Eu sou: Técnico | Docente | Estudante

Projeto da UFF oferece atendimento humanizado a pacientes com câncer

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), mais de 12,7 milhões de novos casos de câncer são diagnosticados por ano em todo o mundo. Em 2016, estima-se a ocorrência de mais de 596 mil casos no Brasil. Pensando em como tornar menos doloroso o tratamento e elevar a autoestima e esperança dos pacientes, um grupo de profissionais da Universidade Federal Fluminense, conhecido como “Equipe das Amarelinhas”, decidiu colorir e alegrar os corredores, enfermarias e salas de espera do Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap).

O programa Terapia Expressiva como veículo de Cuidado Integral no Hospital Universitário Antônio Pedro (Teci-Huap) é um conjunto de ações voltadas à integralização e humanização do cuidado em saúde. O “Cuidar de si com arte”, que existe desde 2010 e está em sua sétima edição, é um curso de extensão da Pró-reitoria de Extensão (Proex), conta atualmente com 42 alunos e oferece sessões de terapia expressiva a aproximadamente 50 pacientes oncológicos por semana. A atividade é realizada de março a dezembro, durante os dois semestres letivos.

Os estudantes e voluntários do programa promovem atividades artísticas, exposições, eventos, vídeos, dança circular no saguão do hospital, apresentam um coral terapêutico e também organizaram um livro, o “Terapia expressiva - a arte do afeto colorindo um hospital”, publicado pela Editora da UFF (Eduff). O projeto é composto por três equipes, com aproximadamente 15 voluntários multiprofissionais, que participam do trabalho de campo e auxiliam nas atividades do projeto.

O “Cuidar de si com arte” é a principal ação do Teci-Huap, cujo objetivo é que o profissional de saúde e universitários de diversas áreas tenham um espaço para cuidar de si, revisitar sua subjetividade e entrar em contato com sua profissão. A “Infusão de Vida” é uma atividade que dá assistência aos pacientes do Huap na sala de quimioterapia para casos graves. Neste trabalho, os alunos e voluntários do projeto vão ao Núcleo de Atenção Oncológica (NAO), onde os doentes recebem o tratamento de quimioterapia intravenosa para câncer, e à sala de espera do NAO, onde estão também parentes e acompanhantes. Dentre as ações oferecidas pelo programa, destaca-se a “Hora da Visita”, que acontece na enfermaria de hematologia para os casos mais graves, simbolizando saúde e esperança.

Quíron e a humanização do cuidado

O Quíron, do grego Kheíron (mão), é o ícone escolhido para representar o Teci-Huap. Quíron, um centauro da mitologia grega, parte homem, parte animal, nos remete à dupla natureza dos seres humanos e era mestre de diversos heróis gregos, a quem ensinou todas as artes, a filosofia e as ciências da cura. Paradoxalmente, Quíron foi ferido na perna por uma flecha lançada sem querer por seu discípulo Héracles, embebida no veneno da Hidra de Lerna, que provocava feridas incuráveis. Como era imortal, padeceria de dores terríveis de forma perene. Ele era agora o curandeiro que não podia curar a sua própria ferida.

Por isso, Quíron representa a filosofia do programa de terapia expressiva, no qual profissionais de saúde podem perceber que, embora tratem e curem tantas pessoas, também têm suas próprias mazelas e precisam de um espaço para cuidarem de si mesmos. “O que queremos trazer para as pessoas que fazem o curso e nossos voluntários é que não devemos nos esquecer de nós mesmos, para que possamos atender com mais humanidade. Fazemos questão de entrar em contato permanentemente com a nossa dor, com a nossa humanidade, para fazer as coisas com o coração”, afirma a médica terapeuta, professora e supervisora do curso, Denise Vianna.

Para a médica, é um paradoxo falar em humanização em um trabalho cujo pressuposto é exatamente humanizar. Segundo Denise, os estudantes de medicina e ciências da saúde em geral são estimulados a não se expressarem. No curso “Cuidar de si com arte”, existe essa permissão para transformar a dor em algo produtivo. “Numa área em que você tem que se responsabilizar pelo outro, não há momento para demonstrar fraqueza. O treinamento é para você se desumanizar, ficar duro, enrijecer. É preciso ter compaixão e sentir junto. Isso é o Quíron, é a humanização”, explica.

Cuidando de si

Para a voluntária Edwiges Barros, a terapia expressiva age em todos os que estão envolvidos em oferecer esse tratamento. As tarefas não são impostas, as ideias surgem e são construídas em conjunto. As atividades são intensas e mobilizam toda a equipe. “Planejamos o que os participantes farão e entregamos o material. Ali, eles vão se expressando, dando vida ao material de acordo com o que estão pensando, e isso também começa a mexer conosco. Às vezes, pensamos em um trabalho totalmente abstrato, mas não acontece nada de abstração, vem um trabalho de muita interiorização, que mexe com eles e nosso íntimo”, ilustra.

Segundo Edwiges, a forma como enfrentamos as adversidades nos fortalece para a vida. Portanto, ver a força com que alguém enfrenta uma doença tão agressiva como o câncer nos faz refletir sobre a dimensão dos nossos problemas. “É uma via de mão dupla. Não estamos aqui fazendo o trabalho porque somos bonzinhos ou apenas porque gostamos. Nós os tratamos e também recebemos tratamento”, reforça.

Já para a voluntária Nilma Araújo, são muitas as experiências vividas no programa. Algumas vezes, as pessoas chegam tristes e, após as atividades, suas expressões mudam. Para Nilma, o trabalho manual feito é a expressão daquilo que mudou dentro de cada paciente e isso demonstra uma transformação nos sentimentos. “Certa vez, pedimos para uma participante colar um coração vermelho em um papel, mas ela quis pintar de preto o espaço em seria colocado o coração, pois era como ela se sentia naquele momento, e depois afirmou que um dia ela colaria o coração vermelho naquele espaço. Ou seja, cada um tem o seu tempo e ela abriu a possibilidade de um dia aquele coração preto, cheio de mágoa e dor se transformar em algo melhor. Esse é o grande benefício”, descreve.

Diversos materiais são utilizados durante as sessões de terapia expressiva, como papéis, tintas coloridas, pedras, lã, cola, material plástico, tecidos, colagem de materiais de diversas texturas, música, contação de histórias e até meditação. Denise Vianna afirma que não gosta de usar o nome “arteterapia”, pois pressupõe que a pessoa tem que ser artista. “É terapia pela expressão, pois expressão pode ser qualquer coisa, rasgar, pintar, fazer o que quiser”, ressalta.

A partir do trabalho de terapia expressiva, foi desenvolvida uma pesquisa qualiquantitativa que virou livro. O estudo observou o que a equipe fez e atestou a eficiência do tratamento. “Eu sabia da eficácia, mas precisava comprovar. O nosso trabalho não é apenas uma brincadeira, é um tratamento”, atesta Denise. Ela também acredita que cada pessoa que passa pelo tratamento tem em si o poder de cura e transformação. “Tentamos ficar invisíveis para que eles fiquem à vontade para definirem a atividade que vão desenvolver, a gente não impõe nada”, justifica.

Edwiges Barros explica que, na condição em que se encontram os pacientes, é muito fácil se negar a participar da terapia. “Se você der um empurrãozinho, eles cedem e se desarmam. O ato de se defender é um impulso muito forte, mas naturalmente respeitamos os limites de cada um e os deixamos à vontade”, alega. Já segundo Nilma Araújo, a produção dos pacientes durante as sessões os empodera e isso se reflete em sua melhora tanto emocional, quanto física.

Abaixo, Denise Vianna fala um pouco mais sobre o programa de Terapia Expressiva:

Como surgiu a ideia de montar o programa?
Trabalho com terapia expressiva desde 2000. No Campus do Mequinho, dava um curso de formação, que durava três anos. Nesse formato de um ano apenas, o curso é denominado de humanização. Quando fui transferida para o Huap, resolvi aprofundar esse trabalho. Sempre tive vontade de fazer um curso voltado para os cuidadores, para que eles se aprimorassem. O objetivo era aperfeiçoar o cuidado e a qualidade de vida deles. Rapidamente as portas se abriram. O Departamento de Saúde e Sociedade e o Instituto de Saúde Coletiva foram bem receptivos e muito abertos a essas iniciativas inovadoras. A UFF prima por essas iniciativas. Em 2009, ministrei uma disciplina obrigatória chamada “Trabalho de campo supervisionado”, em que comecei com a terapia expressiva, ali começou a se formar essa ideia. Minhas amigas e os voluntários vieram comigo, para me ajudar.

Qual é a importância do trabalho voluntário no projeto?
Estamos aqui há sete anos trabalhando voluntariamente. A participação voluntária é fundamental e sem ela o Terapia Expressiva não existiria. Compramos os materiais, pedimos aos alunos que façam doações e estamos todos sempre aqui. Somos uma escola de terapia expressiva, aprendemos juntos o tempo inteiro. Temos uma rede solidária muito grande, de amizade muito profunda, pois partilhamos muitas coisas e é isso que nos impulsiona a continuar. Contando com essa união, nosso trabalho foi premiado por três anos (2011, 2012 e 2014) pelo Programa de Extensão Universitária (Proext) de saúde.

Qual a importância da relação e interação dos pacientes com outras pessoas, como família, amigos e profissionais?
É interessante trabalhar com o paciente que está recebendo a quimioterapia e com quem o está aguardando fora da sala. Primeiro, porque o acompanhante fica feliz de saber que estamos com a pessoa que está recebendo a quimioterapia, pois é reconfortante ter certeza de que ela está se distraindo e recebendo apoio. Depois que termina a sessão, o paciente vai ao encontro de seu acompanhante e ambos recebem apoio para encarar aquela realidade de outra maneira. Um fortalece o outro.

Os pacientes respondiam a um questionário qualiquantitativo. Qual a importância dessa análise?
No início, aplicávamos um questionário para avaliar as condições físicas e psíquicas antes e depois das sessões, perguntando aos participantes quais sentimentos tinham antes e depois da atividade. Fizemos a pesquisa com base nessas respostas. Atualmente, apenas conversamos com os pacientes, perguntando quais foram suas impressões sobre a atividade e então preenchemos um relatório. Durante a pesquisa concluímos que os pacientes consideram a experiência útil e prazerosa, ajudando-os a relaxar e expandir sua criatividade e expressar melhor suas emoções. Além disso, as pessoas relataram que a família, a fé e a saúde eram as questões mais importantes para suas vidas, o que eles mais valorizavam. Percebeu-se que antes de cada sessão de terapia, os pacientes afirmavam estar emocionalmente bem, mas, na verdade, não estavam. Só depois da atividade, eles tomavam consciência dessa realidade e começavam a se expressar melhor em relação aos seus sentimentos. Por isso, mesmo fazendo uma análise quantitativa, a narrativa dos pacientes é fundamental. É importante olhar sob as duas óticas, do antes e depois, para analisarmos os dados de forma correta. É necessário saber o porquê, como e quando as coisas acontecem. Para a eficiência da terapia expressiva, o diálogo é indispensável.

Como avaliam os resultados obtidos nessas sessões?
Comprovamos a eficácia da terapia expressiva e percebemos transformações não apenas no paciente, mas também no ambiente, pois os laços entre as pessoas se estreitam e a energia do lugar muda. Quando entramos de férias, os participantes sentem a nossa falta e querem fazer a quimioterapia apenas nos dias do projeto.
O essencial é que o tratamento medicamentoso aconteça, nosso papel é complementar a quimioterapia. A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) tem pouco mais de dez anos e está abrindo para o Sistema Único de Saúde (SUS) tratamentos de homeopatia, medicina ayurvédica e acupuntura. A terapia expressiva também foi instituída no SUS como uma prática integrativa. Anteriormente, as pessoas não levavam a sério sua importância, mas nossa pesquisa prova o contrário.
Durante as sessões, a magia acontece. Todos entram no clima de entrega, saindo da dor e adentrando num espaço em que o sofrimento não é o foco principal. Enquanto a quimioterapia trata o câncer, nós colorimos a vida.

Grande área: