligadas à comunidade. O terceiro nível é oferecido especificamente para os estudantes que apresentam algum tipo de transtorno. Eles são avaliados pela nossa equipe, principalmente pelos professores psiquiatras e encaminhados para o tratamento. É o ponto mais individual e também sigiloso, que são as consultas. Por que o programa é voltado especificamente para os estudantes de medicina? Stephan - Além desse ideal de cuidar de quem vai cuidar dos outros e das demandas que recebemos, algumas pesquisas mostram dados preocupantes. Por exemplo, um estudo realizado na Faculdade de Medicina de Botucatu mostrou uma prevalência dos transtornos mentais comuns, como depressão, ansiedade, sintomas somatoformes, queixas corporais, ligados a aspectos emocionais - com uma amostra extremamente significativa de 500 alunos - com uma prevalência de 44,7% entre os estudantes de medicina. Enquanto na Universidade Federal do Espírito Santo uma pesquisa com o mesmo enfoque registrou uma prevalência de 37% de casos de transtornos mentais entre os estudantes do curso. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 90% dos suicídios poderiam ser evitados. É possível identificar um comportamento prévio nesses casos? Jairo – Normalmente essas pessoas pedem ajuda de alguma forma. Elas podem ligar sem muito assunto, meio perdidas, podem comentar algo sobre o suicídio como um pensamento recorrente e podem até se isolar.  Então, o que é indicado é que quando esses comportamentos são identificados, seja oferecido um lugar de apoio para essa pessoa, sem preconceito nem julgamentos, entendendo que esses transtornos não são sinal de fraqueza, mas de luta. É importante fazer com que a pessoa se sinta valorizada nesse momento. E, concluindo, em sua opinião, qual a importância das iniciativas de conscientização e prevenção do suicídio, como a campanha “Setembro Amarelo” (http://www.setembroamarelo.org.br/) que ocorre no Brasil desde 2015? Jairo -  Com essas campanhas, é possível conscientizar a sociedade a respeito das diferentes causas, de como auxiliar e até identificar esses transtornos psicológicos que têm graves consequências, como o suicídio, por exemplo. Então eu acredito que essas ações são importantes porque alertam para a existência desses casos, ampliando e aprofundando o conhecimento a respeito do assunto. Serviços de apoio psicológico aos estudantes da UFF: Nossos Futuros Médicos E-mail: nossosfuturosmedicos@gmail.com Local: Geal/Mequinho - UFF, Av. Jansen de Melo, 174, Centro, Niterói. Telefone: (21) 36747437 Divisão de Atenção à Saúde do Estudante (Dase) E-mail: saudedoestudante@proaes.uff.br Local: Rua Miguel de Frias, 09 Fundos - Icaraí - Niterói Telefone: (21) 2629-5320 Departamento de Psicologia de Campos E-mail: pucg@vm.uff.br Local: Rua José do Patrocínio, 71 Centro - Campos dos Goytacazes - RJ Telefone: (22) 2722-0622 Departamento de Psicologia de Volta Redonda E-mail: uff.ichs.psicologia.91@gmail.com Local: Rua Desembargador Ellis Hermydio Figueira, 783 Aterrado - Volta Redonda - RJ Telefone: (24) 3076-8739
Audiência Pública em Saúde Mental da Cidade Universitária de Macaé ocorrerá em 13 de junhoA convite do Ministério Público Federal e com a mediação de instituições consortes, uma Audiência Pública em Saúde Mental será realizada no próximo de 13 de junho, terça-feira, às 18 horas, no pátio de entrada da Cidade Universitária de Macaé. Aberto a todos os interessados, o evento contará com a presença do Ministério Público Federal, do Programa de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde, de médicos e profissionais que atuam na área, da Secretaria Adjunta de Ensino Superior, das direções, das coordenações de curso e das representações estudantis da UFF, da UFRJ e da FeMASS. O evento tem como objetivo dar visibilidade aos problemas e às soluções em saúde mental no campus, criando parcerias e procedimentos para cuidar da comunidade universitária local. Contamos com uma ampla participação.