Projeto de extensão Pensa, Imagina, Inventa#ProexEmAção divulga o vídeo sobre o projeto de extensão Pensa, Imagina, Inventa, coordenado pelos professores Deison Alencar Lucietto e Marcos Albuquerque de Senna do Instituto de Saúde Coletiva - UFF. O projeto tem como objetivo promover a cocriação, coconstrução e compartilhamento de saberes e tecnologias sustentáveis para a promoção da saúde de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. O projeto funciona no Solar Meninos de Luz no Pavão-Pavãozinho no Rio de Janeiro.
Eduff disponibiliza mais um e-book para download gratuitoRecém-publicado pela Eduff, o e-book “Educação ambiental, sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: contribuições para o ensino de graduação”, organizado por José Rodrigues de Faria Filho, Patricia Almeida Ashley e Mônica Marella Corrêa, já está disponível gratuitamente para download no site da Editora. A obra é fruto do projeto Redes de Educação, desenvolvido na Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal Fluminense (Prograd/UFF), no período de 2015 a 2018, cujo objetivo principal objetivo (re)construir na instituição a noção de coletividade e pertencimento. Por meio de diálogos entre a comunidade acadêmica e a partir de encontros virtuais e presenciais, o projeto contou com participação de estudantes, professores e técnicos que apostaram em uma universidade mais inclusiva, sustentável e engajada socialmente. Durante os encontros, foram criadas redes e estabelecidas parcerias com profissionais dentro e fora da universidade. Faça o download gratuito, no site da Eduff.     
Parceria entre o programa de extensão Sustenta-Vida do Instituto de Nova Friburgo e a Cruz Vermelha de Nova Friburgo. #ProexEmAção divulga a parceria entre o programa de extensão Sustenta-Vida do Instituto de Nova Friburgo e a Cruz Vermelha de Nova Friburgo. Um grande passo foi dado no trabalho voluntário da região, e muito em breve será disponibilizado diversas ações para a comunidade. A Cruz Vermelha em 2011 na tragédia que atingiu a região serrana teve uma atuação irrefutável e preciosa, contando com a participação da população em diversos momentos. Serão disponibilizados cofrinhos da Cruz Vermelha pela cidade e você também poderá ajudar. Lembre-se: UMA MOEDA, A SUA MOEDA, PODE SALVAR UMA VIDA. Participe!
UFF divulga seu primeiro relatório de monitoramento do Plano de Logística SustentávelA UFF, através da Comissão Permanentende de Sustentabilidade, divulga o primeiro Relatório de Monitoramento do Plano de Logística Sustentável da universidade. Este é primeiro documento produzido pela CPS, como cumprimento legal, após a implantação do Plano, em final de 2017. Este documento tem como objetivo mostrar os resultados e desafios ao longo do primeiro ciclo avaliativo, ou seja, 2018. Para acessar o relatório na íntegra, clique no link abaixo.
UI GreenMetric World University RankingsO UI GreenMetric World University Ranking é um sistema internacional criado pela Universidade da Indonésia (UI), em 2010, com a finalidade de medir os esforços de sustentabilidade dos centros universitários através de programas e políticas de sustentabilidade em universidades de todo o mundo. O UI GreenMetric é reconhecido como o primeiro ranking e única classificação universitária mundial em sustentabilidade e, dentro de uma perspectiva universitária global, tem como objetivos principais: contribuir para os discursos acadêmicos sobre sustentabilidade na educação e ecocampi, promover uma mudança social encabeçada pelas universidades no que tange à questão da sustentabilidade, ser uma ferramenta de autoavaliação sobre a sustentabilidade do campus para instituições de ensino superior em todo o mundo, informar os governos, as agências ambientais internacionais e locais e a sociedade sobre os programas de sustentabilidade no campus. O questionário enviado pela Universidade da Indonesia teve os seguintes temas abordados: uso de energia elétrica, tratamento dos resíduos do campus, locomoção e transporte, educação e grade curricular, e por fim, uso e tratamento de água. A UFF teve sua primeira participação em 2018 e ficou em 496º lugar entre as universidades mais sustentáveis do mundo e em 19º entre as universidades brasileiras. Para maiores informações sobre o GreenMetric, acesse o site.
Relatórios de monitoramento do PLSO Relatório de Monitoramento do Plano de Logística Sustentável 2018 é o primeiro produzido pela Comissão Permanente de Sustentabilidade após a implantação do PLS, aprovado no final de 2017. Este documento tem como objetivo mostrar os resultados obtidos ao longo do ano de 2018.
ReportagensTextos Revista Plurale O Fluminense O Globo Vídeos UFF IMAGEM O que é o PLS? Implementação do PLS na UFF O que é uma universidade sustentável Questionário acadêmico sobre sustentabilidade Deise  
EquipeCOMISSÃO PERMANENTE DE SUSTENTABILIDADE Deise Faria Nunes Gabinete do Reitor - Secretária Executiva Presidente da CPS Ana Patrícia Almeida de Lima Coordenação de Atenção à Saúde e Qualidade de Vida/PROGEPE - Administradora Anne Marie Lafosse Paes de Carvalho Laboratório de Conservação e Restauração de Documentos - Bibliotecária Documentalista Carlos Henrique Rodrigues Coutinho Superintendência de Comunicação Social - Auxiliar em Administração Cláudio Pinheiro Fernandes Instituto de Saúde de Nova Friburgo - Professor do Magistério Superior Francisca Marli Rodrigues de Andrade Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior - Professora do Magistério Superior Germana Fonseca Werneck Gabinete do Reitor - Assistente em Administração Gisella Chinelli Centro de Artes da UFF - Produtora Cultural Kahena Martinez Rivero Pró-Reitoria de Administração - Assistente em Administração Luciana Ribeiro Lopes Gabinete do Reitor - Bolsista Kenny Tanizaki da Fonseca Instituto de Geociências - Professor do Magistério Superior Márcio Cataldi Escola de Engenharia - Professor do Magistério Superior Newton Narciso Pereira Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda - Professor do Magistério Superior Ronaldo Hertel Neira Hospital Universitário de Medicina Veterinária - Médico Veterinário Sávio Freire Bruno Hospital Universitário de Medicina Veterinária - Professor do Magistério Superior Vicente de Paulo Abreu Agência de Inovação - Economista EQUIPE DE APOIO Luciana Ribeiro Lopes Estagiária da Comissão Permanente de Sustentabilidade Acadêmica de Produção Cultural Maria Beatriz Paiva Viana Estagiária da Comissão Permanente de Sustentabilidade Acadêmica de Ciência Ambiental Raphael Dantas dos Anjos Estagiário da Comissão Permanente de Sustentabilidade Acadêmico de Ciência Ambiental  
Comissão Permanente de Sustentabilidade - CPSCom objetivo de elaborar, monitorar, avaliar e revisar o Plano de Logística Sustentável e implantar as políticas de sustentabilidade na UFF, foi criada a Comissão Gestora do PLS em setembro de 2016, através da Portaria nº 57.192 de 20/09/16 e, posteriormente, a Comissão Permanente de Sustentabilidade da Universidade Federal Fluminense (CPS) através da PORTARIA N.º 60.768 de 27 de fevereiro de 2018. Cabe à CPS fomentar práticas sustentáveis, encaminhar as iniciativas aos devidos setores e monitorar a implementação do PLS UFF.
Metas do PLSPlanilha com as metas indicadas no Plano.
DiagnósticoO diagnóstico é um levantamento da condição socioambiental da instituição. Esta fase é de vital importância para elaboração do plano. Em 2017, foi realizado o levantamento do consumo de água, energia, combustível da frota, obras realizadas e as necessidades de capacitação. Abaixo, listamos os diagnósticos recebidos pelas Pró-Reitorias, Superintendências e Setores da Universidade Federal Fluminense, que embasaram o Plano de Logística Sustentável da Instituição.
Documentos de apoio ao PLSListamos abaixo os documentos que serviram de base para construção do Plano de Logística Sustentável.
Pesquisa sobre sustentabilidade na UFFDurante o mês de fevereiro de 2017, toda a comunidade acadêmica foi convidada a participar da pesquisa sobre sustentabilidade na UFF, com a finalidade de orientar a Comissão Gestora no planejamento das ações sustentáveis que farão parte do PLS/UFF. Disponibilizamos, em arquivo anexo, os resultados desta pesquisa, para que todos possam ter acesso a estas informações. Agradecemos a ajuda de todos na construção do PLS/UFF.
Audiência Pública em NiteróiO Plano de Logística Sustentável (PLS) da Universidade está sendo preparado para o lançamento. A Comissão Gestora organizou uma audiência pública para debater sobre o processo de criação e divulgar o plano. Para assistir a cobertura da audiência, acesse aqui.
Eventos Listamos neste espaço os eventos organizados ou apoiados pela CPS. Festival da Sustentabilidade Entre os dias 6 e 9 de setembro ocorreu, em Nova Friburgo, o Festival de Sustentabilidade, que contou com a realização do SILABAS - Simpósio Latinoamericano de Bioarquitetura Sustentável, além de oficinas e workshops, feira com produtores locais e atrações musicais. A CPS atuou como apoio institucional, adquirindo desconto para estudantes da UFF na programação do SILABAS. Participação na Agenda Acadêmica Na Semana Acadêmica, que ocorreu entre os dias 16 e 19 de outubro, a CPS intermediou a confecção do painel Silhuetas em Ação, pintado na parede do Restaurante Universitário do campus do Gragoatá. A atividade foi coordenada pelo artista Rodrigo Andriàn, que já havia realizado atividades no campus de Petrópolis, e foi baseada no tema da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia - “Ciência para Redução das Desigualdades”. A atividade contou com a presença de estudantes do campus Petrópolis, que participaram da confecção das silhuetas pintadas.Também na Semana Acadêmica, a CPS buscou promover a palestra "Sustentabilidade: vamos falar sobre gestão de resíduos?", a qual precisou ser cancelada, por motivo de força maior do palestrante convidado. I Congresso Internacional Cidades Lixo Zero Através da servidora e membro da comissão, Germana Werneck, a CPS participou do congresso. Na oportunidade, a servidora, em contato com outros dois servidores das universidades de Minas Gerais (Ulisses Bifano Comini da UFV e Mardelene Geisa Gomes da UFMG) criaram um grupo no whatsapp chamado Gestão de Resíduos IES. O grupo já conta com 37 participantes - incluindo a presidente da CPS UFF - representantes de diversas universidades do país (UFMG, UFV, UFSC, UTFPR, USP, UFSC,dentre outras) em que os membros trocam experiências sobre gestão de resíduos nas instituições de ensino e se apoiam também com a troca de materiais. Grupo Gestão de Resíduos em IES Troca de experiências sobre gestão de resíduos nas instuituições de ensino. Criou-se uma rede de contatos de profissionais que estão atuando direta ou indiretamente com a gestão ambiental e, principalmente dos resíduos sólidos em instituições de ensino, de modo a permitir a troca de informações, experiências e conhecimento para resolução de problemas, desenvolvimento de projetos e execução de ações voltadas aos gerenciamento ambiental.   Curso A3P - Agenda Ambiental na Administração Pública No ano de 2018 o Ministério do Meio Ambiente realizou cursos sobre a A3P em diversas cidades do país, e nos dias 23 e 24 de agosto promoveu a atividade no município de Niterói. O curso foi ministrado na sede da Prefeitura Municipal de Niterói e teve duração de 16h. Participaram do curso a servidora Germana Werneck e as bolsistas Isabella Pires e Maria Beatriz Viana. Projeto Construção Sustentável A CPS elaborou, em 2018, um projeto de solicitação de emenda parlamentar, submetido à assessoria do Deputado Federal Glauber Braga,  para compra de equipamentos, reforma e adaptação do imóvel, que será a Sede da Comissão Permanente de Sustentabilidade e laboratórios para abrigar projetos que sejam desenvolvidos pela comissão.O projeto prevê a adaptação do imóvel, de propriedade da UFF, localizado no Campus da Praia Vermelha, em uma construção sustentável, que considere intervenções que visem o menor impacto ambiental e economia de recursos naturais e financeiros. Tal solicitação foi atendida pelo referido parlamentar, e através do Ofício Nº 011/2019/PLOR, de 12/02/19, a CPS tomou ciência do número da Emenda, qual seja, 26160022. II Fórum Municipal Lixo Zero em Niterói O Fórum Lixo Zero é idealizado pelo Instituto Lixo Zero e foi organizado pelo Coletivo Lixo Zero Niterói. O objetivo do evento foi levantar discussões e divulgar exemplos de ações locais voltadas à sustentabilidade no município de Niterói. O Fórum contou com a presença do presidente do Instituto Lixo Zero, do Sub-secretário de Meio Ambiente do Município e diversos empreendedores e ativistas locais. A CPS atuou com apoio institucional ao evento, além de contar com a presidente da CPS, Deise Faria e o professor Márcio Cataldi como palestrantes. Curso Gestão de Resíduos Sólidos para a Promoção de Ativos Ambientais Curso de Gestão de Resíduos promovido em parceria entre a Proex, Departamento de Administração e Programa Ações Sustentáveis. Através da servidora (Germana Werneck) e membro da comissão, a CPS se fez presente no curso. Semana do Servidor Para a I Semana do Servidor, promovida pela PROGEPE, a CPS convidou o servidor Alexandre Moura, Técnico em Informática, cujo projeto foi inscrito na Campanha de Meio Ambiente UFF 2018. A atividade foi suspensa por falta de quórum. Inscrição na Chamada Pública Boas Práticas da A3P 2018 A CPS, por estar atenta aos assuntos relacionados à temática sustentabilidade, identificou que o Projeto de implantação do SEI na UFF poderia participar da chamada pública "Boas práticas A3P", realizada pelo Ministério do Meio Ambiente e a ONU Meio Ambiente. Em parceria com  a Comissão do SEI, inscreveu a prática e, com muito orgulho,  foi uma das 125 selecionadas, e agora fará parte da "Cartilha A3P".  
2018Campanha UFF Sustentável A campanha UFF Sustentável visa conscientizar a comunidade acadêmica e o entorno sobre a importância do consumo consciente e inteligente, tendo em vista a preocupação com a escassez dos recursos ambientais e com os recursos financeiros da universidade. Link da campanha Pedal UFF Sustentável Lançamento da campanha UFF Sustentável com o objetivo de conscientizar a comunidade sobre a importância do consumo consciente e inteligente, em parceria com o Coletivo Pedal Sonoro e o Programa Acolhimento Estudantil, da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis. Link da campanha Galeria de fotos Campanha Meio Ambiente Em parceria com a Superintendência de Comunicação Social, disponibilizamos um formulário para que a comunidade da UFF respondesse, mostrando algum projeto, pesquisa, atividade ou até mesmo um hábito sustentável que esteja desenvolvendo. Link da campanha
CampanhasPara além do compromisso legal de implantação, acompanhamento e monitoramento das metas do PLS, a Comissão Permanente de Sustentabilidade buscou tornar as ações mais difundidas na comunidade universitária e no seu entorno, visando proporcionar maior participação e divulgação da cultura da sustentabilidade e, consequentemente, consolidar a identidade UFF Sustentável. No menu ao lado, apresentamos as campanhas de conscientização, ações de sensibilização, participação direta em eventos acadêmicos e apoio institucional a eventos externos como forma de aproximar a comunidade universitária dos temas relativos à sustentabilidade na universidade e fora dela.  
Pedal UFF SustentávelLançamento da campanha UFF Sustentável, em parceria com o Coletivo Pedal Sonoro, com o objetivo de conscientizar a comunidade sobre a importância do consumo consciente e inteligente. Confira as fotos do evento aqui
CampanhasNesse espaço, divulgaremos as campanhas promovidas e/ou apoiadas pela Comissão Permanente de Sustentabilidade.
Comissão Permanente de Sustentabilidade
ISC- UFF e Secretaria de Educação de Niterói promovem 2º seminário sobre educação e políticas públicasAline Bonifácio Estarão abertas a partir de 22 de novembro as inscrições para o "2° Seminário Anual de Avaliação do Programa Transdiciplinar de Educação Integral e Fortalecimento de Políticas Públicas". O evento faz parte das ações desenvolvidas pelo programa de extensão Tear UFF Educação e será realizado em 30 de novembro, na Casa do Conhecimento, em Niterói. O objetivo do seminário é discutir e ampliar as principais ações de extensão realizadas pela parceria do Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal Fluminense (UFF), com a Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia de Niterói. Tendo por base a identificação das principais demandas da área da educação no município, o evento trará para o debate coletivo especialistas em educação e casos de experiências bem-sucedidas geradas pela parceria. Há 110 vagas disponíveis e os interessados devem realizar a inscrição pelo site www.extensao.uff.br/inscricao  
Bambucicleta: curso de Desenho Industrial incentiva inovações sustentáveisCriado em 2011, o curso de Desenho Industrial da UFF, habilitação em Projeto de Produtos, tem como objetivo principal capacitar o estudante com as competências necessárias para a criação de produtos, serviços e sistemas adequados, inovadores e inseridos no contexto tecnológico atual, tornando-o capaz de participar da estruturação da sociedade a partir de uma abordagem projetual científica que priorize o ser humano no mundo. O currículo do curso é estruturado em quatro grupos de matérias: prática projetual, base tecnológica, ferramentas expressivas e abertura para o mundo, que são desdobrados em disciplinas e no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Segundo a coordenadora, professora Luiza Helena Boueri Rebello, “nosso foco é formar um profissional que tenha os conhecimentos tecnológicos necessários para atuar numa realidade de crescimento econômico, preparando-o para o desenvolvimento de produtos industriais”. Para o docente das disciplinas de Projeto, João Carlos Lutz Barbosa, a preocupação com a criação de um desenho industrial sustentável começa a ser passada aos alunos desde o primeiro dia de aula. Além disso, a estratégia é dar ao graduando a capacidade de interagir e se comunicar com outros profissionais envolvidos na área, particularmente engenheiros, que têm na maioria das vezes uma base tecnológica mais sólida. Com experiência na coordenação de projetos de inovação voltados para o design ecológico e de serviços, a educação ambiental e a inovação social, o professor afirma que “o mundo, especialmente o Brasil, vive hoje uma grave crise ecológica, que acaba desencadeando problemas em outras áreas, como economia, política e meio ambiente. Criar com o que se tem por perto Restaurar e mudar de lugar mobílias antigas, por exemplo, valorizando o que se tem por perto, é um bom comportamento sustentável, comenta Lutz. Para ele, ser ecológico é estar impregnado da consciência de que podemos criar sempre, mas com o que as pessoas dispõe ao seu alcance. Nesse sentido, informa que há um movimento mundial pelo reuso do que todos têm em casa ou do que é descartado por empresas ou outros indivíduos. “Assim, um móvel que não serve mais na casa dos pais pode ser útil no apartamento do filho. Basta uma pintura ou um tecido novo para que as peças ganhem destaque na decoração sem que para isso seja preciso fabricar coisas novas”, ressalta. Com essa perspectiva em mente, o aluno Iago Santiago, sob orientação de João Lutz, decidiu tornar sustentável todo o ciclo do uso da bicicleta, incluindo seu descarte. Baiano e morando no Rio de Janeiro há seis anos, seu TCC consiste na criação da “bambucicleta”, um modelo urbano feito com bambu. A iniciativa, que se insere no programa UFF Sustentável, se intitula “Baike: bicicleta urbana de bambu de menor impacto ambiental”. Segundo o estudante, o trabalho pesquisa a redução dos impactos que a pré-produção desse e de outros veículos causam ao meio ambiente, a partir da diminuição do uso de materiais metálicos e plásticos. Apesar das bicicletas de bambu não serem novidade, pois já estão sendo produzidas em outros países do mundo, como em Gana, na África, por exemplo, a fabricação em escala industrial deste protótipo, usando materiais sustentáveis, encontrados com facilidade na natureza, auxiliaria na diminuição dos problemas ambientais, gerando emprego e renda extra aos moradores das cidades e do campo. “Na China, por exemplo, já existem “cemitérios”, que são aterros sanitários lotados de bicicletas quebradas. No Brasil, a realidade não é muito diferente. Aqui, quando uma quebra, não é reciclada e vai diretamente para o lixão. Já que andar de bicicleta é uma atividade sustentável, por que não transformá-la em um produto ecológico também? Se forem fabricadas em bambu, depois de jogadas fora, elas se degradam de forma natural e podem até virar adubo para as futuras plantações”, enfatiza o aluno. Na entrevista a seguir, Iago Santiago aborda outros aspectos da bambucicleta. O Departamento de Desenho Técnico, do curso de Desenho Industrial, é a única área da UFF que está envolvida com o projeto? Atualmente, sim. Porém, eventualmente utilizo os laboratórios da Engenharia Mecânica, como o Laboratório de Tecnologia Mecânica (LTM), para fazer trabalhos com metal, como cortar, esmerilhar e lixar. Conto também com a ajuda de amigos e monitores dos laboratórios, em especial da colega Luiza Egger, com o trabalho de beneficiamento da fibra de bananeira. De que forma a “Bambucicleta” está inserida no programa UFF Sustentável? A bicicleta de bambu pode conscientizar as pessoas, especialmente os ciclistas, para o uso de materiais sustentáveis e renováveis para a fabricação de produtos de baixa e média complexidade e alta durabilidade. O bambu, que é uma gramínea, tem uma renovação constante na natureza, sua poda não impede seu crescimento, pelo contrário, cresce mais! A planta está sendo usado para recuperar solos degradados, pode ser transformado em produtos artesanais - uma renda extra para os agricultores - e por possuir alta resistência mecânica e física, pode ser utilizado como estruturas para construção de casas e revestimentos em prédios. São várias as possibilidades de uso e com o passar do tempo, só tende a aumentar. Apenas o bambu é utilizado na fabricação da bicicleta ou há outros materiais utilizados? Há outros materiais. No primeiro protótipo utilizei um compósito de fibra de bananeira e resina epóxi, além dos demais componentes mecânicos de metal da bicicleta. Porém, ainda farei testes utilizando um método de beneficiamento diferente da fibra de bananeira e também usando uma fibra de plástico, dessa vez com resina de mamona, que é mais ecológica. Como ela é produzida? Primeiramente eu faço o reuso de algumas partes de um quadro descartado de uma bicicleta de metal. Essas peças são essenciais para fazer o encaixe dos bambus no gabarito. Em seguida, eu amarro o compósito da fibra de bananeira na bicicleta até deixar bem firme. Depois é só montar as partes mecânicas e sair pedalando. Qual a importância do projeto para a UFF e para a sociedade? O projeto visa consolidar a utilidade da bicicleta no espaço urbano que ainda é vista como uma forma de ativismo social, já que as ciclovias e ciclofaixas de Niterói estão em péssimas condições e não são respeitadas pelos motoristas da cidade. Já na UFF, é necessário que haja investimento em novos pontos de bicicletários e facilidade no acesso das bicicletas nos campi. Temos outros projetos que incentivam o uso de bicicletas e até mesmo um projeto em desenvolvimento na Engenharia Ambiental, o Bike UFF, que prevê o compartilhamento de bicicletas entre os estudantes. Esses projetos precisam ser impulsionados e colocados em prática. Já há alguma bambucicleta sendo pedalada pelos campi da UFF? Quais são as perspectivas do projeto? Por enquanto não, mas até outubro deste ano já terei um protótipo sendo testado por mim e pelos meus amigos. Futuramente, pretendo começar a vender algumas bicicletas de bambu por um preço baixo para o aprimoramento das técnicas e divulgação da ideia.
4º Proaquas: Produção de Organismos Aquáticos e Desenvolvimento SustentávelEm 27 de setembro ocorrerá a 4ª edição do PROAQUAS: Simpósio em Produção de Organismos Aquáticos e Desenvolvimento Sustentável. O público-alvo são alunos de diferentes cursos de graduação e pós-graduação, produtores rurais e profissionais que atuam na produção aquática. As inscrições devem ser realizadas através do link: https://proaquas.wixsite.com/proaquas. A Aquicultura sustentável pode ser definida como a produção lucrativa de organismos aquáticos, mantendo uma interação harmônica e duradoura com os ecossistemas e as comunidades locais. É preciso usar racionalmente os recursos naturais sem degradar os ecossistemas no qual se insere e gerar empregos para a comunidade local, elevando sua qualidade de vida. O PROAQUAS, Projeto de Extensão do Departamento de Zootecnia da Faculdade de Veterinária da UFF, com início no ano de 2011, tem como objetivos proporcionar aos profissionais da área palestras atuais e inovadoras sobre o gerenciamento e conservação da base de recursos naturais e difusão de tecnologias aplicadas à Aquicultura, através de desenvolvimento sustentável e equilibrado do ecossistema aquático envolvendo empresas do setor privado, ampliando a interação entre a Universidade, Produtores Rurais e Empresas Privadas, viabilizando a interface entre Ensino, Pesquisa e Extensão, de modo que assegure a contínua satisfação das necessidades humanas para as gerações presentes e futuras.  
Concreto permeável: UFF pesquisa soluções para uma urbanização sustentável As inundações, causadas sobretudo pela gestão ineficiente do escoamento das águas de chuva, comprometem não só a qualidade de vida da população, como causam danos patrimoniais e aumentam o risco de proliferação de doenças. Em cidades de grande e médio porte no Brasil, o problema é ainda mais grave por conta da redução da permeabilidade do solo causada pelo concreto das calçadas, asfalto das ruas e até pelo azulejo dos decks das piscinas. Tradicionalmente, os mecanismos utilizados para resolver a questão do escoamento pluvial focam na ampliação da vazão dos canais de drenagem. Essa estratégia, porém, além do alto custo, apenas transfere o inconveniente para as partes mais baixas da cidade. O escoamento indevido na superfície das cidades se agrava a cada nova residência, prédio comercial ou industrial e via asfaltada. Essa progressiva impermeabilização do solo urbano aumenta os volumes hídricos que, deslocando-se com velocidade, carregam o lixo comumente depositado nas ruas e sobrecarregam as galerias fluviais. Além disso, o processo de drenagem misto, que interliga sistemas pluviais e de esgotos, é comum em muitas cidades e aumenta ainda mais o custo do tratamento dessas águas. Nesse contexto, outro agravante é a baixa troca de calor e umidade das superfícies impermeáveis com o ar. Segundo a professora do Departamento de Engenharia Civil da UFF, Camila Abelha Rocha, “o fenômeno comumente chamado de ilha de calor ocorre quando a temperatura e a umidade da superfície não podem ser ajustadas. Isso leva a um desconforto térmico para os cidadãos e a um consumo de eletricidade adicional para fins de resfriamento e, consequentemente, aumento das emissões de CO2”, explica. Para a pesquisadora, uma solução possível para essa problemática é a utilização do concreto permeável, tecnologia recente e ainda pouco divulgada nacionalmente. Ela explica que, recentemente, os países onde essa tecnologia está mais disseminada são EUA, França e Japão. “No Brasil, desde os anos 80, há apenas registros pontuais do uso do material. As primeiras aplicações foram em pistas de aeroportos e posteriormente em rodovias, com o objetivo de reduzir o número de acidentes automobilísticos. Atualmente, nas cidades de São Paulo e Curitiba, alguns trechos de calçadas e estacionamentos também têm sido construídos a partir dessa tecnologia, no intuito de reduzir os alagamentos frequentes que ocorrem devido a chuvas de algumas regiões”. Na UFF, sob a orientação de Camila, pesquisas sobre o tema estão sendo realizadas. “Começamos em 2017, quando uma ex-aluna me procurou querendo produzir um concreto permeável em seu projeto de conclusão de curso. Durante a revisão da literatura, identificamos que o material possui um enorme potencial para ser aplicado em nossa região, no entanto, a maioria dos estudos desenvolvidos, principalmente no Brasil, apresentavam métodos de dosagem bastante empíricos, por tentativa e erro. Sendo assim, no decorrer da pesquisa, buscamos utilizar uma metodologia mais científica para a dosagem desse concreto. Entre os alunos que atualmente se dedicam ao estudo do tema, está o graduando Lucas Caon Menegatti, que estuda a influência do teor de pasta na resistência e permeabilidade do concreto permeável. A seguir, Lucas explica um pouco mais sobre o tema e o objetivo de seu estudo sobre o material sustentável: O que é o concreto permeável e como ele é diferente do tradicional? O concreto permeável, diferente do convencional, é desenvolvido para permitir a passagem de água e ar por sua estrutura através de um amplo sistema de poros interconectados. Os materiais que constituem os dois tipos de concreto são basicamente os mesmos: cimento, água, brita e areia. A diferença está na quantidade de areia, que em geral é bem reduzida ou até mesmo nula. No concreto permeável, busca-se utilizar material granular quase todo do mesmo tamanho, de forma a criar vazios que não conseguem ser preenchidos. Entretanto, por possuir mais vazios em sua estrutura, o concreto permeável apresenta resistência reduzida quando comparado com concretos convencionais. Onde ele pode ser utilizado? A principal utilização deste tipo de concreto é em pavimentos drenantes, sendo comumente aplicados em estacionamentos, calçadas, pátios, parques, praças, ruas de baixo tráfego, ciclovias e em decks de piscina, não sendo indicado para locais submetidos a altas cargas e tráfego intenso, uma vez que o material não atinge elevados valores de resistência mecânica. Qual é o objetivo da pesquisa que você está desenvolvendo? O projeto tem por objetivo analisar a influência da espessura da pasta de cimento no desempenho do concreto permeável quanto a sua resistência mecânica e permeabilidade. Ainda é incerta a forma como os métodos de dosagem influenciam as características do concreto permeável, uma vez que alterações na quantidade de água, cimento e agregado, e até na energia de compactação aplicada, afetam a espessura da pasta de cimento que envolve os agregados e, consequentemente, impactam na disposição do sistema de vazios do concreto. O trabalho foi dividido em duas etapas: na primeira parte, os materiais constituintes do concreto foram caracterizados, determinamos um traço referência para o concreto e este foi testado quanto à resistência. Na segunda etapa, serão realizados os testes de permeabilidade e o estudo da influência do teor de pasta no desempenho destas propriedades por meio da variação do teor de pasta de cimento na dosagem do concreto. Por que o concreto permeável pode ser considerado sustentável? O concreto permeável é considerado sustentável devido aos benefícios que este sistema construtivo agrega, como, por exemplo, a redução do escoamento superficial de águas de chuva e, consequentemente, redução do impacto de enchentes; redução, e em alguns casos, até eliminação da necessidade de tanques de retenção de água pluvial, devido ao aumento da área permeável do terreno; recuperação da capacidade filtrante do solo, podendo realimentar o aquífero subterrâneo; além de contribuir para mitigar o efeito da ilha de calor nos centros urbanos, uma vez que os vazios do concreto podem acumular calor, ajustando então a temperatura e umidade da superfície. O que deve ser levado em conta em relação à aplicação do concreto permeável? O concreto permeável corresponde apenas à camada mais superficial do sistema de drenagem do pavimento, que é tipicamente composto por sub-base, base, camada de assentamento e revestimento. O tipo de solo, sua capacidade de suporte e de infiltração, bem como as características pluviométricas da região devem ser levadas em consideração no dimensionamento dos pavimentos drenantes. Deve ser feita uma análise hidráulica, a fim de definir o volume de água a ser drenado, bem como os níveis de infiltração, que podem ser total, parcial ou sem infiltração. Nos dois últimos casos, há necessidade de instalação de tubos de drenagem para auxiliar no fluxo do excesso de água. Existem particularidades em relação à manutenção do concreto permeável em comparação com o tradicional? O concreto permeável, com o passar do tempo, vai perdendo seu potencial drenante em função do fenômeno denominado colmatação, que consiste na obstrução dos poros do concreto permeável pela deposição e acúmulo de partículas de areia ou solo, tornando a pavimentação impermeável. Alguns pesquisadores sugerem que seja realizada manutenção com periodicidade máxima de 6 meses. Quando moldado in loco, a manutenção pode ser feita retirando e substituindo a camada mais externa do pavimento ou, de forma mais simples, com uma limpeza com jato de água ou a vácuo para restaurar a capacidade permeável do pavimento. No caso do sistema de blocos, o problema de entupimento dos poros pode ser contornado invertendo os blocos e submetendo-os a passagem de água, de forma a proporcionar uma "retrolavagem". Essa pigmentação vermelha tem algum objetivo especial ou é apenas uma questão estética? Na prática, o concreto permeável pode receber pigmentação para atribuir coloração às peças em que é utilizado. Entretanto, neste projeto foi utilizada adição de pigmento inorgânico vermelho à base de óxido de ferro para proporcionar melhor análise das imagens de seção dos corpos de prova cilíndricos no estudo da espessura da pasta de cimento. Com coloração vermelha, a pasta se diferencia do interior dos grãos de brita ao fazer um corte na amostra de concreto. Quais são os próximos passos da sua pesquisa? Nas próximas etapas trabalharemos na busca de materiais mais sustentáveis para a confecção do concreto permeável. Além de produzir literatura sobre o tema e disseminar a tecnologia no Brasil, projetos de pesquisa como esse são muito importantes para os alunos, pois permitem não só que o conhecimento teórico obtido na sala de aula seja colocado em prática, como também nos dá um direcionamento para a carreira acadêmica.
UFF produz material para impressoras 3D utilizando plástico recicladoA revista Nature publicou no início deste ano um artigo de uma equipe internacional sobre a chamada Ilha do Lixo, localizada no Oceano Pacífico e com aproximadamente 1,6 milhão de quilômetros quadrados de rejeitos de plástico. Para o professor do curso de Engenharia Ambiental da UFF, Márcio Cataldi, essa mancha de detritos não biodegradáveis está associada principalmente à má educação ambiental de diferentes povos do planeta e às correntes oceânicas, que convergem o lixo para a região do pacífico equatorial. Com o objetivo de reduzir localmente os danos causados pela poluição, Cataldi e um grupo de estudantes do curso de Engenharia Ambiental da UFF estão desenvolvendo atualmente o Projeto Plástico Vivo. A iniciativa engloba todo o ciclo de reaproveitamento do plástico, que se inicia com a separação e lavagem dos rejeitos. Depois, segundo ele, o produto passa pela trituração com equipamento desenvolvido no Laboratório de Monitoramento e Modelagem de Sistemas Climáticos (Lammoc), com foco em reduzir o custo de todo o processo, inclusive com a criação de instrumentos mais baratos. Após a trituração, o produto moído vai para uma extrusora, máquina utilizada na modelagem plástica, também desenvolvida no laboratório, onde o material será transformado em filamento para utilização em impressoras 3D. “O plástico reciclado será usado na impressão de utensílios domésticos, como colheres, garfos e facas, e peças sobressalentes do próprio equipamento. Os itens serão vendidos em eventos da UFF, e uma parte desse recurso será destinada aos alunos que se encontram em dificuldades financeiras e que vêm sendo atendidos pela Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Proaes)”, afirma o professor. A previsão, segundo ele, é que o projeto multidisciplinar, ainda em fase de desenvolvimento, apresentará os primeiros produtos impressos já no mês de setembro. Para isso, conta com a participação conjunta de discentes dos cursos de Engenharia Ambiental, Engenharia Mecânica e do Desenho Industrial. Lecionando Introdução à Engenharia de Recursos Hídricos e do Meio Ambiente, Introdução à Meteorologia e Climatologia, Equipamentos II e Modelagem de Sistemas Ambientais na graduação e as disciplinas Fenômenos de Transporte Computacional e Modelagem Atmosférica na pós-graduação, Márcio Cataldi está envolvido com diversos projetos de extensão: oficinas de educação ambiental, projeto barco-escola, que recolhe o lixo flutuante da Baía de Guanabara e trata o resíduo plástico, bem como os materiais processados pelo projeto Plástico Vivo. Além disso, participa de pesquisas sobre modelagem meteorológica, climática e hidrológica. Todas essas ações têm parceiros dentro e fora da academia, como a Escola de Extensão da UFF, ligada à Pró-Reitoria de Extensão (Proex), que por meio da Fundação Euclides da Cunha (FEC) articula o apoio financeiro dos programas e projetos contemplados pela pró-reitoria, de financiamentos da Faperj, CNPq e também de empresas privadas de energia elétrica, como Enel e Light. Economias emergentes: grandes poluidoras Os países emergentes, principalmente os asiáticos, são grandes poluidores e produtores de resíduo plástico. “Nesse sentido, o Brasil vive hoje uma situação bem crítica, principalmente quando observamos o detrito flutuante na baía de Guanabara”, exemplificou o professor. Para ele, é necessário investir primeiramente em educação ambiental e no combate às embalagens mistas (que reúnem num só produto metal, papel e plástico), o que dificulta a reciclagem mecânica, pois obriga o emprego de mão de obra humana na separação desses objetos. Num momento seguinte, os esforços devem estar focados para a estruturação de cooperativas e no desenvolvimento de tecnologias de reciclagem de baixo custo e fácil manuseio. Recentemente, a Prefeitura do Rio de Janeiro sancionou projeto de lei que obriga comerciantes locais a oferecerem canudos biodegradáveis aos clientes. Cataldi considera a legislação interessante e torce para que ganhe adesão dos comerciantes e dos consumidores, mas garante que ela não seria necessária se houvesse um investimento educacional sério voltado para o cuidado com o meio ambiente. Segundo o docente, o papel da universidade nesse momento é fundamental. “É necessário que a instituição ultrapasse seus muros e colabore na divulgação de práticas de educação ambiental e de novas tecnologias com custos baixos como o UFF Sustentável ou Plástico Vivo. Não adianta esperar que essas iniciativas sejam patrocinadas somente pelo Poder Público. Cabe à comunidade universitária arregaçar as mangas e apoiar essas ideias”, enfatizou. Projetos Para enfrentar as questões relativas à conservação do meio ambiente, a universidade vem mobilizando a comunidade acadêmica através da campanha UFF Sustentável, iniciativa que vem despertando interesse da comunidade universitária em diferentes campi, tais como Angra dos Reis, Gragoatá, Macaé, Nova Friburgo, Praia Vermelha e Volta Redonda. As colaborações virão de empresas juniores, trabalhos de conclusão de curso, projetos de pesquisa, além do Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap), pequenos empreendedores e servidores administrativos. Entretanto, segundo Cataldi, essas ações estão em fase embrionária. “Estamos começando! E apesar das dificuldades inerentes a todo o processo, vejo as pessoas com muita coragem e participativas. Acredito, então, que muito em breve começaremos a colher frutos da sustentabilidade na UFF”, preconizou. A situação e o engajamento da população podem mudar pela simples conscientização das pessoas para essas questões. No projeto barco-escola, por exemplo, Márcio e seus alunos vão às escolas públicas e privadas tentar motivar os estudantes do segundo grau a ingressarem na universidade, o que vem trazendo alguns bons resultados, dado o desinteresse da maioria em continuar os seus estudos, até mesmo por falta de incentivo familiar. “Nas oficinas de extensão, os universitários que acabaram de ingressar no curso se incumbem de divulgar conceitos e práticas de educação ambiental. O trabalho é direcionado às crianças da rede pública. Plantamos a sementinha da sustentabilidade em cada uma delas”, afirmou Cataldi, ressaltando que o Plástico Vivo pretende ampliar o pensamento sustentável da UFF, incentivando para que surjam medidas que contribuam também para a reciclagem do lixo flutuante da Baía de Guanabara. Ele entende que a instituição tem hoje um papel crucial na formação do cidadão e também na transmissão da cultura do que ele chama de “politicamente sustentável” para a população. Atualmente nesse projeto, o laboratório conta com 20 bolsistas de graduação e 12 de pós-graduação em Engenharia Ambiental. “Por mais que estejamos sofrendo uma onda covarde de cortes de investimentos na pesquisa, ensino e extensão precisamos buscar meios de lutar contra isso e, simultaneamente, realizar e ampliar as nossas atividades acadêmicas, científicas e extensionistas. Não podemos nos acomodar e nem utilizar a falta de recursos como bengala. Precisamos cada vez mais estreitar as relações com a sociedade, mostrando a excelência e a relevância do nosso papel, como universidade pública e gratuita, em busca de um país com menos desigualdades, mais sustentável e, ao mesmo tempo, propiciando dignidade a todos os seus habitantes”, finalizou o professor. Na entrevista a seguir a aluna do sexto período do curso de Desenho Industrial, Flávia Xavier Macedo de Azevedo, fala da relevância do Projeto Plástico Vivo: O projeto mudou sua visão sobre o curso que escolheu fazer? O projeto Plástico Vivo é extremamente importante para a minha formação especialmente porque é uma oportunidade de usar o design como uma ferramenta de resolução de problemas, se despindo da visão superficial da profissão como algo que serve tão somente para “embelezar” algum produto. Máquinas extrusoras são muito incipientes no mercado, pois fabricam apenas os filamentos que são utilizados na fabricação de objetos pelo método DIY (do inglês Do It Yourself, técnica do “Faça você mesmo”, que pode utilizar impressoras 3D). Comecei a pesquisar equipamentos similares no final do ano passado. Os modelos mais completos que pude analisar eram de 2014, 2016 no máximo, produzidos nos EUA, Holanda e Alemanha. E como isso se dá no dia a dia? Senti a diferença na hora de projetar a máquina. O objetivo era fazer um protótipo que pudesse ser feito aqui no Brasil. Tudo devia ser repensado, não só a funcionalidade, mas a forma de produção, a manutenção, a substituição das peças, entre outras questões. Os componentes que fazem parte desse equipamento deveriam estar disponíveis no mercado brasileiro e, ao mesmo tempo, cumprindo os requisitos técnicos mínimos para que a extrusora tivesse sua eficiência garantida. Então, projetar algo que exigiu a tradução de pesquisas estrangeiras e adaptação à realidade nacional foi extremamente enriquecedor na minha formação. O que influenciou na sua escolha do curso? Algo que me influenciou academicamente de forma positiva foi a interdisciplinaridade inerente ao projeto. A UFF possui o curso de Desenho Industrial dentro da Escola de Engenharia e isso possibilita maior potencialidade do curso de design em si. Do primeiro ao terceiro períodos trabalhei com ergonomia na Equipe Tuffão Baja SAE, na construção do protótipo de um carro, com alunos de todas as engenharias. E no terceiro período fiz um produto para ser utilizado em reabilitação motora com a assistência do professor Newton Mansur, do Instituto de Física da UFF. Agora, dada a complexidade do projeto, fiz a extrusora com o auxílio do professor de Automação do Departamento de Engenharia Agrícola e Ambiental da Escola de Engenharia, Ivanovich Lache Salcedo, do estagiário em engenharia mecânica do Lammoc, Tito Magno Lavorato Alves Dacal, do próprio Cataldi, e de mais dois alunos marroquinos que estão aqui fazendo intercâmbio. Iniciativas que são desenvolvidas em equipe são extremamente enriquecedoras e todo esse trabalho em conjunto gera só mais conhecimento, trocas e crescimento para todas as partes envolvidas. Na sua opinião, qual é a importância do projeto para a sociedade? É evidente que o problema do resíduo plástico influencia, direta ou indiretamente, nossas vidas. Podemos constatar a dimensão desse problema nas regiões mais economicamente vulneráveis do Brasil. Nesse sentido, o Projeto Plástico Vivo tem o objetivo de viabilizar o conceito de sustentabilidade, por meio da reciclagem, como uma solução economicamente viável a ser implantada em municípios com economias mais frágeis. E devido ao consumo exorbitante de materiais poliméricos e a profundidade do conceito de sustentabilidade, não digo que há uma solução única e perfeita para tudo. Há o conjunto de diversas ações que podem melhorar a forma de gestão do resíduo plástico, e nesse caso, a iniciativa reúne num só projeto as questões social, ambiental e financeira, tornando-o especialmente eficiente. Além disso, o Plástico Vivo faz uso da interdisciplinaridade, estratégia importante na construção do conhecimento, criando soluções capazes de surtir efeitos significativos para os problemas que a sociedade enfrenta. No vídeo a seguir, o professor Márcio Cataldi dá outras informações sobre o projeto de reciclagem do plástico: https://bit.ly/2LKWkmr
Campanha Meio Ambiente 2018 - UFF SustentávelÉ com muita alegria que a Comissão Permanente de Sustentabilidade vem trazer à comunidade acadêmica os resultados obtidos através da Campanha de Meio Ambiente 2018 - UFF Sustentável. Dos dias 05 a 30 de junho, disponibilizamos junto à Superintendência de Comunicação Social, um formulário para que a comunidade da UFF respondesse, mostrando algum projeto, pesquisa, atividade ou até mesmo um hábito sustentável que esteja desenvolvendo. Depois de recebidas, as respostas foram divulgadas através da página ‘UFF Oficial’. Nosso intuito foi despertar nas pessoas, que por mais que o caminho para uma UFF mais sustentável possa estar longe, os detalhes e as pequenas atitudes fazem sim toda a diferença! Tivemos ao todo 37 respostas, vindas de empresas juniores, trabalhos de conclusão de curso, projetos de pesquisa, hospitais universitários, pequenos empreendedores e servidores administrativos. As respostas vieram de diversos institutos e campi da UFF, tais como Angra dos Reis, Gragoatá, Macaé, Nova Friburgo, Praia Vermelha e Volta Redonda. Agradecemos a todos que dedicaram seu tempo e sua atenção para responder o formulário!  Esperamos que todos tenham êxito em seus projetos e que estes inspirem as pessoas a mudarem seus hábitos e contribuírem para um ambiente melhor para todos.
Campanha Meio Ambiente 2018 - UFF SustentávelÉ com muita alegria que a Comissão Permanente de Sustentabilidade vem trazer a comunidade acadêmica os resultados obtidos através da Campanha de Meio Ambiente 2018 - UFF Sustentável. Dos dias 05 a 30 de junho, disponibilizamos junto à Superintendência de Comunicação Social, um formulário para que a comunidade da UFF respondesse, mostrando algum projeto, pesquisa, atividade ou até mesmo um hábito sustentável que esteja desenvolvendo. Depois de recebidas, as respostas foram divulgadas através da página ‘UFF Oficial’. Nosso intuito foi despertar nas pessoas, que por mais que o caminho para uma UFF mais sustentável possa estar longe, os detalhes e as pequenas atitudes fazem sim toda a diferença! Tivemos ao todo 37 respostas, vindas de empresas juniores, trabalhos de conclusão de curso, projetos de pesquisa, hospitais universitários, pequenos empreendedores e servidores administrativos. As respostas vieram de diversos institutos e campi da UFF, tais como Angra dos Reis, Gragoatá, Macaé, Nova Friburgo, Praia Vermelha e Volta Redonda. Agradecemos a todos que dedicaram seu tempo e sua atenção para responder o formulário!  Esperamos que todos tenham êxito em seus projetos e que estes inspirem as pessoas a mudarem seus hábitos e contribuírem para um ambiente melhor para todos.
Campanhas - SustentabilidadeAcompanhe nos links abaixo todas as campanhas da UFF Sustentável.    Campanha UFF Sustentável 2018  A campanha "UFF Sustentável" visa conscientizar a comunidade acadêmica e o entorno sobre a importância do consumo consciente e inteligente, tendo em vista a preocupação com a escassez dos recursos ambientais e com os recursos financeiros da universidade.   http://www.uff.br/?q=campanha-uff-sustentavel-2018 Pedal UFF Sustentável Lançamento da campanha UFF Sustentável com o objetivo de conscientizar a comunidade sobre a importância do consumo consciente e inteligente, em parceria com o Coletivo Pedal Sonoro. https://www.flickr.com/photos/lrlopes/sets/72157664883256547 Campanha Meio Ambiente 2018  É com muita alegria que a Comissão Permanente de Sustentabilidade vem trazer a comunidade acadêmica os resultados obtidos através da Campanha de Meio Ambiente 2018 - UFF Sustentável. http://www.uff.br/?q=campanha-meio-ambiente-2018-uff-sustentavel  
Ações Sustentáveis na UFF viabiliza coleta de óleo na UFFNo dia 5 de abril, o Programa de Extensão Ações Sustentáveis na UFF/Projeto Gestão de Resíduos Sólidos viabilizou a coleta de 100 litros de óleo de cozinha, no campus do Valonguinho. A ação é realizada, periodicamente, a cada 60 dias. O óleo coletado é direcionado à Cooperativa COOPERIOLEO que o repassa para a empresa SOS Óleo Vegetal. Esta separa as impurezas do líquido e o transforma em biodiesel, sabão e outros produtos de limpeza.  A adesão da comunidade interna da UFF ao Projeto cresce a cada dia, visto que a bombona localizada ao lado da guarita da entrada do campus do Valonguinho tem recebido óleo de cozinha armazenado em garrafa Pet diariamente. Esta ação é de suma importância porque contribui para a diminuição da contaminação do meio ambiente. O Programa Ações Sustentáveis na UFF, criado em 2010, pela Pró-Reitoria de Extensão, tem por objetivo estimular a formação na universidade de uma cultura organizacional favorável ao desenvolvimento sustentável das suas atividades, bem como utilizar a educação ambiental como instrumento para elevar o nível de conhecimento da comunidade envolvida com os projetos e eventos realizados pelo Programa, além de motivar a comunidade acadêmica a participar de ações temáticas ambientais da UFF.
Vote no projeto "Casa de Educação para Sustentabilidade"Você já ouviu falar na ONG Engenheiros Sem Fronteiras? Com núcleos espalhados por todo mundo, o Engenheiros sem Fronteiras também está presente em Rio das Ostras e conta com o apoio da Universidade Federal Fluminense, por meio do engajamento de alunos e professores, na disseminação do conhecimento e da cultura sustentável. Atualmente, este núcleo está concorrendo a um aporte financeiro do Instituto MRV para colocar em prática o projeto "Casa de Educação para Sustentabilidade". O objetivo deste projeto é a bioconstrução de um centro de referência para abordar assuntos relativos ao reaproveitamento de resíduos plásticos, hortas robotizadas, além da realização de workshops e treinamentos direcionados, com a participação direta do Instituto de Ciência e Tecnologia - UFF Rios das Ostras, e voltado para jovens, crianças e educadores da rede pública de ensino da região e do entorno. Acesse o link abaixo e vote agora no projeto "Casa de Educação para Sustentabilidade".  O prazo para participação é até 23 de março. Faça sua parte e contribua para o desenvolvimento sustentável das gerações futuras! Link para votação: https://goo.gl/cWS5zj
Pedalada pela sustentabilidade na UFF marca Acolhimento Estudantil 2018Com o objetivo não só de superar os obstáculos econômicos enfrentados nos últimos anos pelas universidades públicas federais, como também de cuidar do nosso planeta, a UFF lançou no final de 2017 o Plano de Gestão Logística Sustentável (PLS). O sucesso da iniciativa depende do compromisso de toda a comunidade acadêmica em ações que visem à economia de recursos, em especial os naturais. Sendo assim, no intuito de mobilizar servidores, alunos e professores, a universidade realizará a primeira campanha com foco no consumo responsável e inteligente, “UFF Sustentável: seja um agente consciente”, estruturada em três fases distintas, que dizem respeito à redução do uso de energia, água e materiais administrativos, como papel, tinta, copos descartáveis e outros. Nesse sentido, ao longo do ano, diferentes ações serão realizadas junto à comunidade universitária. A UFF é hoje uma liderança nas ações de desenvolvimento sustentável, pautada nos pilares social, econômico e ambiental. Isso decorre do envolvimento de toda nossa comunidade em prol de uma universidade arrojada e responsável", Antonio Claudio da Nóbrega. O plano será apresentado à população durante o Programa de Acolhimento Estudantil 2018 (PAE), que será realizado no dia 16 de março, sexta-feira, a partir das 9h, na quadra do Instituto de Educação Física, Campus do Gragoatá. Na ocasião, como forma de motivar e fortalecer o engajamento ao PLS, será realizada uma pedalada musical passando por alguns campi da UFF e com a participação de técnicos, docentes, alunos e da comunidade externa. A atividade será promovida em parceria com o Coletivo Pedal Sonoro, grupo que reúne mais de 100 ciclistas ativistas de todas as idades e que defendem a criação de ciclovias e rotas compartilhadas em Niterói, bem como incentivam a utilização da bicicleta como meio de transporte sustentável. Todos os interessados estão convidados a participarem, basta trazer a bicicleta. A concentração será a partir das 16h, no jardim da Reitoria, e das 17h, saindo da frente da tenda do Acolhimento Estudantil no campus Gragoatá. PLS O plano busca atingir seis metas importantes para o equilíbrio das contas e a mudança de hábitos que colaboram para o desperdício na UFF: incentivar ações de eficiência energética nas edificações da universidade, estimular o consumo racional dos recursos naturais e bens públicos, garantir a gestão integrada dos resíduos consumidos, inclusive o descarte correto no meio ambiente, melhorar a qualidade de vida no ambiente de trabalho e nos demais Campi espalhados no Estado, promover ações de sensibilização e capacitação, bem como viabilizar a implementação de práticas de sustentabilidade e racionalização de gastos e processos na administração universitária. De acordo com Deise Faria Nunes, chefe da Seção Administrativa do Gabinete do Reitor e Presidente da Comissão Permanente de Sustentabilidade, o PLS é um trabalho inovador na área de gestão. “Pretendemos envolver todos os setores da universidade. Nessa primeira etapa vários deles já caminham ao encontro do uso sustentável dos recursos, entre eles a Superintendência de Comunicação Social (SCS), a Superintendência de Documentação (SDC), além do curso de Ciência Ambiental e a Faculdade de Engenharia”, explicou. Segundo a presidente, além dos próprios integrantes, muitos servidores estão colaborando com o trabalho da comissão. "A campanha UFF Sustentável é mais uma forma dos servidores terem consciência das suas responsabilidades junto ao meio ambiente e a sociedade. E a nossa expectativa é que nos próximos meses toda a comunidade esteja envolvida”, esclareceu Deise, ressaltando que a economia de recursos com a implantação do PLS está baseada em metas pré-estabelecidas. “Para cada eixo há um objetivo de consumo sustentável com percentuais diferentes a serem atingidos”, acrescentou. "A UFF é hoje uma liderança nas ações de desenvolvimento sustentável, pautada nos pilares social, econômico e ambiental. Isso decorre do envolvimento de toda nossa comunidade em prol de uma universidade arrojada e responsável", enfatizou o vice-reitor, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega. O Plano de Logística Sustentável foi constituído de forma participativa através de audiências públicas - sendo uma em Niterói e 10 nas unidades fora da sede - para que seja elaborado um documento executável por toda comunidade universitária, sendo estendido a todos os campi da UFF. “É certo que algumas metas podem não ser alcançadas, por esse motivo o monitoramento das ações será constante pela Comissão Permanente de Sustentabilidade (CPS) e ao final de um ano será elaborado um relatório contendo os resultados alcançados”, acrescentou Deise. Todos os resultados dos trabalhos são divulgados no site e no Facebook. PAE 2018 O Programa de Acolhimento Estudantil, tradição na UFF em sua 11ª edição, é o primeiro contato do estudante com o universo acadêmico, onde ele encontra informações essenciais para quem está entrando em um novo ambiente. A iniciativa traz em sua programação a tradicional gincana de integração, que, desta vez, terá uma nova prova: o touro mecânico. E na feira de informações, além de uma tenda com atividades esportivas e culturais, terá o Projeto de Esporte e Lazer da Cidade, o núcleo de informações jurídicas da Faculdade de Direito, bem como a oficina de capoeira e outras intervenções artísticas. O PAE é realizado duas vezes no ano, no inicio de cada semestre. De acordo com a coordenadora do programa, Renata Feitoza, o espaço da universidade é muito diferente do escolar, muitos estudantes chegam "perdidos", sem saber como funcionam as coisas. “No momento do Acolhimento, nós levamos a eles informações sobre a graduação, bolsas e outras oportunidades que a UFF oferece”, esclareceu. “Reunimos também no local estudantes veteranos, professores e funcionários com o foco na  integração dos jovens, não só com os seus colegas, mas também entre os vários cursos da universidade. Eles participam durante todo o dia de diversas atividades lúdicas e, ao final, premiamos os três melhores cursos e a melhor torcida. É uma grande festa!”, comemorou Renata. O Projeto Conheça a UFF, iniciativa da Superintendência de Comunicação Social (SCS), apresentará a instituição aos alunos das escolas do ensino médio. Após o evento, os participantes visitarão a feira e farão parte das torcidas dos cursos durante a gincana. Estima-se a presença de aproximadamente 400 jovens, oriundos de escolas públicas e privadas. A organização do PAE, em parceria com o Hemorio, fará diversas intervenções de conscientização sobre a importância da doação de sangue e receberão os alimentos arrecadados em uma das provas da gincana. Os cursos interessados ou representações estudantis que queiram participar do PAE 2018 terão até esta sexta-feira, dia 2 de março, para inscrição na gincana e apresentação de projetos. As atividades programadas irão até as 17h.
SEI traz economia, agilidade e transparência aos processos da UFFEm 2017, a UFF deu um importante passo em direção a um futuro mais responsável com a implantação do Sistema Eletrônico de Informação (SEI). A iniciativa trouxe redução significativa de tempo, insumos, mais transparência e agilidade na tramitação eletrônica de processos abertos na instituição, além, claro, do impacto positivo para o meio ambiente. O SEI promove o acesso remoto a documentos e proporciona maior visibilidade das informações, menos custos e maior consciência no uso de papéis. Ainda não são todos os processos que estão tramitando eletronicamente. A comissão de implantação do sistema em breve deverá apresentar outros resultados, por meio de indicadores de utilização, bem como de economia e celeridade com os demais documentos já mapeados e prontos para entrarem no SEI. Ainda assim, e em apenas poucos meses após sua implantação, a medida se mostrou muito positiva. Na tabela a seguir, estão o número de processos abertos e a redução na quantidade de folhas utilizadas: A superintendente de documentação e presidente da comissão de implantação do SEI, Déborah Ambinder de Carvalho, explicou também que a redução não foi apenas de recursos. Um exemplo disso são os processos de pedido de Auxílio Transporte, que tiveram uma queda significativa no tempo de tramitação. “A UFF ampliou a qualidade no desempenho e obteve ganhos significativos. Contudo, com relação aos demais processos, a implantação ainda é recente e as equipes estão em fase de familiarização com o novo ambiente do sistema”, esclarece. Segundo Déborah, a comissão calculou inicialmente a tramitação eletrônica de 1.183 processos, fato que levou à constatação de que a universidade havia economizado 11.830 folhas de papel.  “Esse indicador é bastante importante, se pensarmos no curto espaço de tempo em que o sistema foi implantado, além da celeridade e das consequências positivas para o meio ambiente”, explica. As áreas envolvidas diretamente com os processos já implantados e que mais avançaram até janeiro deste ano foram as Pró-Reitorias de Gestão de Pessoas (Progepe), de Administração (Proad) e a de Graduação (Prograd), além da Superintendência de Arquitetura e Engenharia (Saen). Os demais setores encontram-se nas fases de mapeamento, homologação e implantação. Em relação à adesão ao SEI pela comunidade acadêmica, a aceitação também está sendo positiva. "Todavia, a ruptura da tradicional tramitação do processo físico significa uma quebra de paradigmas e é natural que ocorra certa resistência no início. Porém, com o passar do tempo, os benefícios serão vivenciados e naturalizados. Manter o foco no conjunto de ações para o sucesso desse projeto é essencial e, no que depender da comissão do SEI e da administração central, não vão faltar planejamento e ação com otimismo, motivação e comprometimento. É um momento histórico para a UFF”, enfatiza.   Capacitação de servidores Em 2017, com o objetivo de capacitar os servidores da universidade, foram ofertadas 18 turmas para 254 técnicos administrativos e docentes, sendo 198 pela Escola de Governança em Gestão Pública da UFF (EGGP) e 56 numa parceria com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Além disso, o curso SEI Usar também está sendo oferecido online pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Para Déborah, a total implantação do SEI em todos os campi da universidade no Estado vai depender do mapeamento, homologação e digitalização de todos os processos até o final de 2018.  “A comissão está fortemente comprometida para o alcance desta meta. As unidades fora de sede, por sua vez, são as mais beneficiadas com o SEI, que rompe com a barreira geográfica e possibilita a diminuição no tempo de tramitação dos processos”, ressalta. Outro avanço importante é a possibilidade, por meio do SEI, de que um determinado documento tramite entre outras instituições e universidades. Para isso já existe o Processo Eletrônico Nacional (PEN), composto por três grandes ações: SEI, Barramento de Integração do SEI com outras soluções e o Protocolo Integrado. O barramento é uma solução que não depende da UFF, contudo, a comissão de implantação e acompanhamento do SEI na instituição se empenha para tornar possível a tramitação de processos entre os órgãos municipais, estaduais e federais. O sistema representa para a universidade inovação na forma de trabalho na administração pública, um novo modelo de gestão documental, com melhor desempenho dos processos administrativos através de infraestrutura eletrônica. “Sem contar que é desenvolvido em equipe, com a participação de todos. Um exemplo de esforço coletivo e comportamento institucional”, afirma Déborah. A superintendente afirma que a burocracia atual eleva os custos, diminui o engajamento e a produtividade das equipes. “Com o SEI, a morosidade, o extravio de processos, a falta de padronização dos documentos e o retrabalho deixarão de existir”, reforça.   Por que adotar o SEI? A adoção do Sistema Eletrônico de Informações (SEI), escolhido no âmbito do Processo Eletrônico Nacional (PEN), foi uma decisão tomada em conjunto pelo reitor Sidney Mello e vice-reitor Antonio Claudio da Nóbrega, que sempre apoiaram as decisões da comissão e deram autonomia e apoio logístico em todas as necessidades e demandas que lhe foram apresentadas, além do apoio do Comitê de Governança, Comitê de Gestão da Informação, Pró-Reitorias e Superintendências. “A decisão sobre a composição da comissão focou a integração de servidores técnico-administrativos, pois são eles que conhecem e executam os processos. Estamos muito confiantes no sucesso dessa verdadeira revolução por dentro em um dos elementos fundamentais para o aperfeiçoamento da gestão da universidade”, celebra o vice-reitor Antonio Claudio.    A Comissão é formada por representantes das principais áreas da organização. A reunião do conhecimento dos servidores mais antigos da UFF, bem como a capacidade e a vontade de quebrar paradigmas trazida pelo grupo de novos servidores, foram fatores fundamentais para a criação de uma sinergia entre os integrantes e prepará-los para o grande desafio de 2018: a mudança de hábitos e cultura organizacional vinda com a implantação do SEI em toda a universidade. “Em breve, o sistema fará parte da rotina de todos e seus benefícios serão compartilhados com a comunidade acadêmica e com a sociedade”, conclui Déborah. A gestão de documentos eletrônicos na UFF foi motivada pela necessidade de cumprimento do Decreto 8.539/15, que dispõe sobre o uso do meio eletrônico para a realização do processo administrativo no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional e da Portaria 1.042/15, que dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério da Educação (MEC). Desenvolvimento sustentável Outra palavra que se consolidou no vocabulário da UFF é sustentabilidade. Por isso, é fundamental destacar o expressivo impacto econômico e ambiental que acompanharão a tramitação de documentos exclusivamente por via eletrônica na universidade. Além da preocupação e consciência ambiental, com a redução da quantidade de papel, toners e cartuchos antes utilizados para impressão, a instituição não só reduz suas despesas como ainda evita o desperdício do dinheiro público. O SEI faz parte do Plano de Logística Sustentável da universidade, elaborado com o objetivo de aplicar conceitos de desenvolvimento sustentável em sua gestão administrativa e acadêmica, o que contribui para o desenvolvimento econômico, social e ecologicamente correto no Brasil.  
SDC participa de ação de extensão com PROEX e ENEL para coleta de resíduos sólidosA Superintendência de Documentação em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão e a ENEL (antiga Ampla Energia e Serviços S.A), realizou de dezembro de 2016 a julho de 2017, a coleta de mais de uma tonelada, (1.334,54 kg) de resíduos sólidos das suas unidades: Biblioteca Central do Gragoatá, Coordenação de Arquivos e Laboratório de Restauração e Conservação de Documentos – LACORD.   Esta coleta faz parte do Projeto “Gestão de Resíduos” vinculado ao Programa “Ações Sustentáveis na UFF”.   Data Kg R$ 05/12/2016 350 R$31,12 24/02/2017 214 R$39,60 10/03/2017 214,52 R$24,92 31/052017 306,90 R$47,63   1.334,52 R$184,27 Essa parceria garantiu uma bonificação de R$184,24 (cento e oitenta e quatro reais e vinte e quatro centavos) na conta de energia para a UFF, cujo valor  corresponde ao peso recolhido neste período.
Universidade Sustentável – Coleta de óleo de cozinhaA preocupação com o meio ambiente deve ser demonstrada por meio de modelos, posturas e ações que possam refletir condutas corretas do cidadão para com o meio ambiente. Pensando em ações sustentáveis que contribuam de diferentes maneiras para a construção de uma Universidade voltada para as novas exigências de uma sociedade cada vez mais sensibilizada acerca dos problemas ambientais é que o Programa Ações Sustentáveis na UFF/Projeto Gestão de Resíduos Sólidos, da Pró-reitoria de Extensão, coletou 227 litros de óleo de cozinha, no período de fevereiro a julho de 2017. O óleo coletado é direcionado à Cooperativa COOPERIOLEO que o repassa para a Empresa SOS Óleo Vegetal, que separa as impurezas e o transforma em biodiesel, sabão e outros produtos de limpeza.  A  adesão da comunidade interna da UFF ao Projeto vem a cada dia crescendo, depositando o óleo de cozinha em garrafa Pet fechada na bombona localizada ao lado da guarita do Campus  do Valonguinho, contribuindo para a diminuição da contaminação do meio ambiente. –– A PROEX pretende estender outros pontos de coleta aos diversos campi e às unidades isoladas da UFF.
Audiência pública para o desenvolvimento do Plano de Logística Sustentável - PLS UFF - Campus Nova FriburgoAs audiências públicas, que a equipe do Gabinete do Reitor está realizando pelas unidades de fora da sede, tem como objetivo a troca de experiências de práticas sustentáveis desenvolvidas de maneira local. Queremos, através dessas visitas, ampliar a discussão sobre esse tema, além de contribuir para a elaboração do Plano de Logística Sustentável da UFF – PLS, bem como tratar da implementação do Sistema Eletrônico de Informação – SEI. Pela relevância do tema, que visa melhorar qualitativamente a vida na universidade, a presença da comunidade acadêmica de Nova Friburgo é fundamental.
Ampliação do programa de reciclagem no Instituto de Ciências da Sociedade de MacaéPensando em uma gestão sustentável dos materiais de descarte produzidos no seu âmbito, o Instituto de Ciências da Sociedade de Macaé, em contato com a Pilar Assessoria (empresa de assessoria e consultoria em gestão administrativa qualificada e ambientalmente sustentável), criou, durante o primeiro semestre letivo de 2017, um programa interno de coleta de papéis e papelões para retirar o lixo reciclável de suas dependências e entregar à rede local de catadores credenciados. Além de produzir um pequeno recurso para o instituto, o programa de coleta e reciclagem visa oportunizar o descarte inteligente e contribuir para a valorização e geração de renda dos catadores. Por iniciativa da direção do instituto, o programa está sendo neste momento expandido para toda a Cidade Universitária de Macaé, com o estabelecimento de parcerias entre as demais instituições de ensino que ocupam o seu espaço, a Universidade Federal do Rio de Janeiro, a Faculdade Municipal Professor Miguel Ângelo da Silva Santos e a Secretaria Adjunta de Ensino Superior. A ideia é que cada instituição estabeleça um ponto de coleta, todo o material recolhido seja entregue conjuntamente e o recurso obtido dividido.
MacaéNo dia 03 de maio de 2017 realizou-se a 2ª Audiência Pública para o desenvolvimento do PLS-UFF, no Campus de Macaé, RJ. Aproveitamos este espaço para listar as ações de sustentabilidade já empregadas na unidade, como por exemplo: Rampas de acesso a todos os andares; Aproveitamento da luz solar nas áreas externas; Venezianas reguláveis externas, para aproveitamento da luz solar e controle de temperatura; Vagas demarcadas para deficientes e idosos no estacionamento da unidade; Campanha interna para diminuição do uso de descartáveis; Programa de reciclagem; Caso alguma ação não esteja listada aqui, pedimos para que entrem em contato conosco no e-mail contato.cps.comissao@id.uff.br. Agradecemos a todos os presentes na audiência e à Direção do Instituto de Ciências da Sociedade de Macaé pela recepção e atenção concedidas à equipe.   Confira a ata da reunião logo abaixo, em anexo. Fotos: Luciana Ribeiro
Audiências Públicas nas Unidades Fora da SedeDurante os meses de maio e junho de 2017, a equipe executora do PLS-UFF e os representantes da Comissão do SEI! realizaram novas audiências públicas, agora nos campi fora da sede. O intuito destes encontros foi para ouvir, comunicar e aproximar toda a comunidade acadêmica da construção das políticas de sustentabilidade na gestão da Universidade Federal Fluminense, além de registrar as ações sustentáveis já praticadas nas unidades. No menu ao lado, encontram-se as atas dos encontros, além de algumas observações da equipe sobre medidas sustentaveis já aplicadas nessas unidades. Agradecemos o acolhimento dado pelas direções e seus representantes à equipe, e nos colocamos à disposição para construirmos uma UFF sustentável.
UFF Volta Redonda avança em estudos sobre sustentabilidadeCriado em abril de 2016, o Centro de Estudos para Sistemas Sustentáveis (Cess), da Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica do campus de Volta Redonda, tem como objetivo desenvolver projetos que fomentem a sustentabilidade dos serviços urbanos, industriais e logísticos, em âmbito nacional e internacional. Coordenado pelo professor do departamento de Engenharia de Produção Newton Narciso, o projeto possui quatro linhas de pesquisa principais, que são: Logística Humanitária, Portos Sustentáveis, Energia Renovável e um sistema de Gestão e Controle de água de lastro de navios, além de projetos na área de Logística e Transporte. Os temas abordados representam campos de estudo novos ou pouco difundidos para a sociedade brasileira. A reciclagem de navios, por exemplo, que é parte de um dos estudos do Cess, tem pouco destaque no Brasil, enquanto países como Índia, Paquistão e Bangladesh já adotaram a prática desde a década de 70, apesar de não ser de maneira sustentável. Já na Comunidade Europeia existem, inclusive, leis para o desmonte de navios que atendem a normas de sustentabilidade - iniciativa que o grupo de pesquisadores da UFF busca impulsionar na indústria nacional. Para o Cess, é fundamental ampliar os estudos a respeito dessa temática, visando promover o retorno econômico e garantir também que os recursos disponíveis hoje sejam acessíveis para as gerações futuras, afinal, o Brasil atualmente, rico em energia solar, eólica, das ondas e marés, é um dos países que menos utiliza esse seu potencial. “Baseado na pesquisa que estamos realizando sobre sustentabilidade portuária, a estimativa é que os portos brasileiros percam 500 megawatts por ano por não utilizar energia solar”, afirma o professor Newton. Segundo o coordenador do projeto, existem alguns entraves culturais e de conhecimento que dificultam a utilização de toda capacidade energética nacional. “Quando se trata de sustentabilidade e energias alternativas é comum o choque no primeiro momento, de olhar e falar ‘nossa, nós estamos desperdiçando tudo isso?’, mas depois já vem a pergunta ‘quanto custa?’, e o questionamento não deveria ser esse, mas sim ‘como podemos aplicar isso?’. O valor é bem relativo, afinal, hoje pode ser caro, mas se você fizer uma estimativa para daqui a 30 anos, haverá um retorno significativo sobre o investimento naquela tecnologia”, ressalta. Além do incentivo ao desenvolvimento sustentável, o Cess possui outra importante diretriz. Uma de suas linhas de pesquisa, a Logística Humanitária, tem como foco assistir populações vitimadas por desastres naturais. “Estamos estudando as consequências das últimas tragédias acontecidas nas cidades de Teresópolis, Petrópolis e Angra dos Reis - por conta das chuvas - na busca de criar soluções inovadoras que ajudem a identificar e mensurar os impactos socioeconômicos nesses locais”, relata Narciso. Devido à relevância das pesquisas, o centro de estudos firmou importantes parcerias internacionais. Desde agosto de 2016, os pesquisadores participam do Network for Business Sustainability, instituição canadense composta por especialistas acadêmicos mundiais e líderes empresariais que desenvolvem trabalhos na área de sustentabilidade. O grupo brasileiro se destaca frente às outras instituições participantes por atuar com questões sociais e logísticas. Como proposta acadêmica, o Cess busca criar na UFF um espaço de fomento ao pensamento sustentável, permitindo que os alunos conheçam e tenham contato mais estreito com a comunidade externa. Segundo o professor Newton, os questionamentos acerca do mundo que se deseja são valores transmitidos no laboratório. “Eu acredito que nós, da engenharia, precisamos tocar o lado humano, porque, nessa área, fazer conta todos nós sabemos. Mas que engenheiros nós formaremos? Afinal, são as pessoas que vão resolver os problemas da sociedade. Elas devem olhar para o próximo e não apenas se preocupar em ganhar dinheiro”. Para os alunos que fazem parte do projeto, são muitas as oportunidades de conhecimento e prática. “O Cess gera valor agregado em diferentes áreas relacionadas aos interesses profissionais e acadêmicos, com destaque para a sustentabilidade, que é considerada um dos pilares da pesquisa social e científica do próximo século”, enfatiza o mestrando da UFF, formado em Engenharia de Produção, Euler Sanchez. Já para o graduando em Engenharia Elétrica, Caio Mariano, conciliar tecnologia e sustentabilidade é um diferencial. “As pesquisas dão enfoque na modernização ou no melhor aproveitamento sem que isso agrida ou prejudique o meio em que vivemos”, acrescenta o estudante. Universidade Sustentável A principal iniciativa de fomento ao desenvolvimento de projetos na área da sustentabilidade na Universidade Federal Fluminense é o Plano de Logística Sustentável (PLS). O projeto, que se encontra em fase de elaboração, baseia-se em um processo de coordenação do fluxo de materiais, serviços e informações, do fornecimento ao desfazimento, que considera a proteção ambiental, a justiça social e o equilíbrio dos desenvolvimentos sustentável e econômico. Segundo a presidente da comissão de implantação, Deise Faria, o PLS deve promover interações entre cursos e unidades, fomentando assim, avanços em práticas sustentáveis na UFF. “O objetivo do plano é unificar as ações de sustentabilidade na instituição, divulgando o que está sendo realizado nos diferentes campi e permitindo também uma troca de experiências positivas entre todas as unidades da universidade”, explica Deise. A comissão gestora é composta por um membro de cada pró-reitoria e de cada superintendência da UFF e a expectativa é de que o Plano de Logística Sustentável entre em vigor no final de julho de 2017.
Audiência Pública sobre Sustentabilidade na UFFA UFF está elaborando seu Plano de Logística Sustentável - PLS-UFF. Este documento é uma ferramenta que nos auxiliará na gestão da universidade de forma a agredir menos o meio ambiente; garantir melhor qualidade de vida das pessoas, respeitar a comunidade ao entorno e garantir-lhes uma melhor integração com as atividades diárias nos campi; usar de forma racional os bens e recursos públicos; evitar o disperdício dos recursos naturais; promover eventos de capacitação e sensibilização relativos à sustentabilidade e gestão ambiental; gestão adequada dos resíduos gerados nas atividades da universidade. O objetivo do trabalho é consolidar as informações relativas as ações sustentáveis já desenvolvidas na Universidade e oferecer outros mecanismos que possam auxiliar toda comunidade a adotar hábitos mais sustentáveis. A finalidade desse evento é proporcionar um momento para que possamos trocar experiências e expor nossas ideias sobre as temáticas relativas à sustentabilidade. O evento será transmitido ao vivo pela Unitevê, e também disponibilizaremos para as Unidades Fora de Sede o sistema de videoconferência, via Skype, para que todos os que queiram expressar suas opiniões ou expôr suas experiências em Sustentabilidade possam participar, mesmo se impossibilitados de comparecerem pessoalmente ao evento. Os participantes que estiverem fora de sede e que queiram se pronunciar durante a Audiência via videoconferência deverão procurar a Direção dos seus Institutos para adquirir o endereço, já disponibilizado às Direções. Em caso de dificuldades durante a realização do evento, pedimos que enviem E-mail para comissao.pls.uff@gmail.com, detalhando a situação, e responderemos o mais rápido possível. A presença de toda comunidade é muito importante. Esperamos vocês!      
Encerramento do prazo de inscrições de trabalhos para ONSUSTAINABILITY 2017Conforme informado, será realizado no período de 19 a 21 de janeiro de 2017, no auditório do NAB  a conferência internacional ONSUSTAINABILITY 2017, abordando temas nas áreas ambiental, cultural, social e econômica. Trata-se de uma oportunidade única para a comunidade acadêmica da UFF.  O prazo para inscrição de trabalhos encerra-se no dia 19 de dezembro de 2016 e podem ser feitas no site www.onsustainability.com. Haverá uma taxa especial para os professores e comunidade da UFF.
UFF define plano de práticas sustentáveisCom o intuito de consolidar diretrizes de sustentabilidade únicas para todos os campi da UFF, a universidade se prepara para o lançamento do seu primeiro Plano de Logística Sustentável (PLS). A criação deste plano, a partir da demanda do governo federal, alinha-se ao documento de Motivação Institucional da Universidade Federal Fluminense que aplicará conceitos de sustentabilidade na gestão administrativa e acadêmica da instituição. Para o vice-reitor da UFF, Antonio Claudio Nóbrega, além de constituir uma determinação legal, a existência de um PLS é uma etapa fundamental no processo de fortalecimento do nosso papel como uma instituição com responsabilidade ambiental e social. “Exercemos nossa missão de forma planejada, trabalhando a favor de contribuir para uma sociedade cada vez mais equilibrada e justa, elevando a qualidade de vida das gerações futuras”, enfatiza. O PLS é uma ferramenta de planejamento decretada pelo governo - Artigo 15 do Decreto nº 7.746, de 5 de junho de 2012 - que apresenta objetivos e responsabilidades definidas, além de metas, prazos de execução e mecanismos de monitoramento e avaliação. O plano permite o estabelecimento de práticas de sustentabilidade, racionalização de gastos e processos na administração pública. Sua produção ficará a cargo de gestores da universidade e passará por aprovação do Conselho Universitário (CUV) e também pela presidente da comissão gestora, a secretária executiva da UFF Deise Faria Nunes. A comissão é composta por um professor titular e um suplente de cada área, indicados pelos pró-reitores e superintendentes da universidade. Totalizando 24 pessoas, o grupo será responsável por monitorar, avaliar e revisar o documento. Durante sua produção, os participantes devem seguir as regras estabelecidas pela Instrução Normativa nº 10, a qual determina conteúdos a serem abordados e tratados pela instituição. Dentre eles, encontram-se a atualização do inventário de bens e materiais da universidade e identificação de similares de menor impacto ambiental para substituição; responsabilidades, metodologia de implementação e avaliação do plano; e ações de divulgação, conscientização e capacitação. Quanto aos temas mínimos obrigatórios, o artigo 8° determina que as práticas de sustentabilidade e racionalização do uso de materiais e serviços deverão abranger sete diferentes questões: material de consumo (papel, copos descartáveis e cartuchos); energia elétrica; água e esgoto; coleta seletiva; qualidade de vida no ambiente de trabalho; compras e contratações sustentáveis e deslocamento de pessoal (meios de transporte, com foco na redução de gastos e de emissões de substâncias poluentes). Para melhor organização do PLS, foi montado um programa de ação por etapas. Iniciado com a formação da comissão gestora em setembro de 2016, o planejamento encontra-se agora na segunda fase, o diagnóstico. Nesta etapa será executado o levantamento de todas as ações sustentáveis e os gastos realizados nos campi da UFF. Disponibilizadas pela Pró-Reitoria de Administração (Proad), as informações de gastos de papel, energia e água, por exemplo, servirão de base para formular esquemas de economia e objetivos do plano. Em fevereiro de 2017, está previsto um evento para divulgar e apresentar o escopo do PLS para toda a comunidade da UFF. Em seguida, o trabalho entrará em fase de elaboração para então ser submetido à aprovação do Conselho Universitário. O resultado final será divulgado oficialmente no site da universidade. Sua implantação terá início em Niterói em 2017 e depois será aplicado nos outros campi. Apesar de ser um plano com diretrizes únicas para todas as unidades da Universidade Federal Fluminense, ele não é fixo. A partir do surgimento de novas demandas no decorrer dos anos, poderá ser alterado para a adequação ao contexto no qual se encontra. “O importante é ressaltar que será um documento seguido por todos os campi da instituição visando sempre à logística da sustentabilidade”, conclui a presidente da comissão gestora, Deise Faria Nunes.
2° Encontro de Diálogos Uff em Ambientes, Culturas, Educação e CidadaniaO evento será realizado de 13 a 20 de dezembro em formato virtual e assíncrono (a qualquer momento a audiência poderá acessar o conteúdo de palestras e trabalhos inscritos), em que a participação da audiência será via comentários aos trabalhos e palestras a serem enviados por meio de formulário Google Form, contendo dados de identificação e o comentário sobre os conteúdos disponibilizados no evento. Acesse o blog do evento durante a sua realização no período de 13 a 20 de dezembro e, de lá, poderá participar como audiência do evento no link https://2dialogosuff.blogspot.com.br Os autores dos trabalhos, assim como palestrantes, terão um ambiente dedicado de comunicação pela Plataforma Moodle, mantida pela Coordenadoria de Educação à Distância da Pró-Reitoria de Graduação da Uff. Dúvidas e sugestões: acesse o formulário de contato em https://2dialogosuff.blogspot.com.br ou envie email para a equipe de gestão de conteúdos e comissão organizadora em 2dialogosuff@gmail.com Público-Alvo Busca-se a participação de docentes, discentes, servidores técnico-administrativos, coordenadores de cursos e gestores envolvidos na oferta de conteúdos curriculares na Graduação, com sua integração à pesquisa e extensão universitária, acerca da educação ambiental, educação ética, educação para a cidadania, educação para a responsabilidade social, educação para a sustentabilidade e educação para o desenvolvimento sustentável, dentro de uma perspectiva multidimensional para as questões ambientais, sustentabilidade e do desenvolvimento sustentável. Objetivo Geral Promover reflexões e diálogos de saberes em educação ambiental, educação ética, educação para a cidadania, educação para a responsabilidade social, educação para a sustentabilidade e educação para o desenvolvimento sustentável em cursos de Graduação na Universidade Federal Fluminense Objetivos Específicos 1.Conhecer, difundir e articular a oferta de conteúdos curriculares em educação ambiental, educação ética, educação para a cidadania, educação para a responsabilidade social, educação para a sustentabilidade e educação para o desenvolvimento sustentável na Uff; 2.Promover a articulação de corpo docente na Uff nos campos da educação ambiental, educação ética, educação para a cidadania, educação para a responsabilidade social, educação para a sustentabilidade e educação para o desenvolvimento sustentável; 3.Fomentar a formação docente em práticas pedagógicas e assessoria curricular oferecidas pelo Proiac; 4.Integrar ensino, pesquisa e extensão em educação ambiental, educação ética, educação para a cidadania, educação para a responsabilidade social, educação para a sustentabilidade e educação para o desenvolvimento sustentável.     Comissão Organizadora: Profa. Alejandra Filippo Gonzalez Neves dos Santos Faculdade de Veterinaria – Niterói, Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Agrossocioambiental Sustentável Profa. Ana Claudia Torres da Silva Estrella Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Niterói, Departamento de Contabilidade Profa. Dirlane de Fátima do Carmo Escola de Engenharia, Niterói, Departamento de Engenharia Agrícola e Meio Ambiente Profa. Francisca Marli Rodrigues de Andrade Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior, Santo Antônio de Pádua, Departamento de Ciências Humanas Profa. Lívia Maria da Costa Silva Escola de Engenharia, Niterói, Departamento de Engenharia Agrícola e Meio Ambiente Prof. Marcos Alexandre Teixeira Escola de Engenharia – Niterói, Departamento de Engenharia Agrícola e Meio Ambiente Profa. Patricia Almeida Ashley Instituto de Geociências, Niterói, Departamento de Análise Geoambiental Profa. Renata Gonçalves Faísca Escola de Engenharia, Niterói, Departamento de Engenharia Civil Profa. Selma Alves Dios Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Niterói, Departamento de Contabilidade  
Chamada para Conferência Internacional sobre SustentabilidadeConferência Internacional sobre Sustentabilidade Ambiental, Cultural, Econômica e Social (ON SUSTAINABILITY CONFERENCE 2017) na UFF Chamada para Apresentação de Trabalhos Temos o prazer de anunciar esta chamada para apresentação de trabalhos durante a décima terceira Conferência Internacional sobre Sustentabilidade Ambiental, Cultural, Econômica e Social (ON SUSTAINABILITY CONFERENCE 2017). A conferência será realizada nos dias 19, 20, e 21 janeiro de 2017, em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no Núcleo de Estudos em Gerenciamento de Água e Biomassa – NAB da Universidade Federal Fluminense - UFF. Convidamos para apresentações de trabalhos, workshops / sessões interativas, posters / exposições, colóquios, cartazes virtuais, ou palestras relâmpago (lightning talks) virtuais. Para mais informações sobre a conferência, use os links abaixo. Parceiros de Conferência Estamos honrados em ter o Núcleo de Estudos em Biomassa e Gerenciamento de Águas (NAB) da Universidade Federal Fluminense (UFF) o Instituto Internacional para o Museu Inclusivo (IIIM) e a Prefeitura de Niterói como nossos parceiros para a conferência de 2017. Submissões de Propostas e Prazos Aceitaremos apresentações de propostas para a conferência ao longo do ano, de forma contínua, respeitando-se os prazos finais para submissão de propostas regulares e as propostas com atraso. Todas as propostas serão revistas no prazo de duas a quatro semanas após o envio. As datas abaixo servirão como guia para a apresentação de propostas com base em nossos prazos de registro correspondentes: Prazo para Propostas com atraso - 19 de dezembro de 2016 Caso não seja possível participar da conferência pessoalmente, pode ser feita a apresentação em uma sessão com cartazes virtuais, ou palestras-relâmpago "lightning talks" virtuais. As sessões virtuais possibilitam aos participantes apresentar o trabalho a um grupo de pares e de se envolver com os colegas de forma remota. Como participantes virtuais, os apresentadores estarão registrados no programa formal, terão acesso à seleção de conteúdo da conferência, poderão enviar um artigo para revisão e possível publicação, fazer upload de uma apresentação on-line, desfrutar de uma assinatura anual para a comunidade e ter acesso ao On Sustainability Journal Collection. Tarifas Especiais para Brasileiros Tarifas especiais estão disponíveis para professores, funcionários e estudantes de universidades locais, assim como, a demais interessados brasileiros Estudantes brasileiros, com apresentação de trabalhos: $ 125,00 USD Professores, funcionários ou demais interessados, brasileiros, com apresentação de trabalhos $ 175,00 USD Brasileiros, sem apresentação de trabalhos: $ 100,00 USD Oportunidade Especial para Brasileiros Serão concedidas até 20 inscrições de cortesia  para brasileiros. A inscrição do trabalho deverá ser realizada dentro do prazo regular de submissão, 19 de outubro. A avaliação será feita pelo comitê científico do Conselho Consultivo Local e o comunicado do resultado será conhecido em novembro. As cortesias serão distribuídas dentro dos quatro temas principais, cada um com cinco trabalhos. Para maiores informações sobre as taxas de registro local e o que está incluso na inscrição, envie um e-mail para support@onsustainability.com.
Conferência Internacional em Sustentabilidade ambiental, econômica, social e cultural – Onsustainability 2017 Conferência Internacional em Sustentabilidade ambiental, econômica, social e cultural – Onsustainability 2017 - no Nab O Núcleo de Estudos em Biomassa e Gerenciamento de Água – NAB – UFF, sediará um dos mais importantes eventos internacionais em sustentabilidade, a Onsustainability 2017 Conference no período de 19 a 21 de janeiro de 2017.  A Conferência estará aberta às áreas ambiental, cultural, econômica e social. Esta conferência tem a UFF como organizadora e a Prefeitura de Niterói como apoio. A Conferência, em inglês, está organizada em sessões plenárias e sessões paralelas. As plenárias serão realizadas no auditório do NAB e as sessões paralelas, no Instituto de Computação, vizinho ao NAB. Os trabalhos poderão ser apresentados na forma de workshops / sessões interativas, posters / exposições, colóquios, ou palestras relâmpago (lightning talks) virtuais. O prazo para a apresentação de trabalhos é 19/10/2016. Outras informações podem ser obtidas no site http://onsustainability.com/2017-conference, ou junto à secretaria do NAB, tel. 21 3674- 7624  Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-email: onsustainability2017@gmail.com A Onsustainability 2017 Conference é uma grande oportunidade para a comunidade acadêmica da UFF assistir, apresentar trabalhos e estabelecer parcerias internacionais.
Reitor participa de lançamento do PROGRAD VerdeO Reitor Sidney Melo compareceu, na tarde dessa quinta-feira (9) ao lançamento do programa PROGRAD Verde, um programa de sustentabilidade desenvolvido pela PROGRAD em parceira com a PROEX que visa a conscientização acerca da adoção de atividades sustentáveis no seu dia a dia. O evento aconteceu no auditório da FEC e contou com a presença massiva de funcionários da PROGRAD e, além do Reitor, dos Pró-Reitores de Graduação José Rodrigues de Farias Filho e de Extensão, Cresus Vinicius Depes de Gouvêa. Logo no começo da atividade, o Magnífico Reitor Sidney Melo fez uma saudação aos funcionários da PROGRAD e relembrou seu passado junto à Pró Reitoria. Nas palavras do prof. Sidney, foi na PROGRAD o seu “momento de maior ânimo e compreensão sobre a universidade”. Sidney também afirmo um enorme carinho pela Pró Reitoria, a qual exaltou o papel importante nos resultados alcançados pela UFF: - Os 5 INCTs são uma marco positivíssimo para a Universidade, ocupamos a segunda posição no ranking do Estado em projetos do CNPQ e, de acordo com relatório do INEP, somos a universidade que mais forma e com menor taxa de evasão do Estado do Rio de Janeiro. Esses são os melhores números que a Universidade pode apresentar à sociedade e são fruto do trabalho da PROGRAD. O Reitor também afirmou o desejo que projetos como esse, que a PROGRAD desenvolve em parceria com a PROEX se espalhem para outros setores da universidade, reafirmando compromisso com a sustentabilidade e o papel que a UFF pode ter nesse sentido.
Rio das Ostras e Macaé realizam debate sobre sustentabilidade do HUAPOcorreu, no último dia 18, em Rio das Ostras, mais um debate sobre o tema da Sustentabilidade do Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP). Organizado pelos diretores dos Institutos das duas Unidades, o evento reuniu em torno de 50 participantes entre professores, estudantes e técnicos, contando na mesa com os Pró-Reitores da Progepe e Proaes, Túlio Franco e Sérgio Mendonça respectivamente; com a representante do Sintuff Lígia Regina, e o médico Wladimir Thadeu. Na ocasião foram expostos os problemas de sustentabilidade vividos pelo HUAP, uma unidade hospitalar de alta complexidade, referência para toda região Metropolitana II do Estado do Rio de Janeiro, e com compromissos de atender à população usuária do SUS. Além disto o Hospital tem como principal atividade o ensino, pesquisa e extensão em medicina e outras áreas da saúde. A primeira fala dos pró-reitores deixou clara a proposta para superação dos atuais problemas via gestão compartilhada com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, através de um contrato de gestão, em que mantém o HUAP como um serviço público, de financiamento exclusivamente estatal, e dedicado às atividades inerentes à Universidade, se mantendo 100% SUS. Por outro lado, a representante do Sintuff e Wladimir, que expuseram contrários à proposta em debate, não conseguiram apresentar alternativas que apontassem na direção de superação dos atuais problemas, sugerindo a formação de uma comissão, o que adiaria interminavelmente a agonia do hospital. Já há vários fóruns dedicados ao tema, como por exemplo, o Conselho Deliberativo do HUAP. O que fica claro é que, aqueles que são contra a contratualização com a Ebserh devem apresentar propostas para salvar o hospital e impedir o seu fechamento a curto prazo. Não é possível admitir a postura atual, de serem contra, e não apresentarem propostas para o HUAP, isto é pouco responsável com o Hospital e todos os que dele dependem para cuidado à saúde, o ensino e pesquisa na área. O debate transcorreu de forma organizada e respeitosa, demonstrando que a democracia na UFF pode ser exercida sem constrangimentos e cerceamentos, que queremos que façam parte do passado apenas. Hoje há uma nova prática no tratamento coletivo das nossas questões. Comitê Gestor da UFF
UFF de Nova Friburgo tem primeira estação de tratamento de mercúrio odontológico da América LatinaA Faculdade de Odontologia da UFF do Campus de Nova Friburgo é a primeira da América Latina a instalar uma Estação de Tratamento e Reciclagem de Mercúrio Odontológico. Em funcionamento desde outubro de 2014, ela faz parte de uma pesquisa desenvolvida por professores, alunos e técnico-administrativos, coordenada pelo professor Cláudio Pinheiro Fernandes. A unidade é especializada em resíduos de amálgama do produto, que são despejados no esgoto dos consultórios dentários da faculdade, além de receber resíduos sólidos captados por dentistas da região. O grupo vem trabalhando com medidas concretas para promover a Odontologia Sustentável, já que a preocupação com o uso de materiais tóxicos na Odontologia e o seu impacto na saúde e no meio ambiente vêm crescendo nos últimos anos. “É um conjunto de ações de pesquisa, extensão e ensino voltado para a questão da sustentabilidade, com destaque na área do mercúrio odontológico, proveniente do uso em larga escala do material restaurador chamado amálgama dental”, informou Cláudio Fernandes. O objetivo do trabalho é instituir medidas concretas para promover a sustentabilidade na Odontologia, inserindo também o tema no currículo da graduação. A pesquisa em andamento, informou o professor, vai fomentar na UFF a aplicação de diversas medidas de Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS), estabelecendo o processo de aquisição de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias para construir sociedades locais e globais que sejam justas, equitativas e vivam dentro dos limites ambientais do planeta, tanto agora como no futuro. Mais pessoas em diferentes países estão procurando cuidar da boca. Ao mesmo tempo, isso vem obrigando os profissionais a tentarem reduzir os impactos que a atividade impõe sobre os recursos naturais e finitos da Terra", Cláudio Fernandes Integram a pesquisa os professores Amauri Favieri Ribeiro, Cláudio Fernandes, Eduardo Tavares Coutinho, Fabio Robles, Fernanda Volpe de Abreu, Isis Poiate, Luis Eduardo Carneiro Campos e Luiz Mendes, os técnico-administrativos Claudia Souto e Eliezer Guilherme Schuvenk, e os alunos bolsistas, Francisco Daniel Lima Sampaio e Luiza Gonçalves Ayres. Ainda segundo Fernandes, 120 alunos e 30 professores participam das diversas atividades de educação para o Desenvolvimento Sustentável. Odontologia Sustentável Segundo Cláudio Fernandes, a profissão de cirurgião-dentista está sendo desafiada pela crescente demanda por melhores cuidados de saúde bucal. "Mais pessoas em diferentes países estão procurando cuidar da boca. Ao mesmo tempo, isso vem obrigando os profissionais a tentarem reduzir os impactos que a atividade impõe sobre os recursos naturais e finitos da Terra", salientou. E ainda segundo ele, “o sucesso de profissionais de saúde, assim como em outras áreas da sociedade, será julgado por quão bem respondem a estes desafios individuais”. Dessa maneira, a Odontologia Sustentável surge para incluir a dimensão da sustentabilidade na vida profissional do cirurgião-dentista, incluindo suas três dimensões: preservação dos recursos naturais, desenvolvimento econômico e valorização humana. Além disso, a promoção da sustentabilidade na educação, pesquisa, desenvolvimento tecnológico para a prática clínica é atualmente um dos mais importantes desafios internacionais da Odontologia.  Dentre as instituições parceiras e patrocinadoras da pesquisa estão a Prefeitura Municipal de Nova Friburgo, a Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro, o Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro, o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, a Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas, o Instituto de Eventos Ambientais, a Apliquim Brasil Reciclagem de Mercúrio, a Dental Recycling International, a International Academy of Oral and Medical Toxicology e a Academy of Dentistry International. Simpósio A UFF vai coordenar o 2o Simpósio Internacional de Odontologia Sustentável durante o 34o Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo (CIOSP). O encontro será no dia 28 deste mês, quinta-feira, das 14h das 18h, no Centro de Convenções Expo Center Norte, em São Paulo. Na programação mesas-redondas e palestras com renomados profissionais da área, dentre os quais se destaca a australiana, Pam Clark, expert em gestão de resíduos do mercúrio odontológico da Agência de Meio Ambiente da ONU. O tema central do evento será “Impacto Ambiental do Mercúrio Odontológico – Estamos Fazendo o Suficiente?”. Realização: Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD). Apoio: Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), Associação Brasileira dos Cirurgiões-Dentistas (ABCD), Associação Brasileira de Odontologia (ABO), Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (ABIMO), entre outras entidades participantes. Programa 14h - Abertura: palestra “Odontologia Sustentável. Um novo parâmetro para profissionais de saúde bucal.” Com o coordenador do Núcleo de Odontologia Sustentável da UFF de Nova Friburgo, professor Claudio Fernandes; 14h20 - Palestra: “Impacto ambiental do amálgama odontológico.  Estamos fazendo o suficiente?”. Com a representante da Agência de Meio Ambiente das Nações Unidas (UNEP/ONU), Pam Clark; 15h - Palestra: “Água. Uso, desuso e abuso na Odontologia”. Com o membro do European Hydration Institute, Gerhard Seeberger, da Itália; 15h50 - Intervalo 16h10 - Mesa redonda com representantes de diversas entidades brasileiras ligadas à Odontologia, bem como dos Ministérios da Saúde e do Meio Ambiente. Moderação: professora da USP de São Paulo e conselheira do CROSP, Mary Skelton; 18h – Conclusões e encerramento com Claudio Fernandes e Mary Skelton. Inscrições e outras informações no site: www.odontosustentavel.com.br
Sustentabilidade na 20ª Semana de Extensão da UFFInformamos a todos que a programação da 20ª Semana de Extensão da UFF contará com duas atividades de promoção à sensibilização sobre a importância do reaproveitamento. Por isso, durante os dias 25, 26 e 27 de novembro, não deixe de levar o óleo de cozinha da sua casa (armazenado em garrafa PET) e filmes de raio-X para correto descarte, pois o Programa ‘Ações Sustentáveis na UFF’ fará o recolhimento desses materiais durante as atividades da Semana.
Programa Ações Sustentáveis na UFFO Programa Ações Sustentáveis na UFF tem por objetivo estimular a formação na universidade de uma cultura organizacional favorável ao desenvolvimento sustentável das suas atividades, bem como utilizar a educação ambiental como instrumento pare elevar o nível de conhecimento da comunidade envolvida com os projetos e eventos realizados pelo Programa, além de motivar a comunidade acadêmica a participar voluntariamente de ações temáticas ambientais da UFF. Maiores informações: TEL: 2629-9972 / e-mail: acoessustentaveiscdfe@proex.uff.br Curta a página no facebook aqui.    
Sustentabilidade: UFF realiza primeiro ato de eliminação de documentos destinados à reciclagemA Pró-Reitoria de Extensão (Proex), em parceria com a Coordenação de Arquivos da Superintendência de Documentação (CAR/SDC), nesta terça-feira, 26 de maio, às 10h30, no Centro de Reciclagem Rio (CRR), Rua Barão de São Gonçalo, 311, Neves, São Gonçalo, promove o primeiro ato de eliminação física de documentos constantes das listagens aprovadas pela Comissão Permanente de Avaliação de Documentos. O ato será aberto ao público e contará com a presença do pró-reitor de Extensão, Wainer da Silveira e Silva; da superintendente de Documentação, bibliotecária e mestre em Ciência da Informação, Déborah Motta Ambinder de Carvalho, responsável pelo Sistema de Bibliotecas e Arquivos da UFF; das coordenadoras do programa Maria Lucia Melo Teixeira de Souza e Anna Silvana Cavalieri, ambas da Proex; e do coordenador de Arquivos, arquivista e mestrando em Gestão de Documentos e Arquivos, Igor José de Jesus Garcez. Trata-se de uma atividade do Programa Ações Sustentáveis Junto à Comunidade da UFF, que teve inicio em 2011, obedecendo ao Decreto Presidencial nº 5.940/2006. O programa busca desenvolver na comunidade acadêmica, que reúne professores, alunos, servidores técnico-administrativos e profissionais terceirizados, a sensibilização ambiental, divulgando a importância da reciclagem e da preservação do meio ambiente. Além disso, visa à criação de projetos que adotem estratégias ecologicamente corretas (econômicas, ambientais e sociais), a fim de aumentar a eficiência no uso da matéria-prima por meio da não geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados num determinado processo, disse a coordenadora adjunta do programa, Anna Silvana Cavalieri. Segundo a coordenadora do programa, coordenadora de Difusão e Fomento à Extensão e substituta do pró-reitor de Extensão, Maria Lucia Melo Teixeira de Souza, o fato de que, apesar do grande desenvolvimento tecnológico que possibilita inegavelmente um direcionamento de melhores condições de vida para o homem, pouco se faz e até se discute na área de tratamento dos resíduos sólidos produzidos pela população mundial. “Sabemos da existência de algumas ações brasileiras de excelente qualidade apontando nessa direção”, disse. O número delas, entretanto, torna-se apenas bons modelos que, infelizmente, deixam de ser reproduzidos, devido às grandes barreiras a serem ultrapassadas. “Assim, na certeza de que a dívida é também nossa, tanto por sentir-nos capazes de reconhecer as omissões, quanto por estarmos inseridos em um espaço ideal às realizações – quer como docentes, discentes, técnicos e prestadores de uma instituição de ensino superior, quer como membros de uma sociedade que visa ao bem-estar do cidadão – fomos levados a elaborar uma proposta que consideramos capaz de atender de forma consciente à comunidade da Universidade Federal Fluminense em Niterói e nas demais cidades onde atua”, explicou Maria Lúcia. Ainda segundo a coordenadora, nesse panorama de importância ambiental criado na universidade, surgem diversos projetos que buscam melhores formas de proteção ao meio ambiente. Dentro desses se incluem o Projeto de Descarte de Documentos do Sistema de Bibliotecas e Arquivos da Superintendência de Documentação da UFF. Recentemente, a UFF, por iniciativa da Proex, assinou convênio com a Cooperativa de Catadores de Niterói (Coopcanit), e dentre as várias ações dessa parceria está o descarte de material do Arquivo Central da UFF. Cabe destacar que, por se tratar de uma cooperativa, o valor do material processado será dividido entre os cooperativados, já que é proibida a venda de papéis adquiridos com recursos públicos. Neste sentido, a UFF contribui para a redução do impacto no acúmulo de papéis que não têm mais valor administrativo ou legal para a instituição, e por serem considerados resíduos, devem ser tratados de forma sustentável para que não sejam jogados no meio ambiente sem o devido cuidado. Por isso, há a preocupação de se renovar estes resíduos (reciclagem) para que sejam reutilizados, evitando a possibilidade de um esgotamento de nossos recursos naturais. A universidade se preocupa com o desenvolvimento sustentável de seus recursos e a produção de documentos está inserida nesse processo, acrescentou a superintendente de documentação, Déborah de Carvalho. A eliminação física dos documentos já destituídos de valor, de acordo com os instrumentos legais disponíveis, é uma das ações sustentáveis realizadas no âmbito do Sistema de Bibliotecas e Arquivos da Superintendência de Documentação. A responsabilidade ambiental se dá a partir do momento em que existe a preocupação com a sustentabilidade, e a conscientização do modo com que devemos cuidar do meio ambiente. No caso da eliminação física dos documentos da UFF, a CAR/SDC se preocupa em não atingir o meio ambiente fragmentando mecanicamente os papéis. Assim, não há impacto negativo com relação à poluição do ar, das águas e de outros recursos naturais. Déborah de Carvalho destaca que os documentos produzidos e recebidos pela universidade são contínuos e que, após cumprirem os trâmites administrativos nas unidades, são transferidos para a CAR/SDC, onde são avaliados e submetidos à aprovação da Comissão Permanente de Avaliação de Documentos (CPAD) da UFF. Portanto, não há como estimar quantos atos como esse serão realizados anualmente pela CAR/SDC. Embora o evento seja realizado na cidade de São Gonçalo, a CAR/SDC recebe documentos de todas as unidades da UFF mediante solicitação de assessoria técnica, às quais a equipe do arquivo vai para realizar um diagnóstico e orientações técnicas quanto à organização e tratamento dos documentos.