Morte

A rotina e os meandros do funcionamento do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto (IMLAP), no Rio de Janeiro, é objeto de um estudo etnogáfico minucioso feito pela antropóloga Flavia Medeiros e recém-publicado pela Eduff no livro “Matar o morto”, que será lançado em 7 de março, às 17h, na Livraria da Travessa, no Centro do Rio de Janeiro (Rua 7 de Setembro, 54).

A rotina e os meandros do funcionamento do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto (IMLAP), no Rio de Janeiro, é objeto de um estudo etnogáfico minucioso feito pela cientista social Flavia Medeiros e recém-publicado pela Eduff no livro “Matar o morto”.

Na obra, a autora relata como é desenvolvido um conjunto de procedimentos que tem por objetivo identificar o corpo e a causa de sua morte. Por meio de categorias médico-legais, é possível classificar o óbito e desta forma redefinir relações sociais que, em tese, seriam interrompidas pela morte.

As novas tecnologias vêm transformando os processos comunicacionais e influenciando o cotidiano das pessoas. Mas como o advento das redes sociais tem atualizado a experiência com a morte? A resposta Renata Rezende tenta responder no livro “A morte midiatizada” (Eduff), que será lançado nesta quinta-feira, 31 de março, às 19h, na Livraria da Travessa de Botafogo, na Rua Voluntários da Pátria, 97, Botafogo, Rio de Janeiro.

As novas tecnologias vêm transformando os processos comunicacionais e influenciando o cotidiano das pessoas. Mas como o advento das redes sociais tem atualizado a experiência com a morte? Renata Rezende pesquisa as respostas no livro “A morte midiatizada” (Eduff), que será lançado no dia 31 de março, às 19h, na Livraria da Travessa de Botafogo, na Rua Voluntários da Pátria, 97, Botafogo, Rio de Janeiro.

Word DocumentXLSCSV
Subscrever Morte