Autor revisita edição buarquiana da coleção História geral da civilização brasileiraCom o primeiro volume publicado em 1960, a coleção “História geral da civilização brasileira” (HGCB) comemora seus 60 anos em 2020 e ainda é uma referência na historiografia contemporânea nacional. Em “As edições do cânone…”, lançado pela Eduff em 2016, o historiador André Furtado percorre a trajetória intelectual de Sérgio Buarque de Holanda, dando ênfase ao período em que o escritor esteve à frente da coleção, que vai de 1960 a 1972. Embora mais lembrado por "Raízes do Brasil", foi pela realização da "HGCB" que Buarque concretizou seu clamor por uma escrita histórica brasileira com a contribuição de especialistas em cada um de seus 11 volumes publicados. Para além dos projetos editoriais e da produção escrita pelo historiador, o livro percorre também as homenagens prestadas logo após a sua morte, em 1982. Para a pesquisa, André Furtado se valeu não somente de textos escritos por Sérgio Buarque e por seus críticos, mas também de registros documentais depositados em diferentes arquivos, a exemplo do acervo Sérgio Buarque de Holanda, sediado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Como quem une as peças de um quebra-cabeça, o autor, por meio dos fragmentos encontrados, dá visibilidade a um Sérgio Buarque em sua complexidade, raramente visto em estudos anteriores. Para adquirir esse e outros livros da Eduff, acesse www.eduff.uff.br.
Historiador revisita trajetória de Sérgio Buarque de HolandaNovo lançamento da Eduff, o livro "As edições do cânone" (Eduff, 2016), do historiador André Carlos Furtado, percorre a trajetória intelectual de Sérgio Buarque de Holanda, com ênfase no período em que o escritor esteve à frente da coleção "História geral da civilização brasileira" ("HGCB"), entre 1960 e 1972. Embora mais lembrado por "Raízes do Brasil", foi pela realização da "HGCB" que Buarque concretizou seu clamor por uma escrita histórica brasileira com a contribuição de especialistas em cada um de seus 11 volumes publicados. Para a pesquisa, André Furtado se valeu não somente de textos escritos por Sérgio Buarque e por seus críticos, mas também de registros documentais depositados em diferentes arquivos, a exemplo do acervo Sérgio Buarque de Holanda, sediado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Como quem une as peças de um quebra-cabeça, o autor, por meio dos fragmentos encontrados, dá visibilidade a um Sérgio Buarque em sua complexidade, raramente visto em estudos anteriores. "As edições do cânone" lança luz sobre o processo que fez de Buarque uma das grandes referências para a historiografia contemporânea do Brasil. Para além dos projetos editoriais e da produção escrita pelo historiador, o livro percorre também as homenagens prestadas logo após a sua morte, em 1982. “Assim, seguindo a trilha aberta por Sérgio Buarque, no século XX, André Furtado vem se tornando, nesse início de século XXI, um dos mais criativos e eruditos historiadores de sua geração. Este livro é até o momento o seu melhor testemunho. Nele, desvenda-se Sérgio Buarque de Holanda, intelectual, mostra-se André Carlos Furtado, historiador. Sua leitura, além de instigante e sugestiva, é, posso garantir, original e extremamente prazerosa” (Giselle Martins Venancio - Universidade Federal Fluminense)   --> Como comprar