Eu sou: Técnico | Docente | Estudante | Bandeira da inglaterra

Navio-escola da UFF ampliará desenvolvimento tecnológico nas Ciências do Mar

Navio-escola da UFF: Ciências do Mar-III

Crédito da fotografia: 
Divulgação

O Ministério da Educação (MEC), em parceria com a Secretaria da Comissão Interministerial para Recursos do Mar da Marinha do Brasil, concedeu à UFF a gestão de um dos quatro Navios-Escola - o Ciências do Mar-III - que proporcionará experiência prática de ensino e pesquisa embarcada para alunos, professores e pesquisadores das universidades do Sudeste do Brasil. O barco está em fase final de construção no Estaleiro Inace (Ceará), com entrega prevista para o início de 2019.

Os professores da UFF Abílio Soares Gomes e Marcus Costa, do Departamento de Biologia Marinha, Ana Luiza Albuquerque, da Geoquímica e Arthur Ayres Neto, da Geofísica, fazem parte do comitê gestor indicado pelo reitor para acompanhar a construção do navio. No futuro, outro comitê será formado com representantes das universidades que também terão direito à utilização da embarcação. Esse novo grupo definirá as demandas e a programação operacional do barco.

A combinação das atividades de ensino com os projetos de pesquisa gerará uma quantidade de dados nunca antes pensada na universidade”, Abílio Soares Gomes.

De acordo com o professor Sidney Mello, reitor da UFF, ligado ao Departamento de Geologia e Geofísica (www.geologiaegeofisica.uff.br/), o navio tem 32 metros de comprimento e está equipado com dois motores de 450 BHP de potência, podendo atingir velocidade de cruzeiro de até 10 nós, com autonomia para 15 dias no mar. A embarcação possui também três laboratórios, guinchos oceanográficos e geológicos, central de tratamento séptico e alojamentos com capacidade para até 18 pesquisadores e tripulação. Além disso, o navio terá outros equipamentos científicos, sendo parte deles instalados ainda no estaleiro cearense e outros após a entrega oficial à UFF.

Além do desenvolvimento de estudos na área de Ciências do Mar, o navio servirá para aproximar pesquisadores de outras instituições e atrair recursos de outras áreas de fomento. Haverá a possibilidade também de uma integração imediata e natural com as outras instituições que já têm direito a usar a embarcação.
Cerca de R$ 10 milhões foram investidos pelo MEC na construção da embarcação, visando principalmente à promoção do desenvolvimento científico, de inovação e tecnologia voltados às Ciências do Mar. O laboratório de ensino flutuante representa um avanço na formação de recursos humanos na área de ciências do mar, viabilizando pesquisas sobre os oceanos para a preservação de ecossistemas, o desenvolvimento de inovações tecnológicas, a exploração de recursos naturais, bem como sobre as mudanças climáticas.

Além de proporcionar experiência prática de ensino e pesquisa embarcada para alunos, professores e pesquisadores das universidades do sudeste do Brasil, o barco ficará atracado no cais da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), localizada na Ponta d'Areia, em Niterói.

UFF, Andifes e o Mar

O então Ministro da Educação, José Henrique Paim-Fernandes, em solenidade realizada em 2014, na Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), em Brasília, reconheceu o papel de destaque da UFF na condução de pesquisas e no ensino das ciências do mar, com a realização de diferentes projetos executados pelos Departamentos de Geologia e Geofísica, bem como Geografia, Biologia Marinha e Geoquímica. Esse reconhecimento veio a partir de pesquisas promovidas pela UFF, envolvendo essas diferentes áreas, que têm uma longa tradição de pesquisas associadas aos oceanos, com publicações em importantes revistas científicas internacionais. Em agosto de 2017, na gestão do Ministro da Educação Mendonça Filho, foi entregue o primeiro navio Ciências do Mar I à Universidade Federal do Rio Grande (Furg). Em seguida, já em agosto de 2018, a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) recebeu do ministro da Educação Rossieli Soares, e da Secretaria da Comissão Interministerial para Recursos do Mar da Marinha do Brasil, o navio Ciências do Mar II.

“A demanda das embarcações é resultado de um estudo que constatou a importância da experiência embarcada para os estudantes dos diversos cursos em Ciências do Mar”, ressalta o professor Arthur Ayres. O projeto foi apresentado ao Ministério da Educação (MEC) que reconheceu a relevância desta prática como uma qualificação no processo de formação e fomentou a compra dos navios. A articulação do reitor Sidney Mello junto ao Ministério da Educação foi fundamental para que a UFF fosse a gestora do Ciências do Mar-III.

Esse levantamento foi desenvolvido no âmbito da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), por meio do Grupo Experiência Embarcada, do Programa de Formação de Recursos Humanos em Ciências do Mar (PPG-Mar), coordenado pelo professor Luís Carlos Krug, da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), com a participação dos professores Abílio Soares Gomes (UFF), Danilo Calasans (Furg) e Vanildo Souza de Oliveira, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Para o biólogo marinho e professor Abílio Soares Gomes, do Laboratório de Ecologia de Sedimentos (http://www.uff.br/ecosed), do Departamento de Biologia Marinha da UFF, e do Programa de Pós-Graduação em Dinâmica dos Oceanos e da Terra (http://www.dot.uff.br), o barco tem grande importância para a instituição e para a sociedade, principalmente pela experiência que os estudantes terão em termos de aprendizado técnico-prático, fazendo enorme diferença na qualidade deste futuro profissional. “A combinação das atividades de ensino com os projetos de pesquisa gerará uma quantidade de dados nunca antes pensada na universidade, que poderá ser usada em trabalhos de mestrado, doutorado e iniciação científica”, acrescenta.

Localidade: 

Compartilhe