UFF de Campos disponibiliza dados da COVID-19 para norte e noroeste do estado

Print Friendly, PDF & Email
Crédito da fotografia: 
Divulgação

A Universidade Federal Fluminense segue promovendo ações de combate ao novo coronavírus. Para isso, pesquisadores de todas as áreas buscam soluções cientificamente embasadas que possam ser úteis à sociedade nesse momento difícil. Com foco nessa realidade e visando levar dados de qualidade à comunidade, o projeto ‘Atlas Socioeconômico do Norte Fluminense’ publica mapeamentos diários sobre os casos do COVID-19 detectados em cidades das regiões norte e noroeste do Estado do Rio de Janeiro. O grupo de trabalho, atualmente coordenado pela professora Danielle Cintra, é composto por cinco docentes e quinze estudantes de graduação e pós-graduação do Departamento de Geografia da UFF de Campos, além da pesquisadora do Laboratório de Cartografia da UFRJ Raquel Dezidério Souto.

“No momento em que vivemos, há urgência em se produzir informações confiáveis sobre a pandemia do vírus para as regiões norte e noroeste fluminense, tendo em vista que a maioria dos dados divulgados são produzidos para o Estado do Rio de Janeiro como um todo. Por isso, nos organizamos para publicar diariamente os mapas de casos suspeitos e confirmados das regiões citadas. Para tornar a linguagem mais acessível, construímos e divulgamos os gráficos com o intuito de informar o resumo da semana e comparar os dados das regiões norte e noroeste fluminense com as do nosso estado de uma forma geral e também do Brasil”, ressalta Danielle.

A coordenadora explica que o ‘Atlas Socioeconômico do Norte Fluminense’ foi criado em 2018 com a aprovação de bolsas de extensão (PROEX) e bolsas de iniciação à inovação (PIBNOVA), ambas concedidas pela universidade. “Até aquele ano não existia nenhum trabalho na Geografia com foco na construção de mapas temáticos sobre os indicadores sociais e econômicos da região norte fluminense. Porém, na UFF de Campos as pesquisas sobre o assunto estavam sendo desenvolvidas, mesmo esbarrando com dificuldades na coleta de dados em portais e instituições oficiais. Sendo assim, vimos a necessidade de estruturar nossos próprios dados oficiais para auxiliar nas pesquisas internas e divulgar amplamente essas informações”.

Sentimos que é de nossa responsabilidade fornecer à população uma fonte consolidada e confiável de dados sobre o assunto referente aos municípios que compõem as regiões norte e noroeste fluminense, afastando as fake news - Danielle Cintra

A finalidade do projeto é oferecer à comunidade um panorama cartográfico e geográfico das condições econômicas e sociais dos municípios do norte fluminense do Estado Rio de Janeiro a fim de amparar novas pesquisas e ações práticas a partir da compreensão dessas variáveis. O objetivo primário é sistematizar e analisar informações da região nos últimos 20 anos; porém, o foco atual é a pandemia do novo coronavírus. Para o mapeamento da COVID-19, o grupo utiliza dados publicados diariamente em boletins epidemiológicos pelas prefeituras das regiões norte e noroeste fluminense nos portais oficiais das mesmas. Os resultados obtidos são disponibilizados pública e gratuitamente em forma de mapas temáticos, tabelas, gráficos e textos de análises no portal do Atlas.

Este ano, segundo Danielle, o grupo de trabalho está também focado na ampliação da rede de divulgação e de pesquisa. “Agora, além do portal, estamos no Facebook e no Instagram, que são redes sociais e virtuais de maior alcance. Nesse momento, estamos divulgando os dados sobre casos suspeitos e confirmados de COVID-19, mas pretendemos correlacionar esses material com outras variáveis disponíveis. Além disso, estamos desenvolvendo, em parceria com a professora Raquel Dezidério, uma plataforma para disponibilizar as informações em um mapeamento dinâmico e um painel que facilite ainda mais a visualização e interpretação dos dados”.

A coordenadora relata que a equipe de pesquisadores envolvidos no projeto vislumbra reforçar as áreas de comunicação, formação e inserção entre UFF, comunidade e poder público. “Queremos publicizar diariamente a situação dos municípios em relação à doença, por meio de organização e divulgação atualizada. Ainda planejamos melhorar a capacitação de recursos humanos e acesso aos dados por parte de municípios que não possuem secretarias ou órgãos para tal finalidade. Por fim, sentimos que é de nossa responsabilidade fornecer à população uma fonte consolidada e confiável de dados sobre o assunto referente aos municípios que compõem as regiões norte e noroeste fluminense, afastando as fake news”, destaca.

Danielle acrescenta que a pesquisa pretende também auxiliar e fundamentar as decisões públicas, além de contribuir para o debate com a sociedade civil organizada através da elaboração de um atlas digital. “À medida que o diálogo e as discussões com a comunidade e poder público avancem, novas variáveis serão incorporadas ao diagnóstico sobre a região. Como o projeto é uma possibilidade de contribuir e articular as demandas da comunidade, a participação popular é fundamental na divulgação e alcance dos resultados”.

Compartilhe