Sensibiliza-UFF completou seis anos com muitos avanços, novos projetos e boas histórias para contar

Print Friendly, PDF & Email

Sensibiliza - UFF

No dia 10 de junho, o  Núcleo de Acessibilidade e Inclusão – Sensibiliza UFF completou seis anos com muitos avanços, novos projetos e uma equipe cada vez mais empenhada em trabalhar para a promoção da acessibilidade na Universidade Federal Fluminense. Essa é uma data muito especial para todos os que acreditam nesse projeto!

Resultado de um esforço conjunto de docentes, técnico-administrativos e alunos de vários setores da universidade e instituições parceiras, o Sensibiliza nasceu com o objetivo de fomentar a implantação e consolidação de políticas inclusivas na Universidade Federal Fluminense, por meio da eliminação de barreiras arquitetônicas, comunicacionais, metodológicas, instrumentais, programáticas e atitudinais enfrentadas pela comunidade.

A Universidade Federal Fluminense não possuía até recentemente uma política institucional voltada para as pessoas com deficiência, ainda que muitas ações isoladas viessem sendo conduzidas pela comunidade acadêmica – professores, estudantes e funcionários, sensibilizados com a questão. O grande passo foi dado em 2009, com a inauguração do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão – Sensibiliza UFF (NAIS), com apoio do Programa Incluir (MEC/Sesu).  Fruto de um projeto de extensão, coordenado pela profa. Luiza Moreira da Costa, acolhido pelo Pró-Reitor de Assuntos Acadêmicos, na gestão do então Pró-reitor, Prof. Sidney Mello, atual reitor da UFF.

Em 2011, com as reformas implantadas pela administração central, o núcleo passou a ser ligado à Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis. Em 2012, com a reestruturação da Proaes ganhou status e foi promovido a Divisão de Acessibilidade e Inclusão.

O setor, vinculado à Coordenação de Apoio Social da Proaes, tem o objetivo de fomentar a implantação e consolidação de políticas inclusivas para alunos, professores e funcionários técnico-administrativos com deficiência física, sensorial (visual, auditiva e múltipla) e intelectual, e também com dislexia e outros transtornos, através da eliminação de barreiras arquitetônicas, urbanísticas, metodológicas, programáticas e atitudinais.

A acessibilidade na UFF, como na maioria dos espaços públicos, ainda não é ideal.  Herança de um tempo em que não se pensava nas pessoas com deficiência como usuários de todos os lugares e nem produtores de conhecimento científico e cultural. A situação não muda de um dia para outro. Gradualment,e nós vamos acertando os passos em direção à inclusão, abrindo espaços para que as pessoas com deficiência possam estudar, trabalhar e visitar a nossa universidade com dignidade e comodidade.

A Divisão de Acessibilidade e Inclusão tem um papel fundamental nessa caminhada.  A partir do Sensibiliza, nesses últimos seis anos, a UFF obteve grandes avanços na área de inclusão, acessibilidade e cidadania.

Um olhar histórico

Antes de se tornar uma Divisão de Acessibilidade e Inclusão, o Sensibiliza já fazia parte dos planos de pessoas que pensavam a inclusão dentro da UFF, como a professora Cristina Maria Delou.

Relembrar o início do Sensibiliza, em 2006, é recordar as primeiras reuniões, realizadas na então Pró-Reitoria Acadêmica, PROAC, sob a direção do Pró- Reitor, Professor Sidney Luiz Matos de Mello, atual Reitor da UFF, coordenadas pelo Professor Sérgio José Xavier de Mendonça, atual Pró-Reitor de Assuntos Estudantis, e lideradas pela Dra. Luiza Santos Moreira da Costa, do Instituto de Comunidade da Faculdade de Medicina.

A Dra. Luiza foi a primeira pessoa a procurar a PROAC interessada em reunir professores, funcionários e alunos que há muitos anos realizavam projetos e programas de ensino, pesquisa e extensão direcionados para as pessoas com deficiência. O nome Sensibiliza foi trazido pela própria Dra. Luiza Costa a partir de um projeto de extensão desenvolvido com os alunos do primeiro período do curso de Medicina.

Com as portas abertas pelo Professor Sidney de Mello, deu-se início ao diálogo, ao planejamento e à organização que, mais tarde, em 2007, viriam comprometer a participação do então Reitor da UFF, Professor Roberto Salles e do Coordenador de Planejamento da Pró-Reitoria de Planejamento, Professor Heitor Moura.

A alocação física do Grupo de Trabalho (GT) do Sensibiliza ficou a cargo do Professor Sidney de Mello, que designou o espaço destinado à garagem dos carros do NDC, nos fundos da Biblioteca Central do Gragoatá, para o funcionamento do projeto. O GT foi constituído por professores de várias áreas, funcionários técnicoadministrativos, estudantes de diversos cursos, além de representantes de vários segmentos da sociedade, com e sem deficiência, responsáveis pelos sonhos que geraram os primeiros passos para as grandes mudanças ocorridas e as acessibilidades conquistadas na UFF de hoje.

No dia 10 de junho de 2009, foi inaugurada a sede do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão – Sensibiliza UFF (NAIS-UFF), localizada no mesmo espaço dos fundos do Núcleo de Documentação (NDC), da UFF, no Campus do Gragoatá. O evento contou com a presença do Reitor da UFF, Professor Roberto Salles, do Vice-Reitor Sidney Melo, do Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Professor Antônio Claudio Lucas da Nóbrega e demais professores, alunos e representantes de instituições parceiras. Nesta ocasião houve a apresentação do Grupo de Oficina do Som e a realização do Café no Escuro sob a coordenação da Dra. Susana Planas, no salão principal da Biblioteca Central do Gragoatá.

Mais recentemente, pela Portaria Nº 49.388, de 10 de maio de 2013, o NAISUFF passou a ser denominado de Divisão de Acessibilidade e Inclusão (Sensibiliza UFF) – DAI/CAS, vinculado à Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROAES), sob a direção do Professor Sérgio José Xavier de Mendonça.

O Sensibiliza, como é carinhosamente chamado, vem participando continuamente de atividades acadêmicas que fazem parte do calendário da UFF como o Acolhimento Estudantil, a festa de boas-vindas aos calouros; da Agenda Acadêmica; de eventos externos como o FONAPRACE – Fórum Nacional de Pró- Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis, assumindo a liderança da Região Sudeste, sob a coordenação do Professor Sérgio José Xavier de Mendonça, contando com a presença constante da nossa Lucília Machado.

Localizado, desde 2014, na antiga Casa do Estudante Fluminense, à Rua Professor Hernani Pires de Mello, 2, no bairro São Domingos, Niterói, o Sensibiliza vive a grande emoção de voltar a ter sua sede própria no Térreo do Bloco A, Campus do Gragoatá, o campus mais acessível da UFF.

Com a Equipe renovada, o Sensibiliza hoje, está sob a coordenação da Psicóloga Paula Liliane dos Santos Godois e a subcoordenação da jornalista Lucília Machado. Suas ações são de amplo espectro. Além de distribuir a bolsa de apoio aos estudantes com deficiência, o Sensibiliza é responsável por apontar as demandas para a acessibilidade da comunidade UFF em todas as suas categorias: atitudinal, arquitetônica, comunicacional, instrumental, metodológica e programática.

Hoje, demos apenas alguns passos. Em Niterói, encontramos caminhos acessíveis entre prédios e o bandejão, banheiros adaptadas mais adequados nos prédios novos, os alunos têm acesso a equipamentos de tecnologia assistiva Dra. Luiza Santos Moreira da Costa (Faculdade de Medicina), Coordenadora, Dra. Cristina Maria carvalho Delou, (Faculdade de Educação), vicecoordenadora, entregando laptop a aluna do curso de Psicologia, Camila Alves Lucília Machado rodeada de intérpretes de Libras, alunas do Curso de Mestrado Profissional em Diversidade e Inclusão (CMPDI) e da aluna de graduação em Pedagogia, Andréa Farias DEPOIS de alto custo, notebooks para uso individual, intérpretes de Libras, monitores ledores além do apoio técnico para o uso de equipamentos como thermoform, lupa eletrônica, impressora Braille e de relevos, entre outros.

Depoimentos

“Parabéns ao Sensibiliza!
6 anos de excelentes serviços à UFF e à sociedade em geral é uma data a ser comemorada.
Que venham outros aniversários e que a atuação do Sensibiliza se irradie cada vez mais longe e crie raízes cada vez mais profundas!
É muito bom poder acompanhar a trajetória desta iniciativa!
Abraços inclusivos e fáceis de usar, como dizia o MAQ (Marco Antonio de Queiroz)
Marta Gil”
“Se a diferença pode ser sentida nos pequenos atos, imagina então nos grandes atos que o Sensibiliza tem feito na UFF. Ele não só dá acesso ao aluno ao conhecimento, mas também permite o acesso do professor ao seu aluno, relação essa que precisa de pontes que têm que ser feita com ética e com a competência necessária para tal. Abraços a vocês e meu muito obrigado.
Atenciosamente
Dra. Helena C. Castro”
Parabéns, Sensibiliza – UFF!

Para saber mais sobre este informativo

Estes são os dados de contato do setor da universidade que escreveu este informativo:

Telefone: 
21 26295312

Avalie esta página

CAPTCHA
This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.