Eu sou: Técnico | Docente | Estudante | Bandeira da inglaterra

O Festival Ópera na Tela apresenta A Favorita no Centro de Artes da UFF, dia 6 de maio

Categoria: 
Onde: 
Centro de Artes UFF
R. Miguel de Frias, 9
Icaraí
Niterói - RJ
Quando: 
dom, 06/05/2018 - 10:30
Descrição: 

A FAVORITA
La favorite, Alemanha, 2016, 2h36, 12 anos
Ópera em quatro atos de Gaetano Donizetti
Libreto de Alphonse Ryoyer, Gustav Vaëz e Eugène Scribe
Ópera do Estado da Bavaria | Cantada em italiano
Maestro Karel Mark Chichon
Direção: Amélie Niermeyer
Com Elina Garanca, Matthew Polenzani Mariusz Kwiecien, Mika Kares, Joshua Owen Mills, Elsa Benoit

Ingressos
Inteira – R$ 14,00 | Meia – R$ 7,00

 

O Festival Ópera na Tela é uma mostra inédita, totalmente dedicada ao gênero da ópera, com exibição do melhor da temporada europeia recente, realizada em verdadeiros templos da ópera, tornando acessível a atualidade lírica mundial ao público brasileiro.

Sobre a obra

A Favorita de Donizetti não tinha mais sido apresentada em palco em Munique há cem anos. Essa ópera, que Donizetti tenta fazer como uma grande ópera à francesa, fez parte do repertório da Ópera de Paris desde sua criação em 1840 até 1918, depois desapareceu do palco até 1991.

O libreto, composto por Alphonse Royer e Gustave Vaë, originalmente previsto para L’Ange de Nisida, uma ópera que nunca foi representada devido à falência da trupe que devia levá-la ao palco, foi modificado por Eugène Scribe. Há as características da grande ópera com a importância dada aos cenários e efeitos cênicos na representação de uma intriga baseada num evento histórico dramático.

A jovem diretora Amélie Niermayer escolheu renunciar aos cenários históricos suntuosos e optar por cenários minimalistas e figurinos contemporâneos, que nos afastam da corte sevilhana do Rei Alfonso X. Niermeyer optou pelo abandono da referência histórica, para favorecer uma abordagem psicosociológica da figura de Léonor (Elīna Garanča), que visa destacar a condição feminina da cortesã e o machismo, tanto dos seus amantes quanto da sociedade. Nem Alphonse (Mariusz Kwiecien) nem Fernand (Matthew Polenzani) veem Léonor como uma pessoa de verdade. O Rei a trata como uma prostituta real, um pedaço de carne que ele reserva para si; Fernand se apaixona loucamente, mas não se comunica com ela e a transforma num objeto de paixão.

Niermeyer vem do universo do teatro: a atuação, os sentimentos e as emoções, entre os diferentes personagens são intensos, poderosos e expressivos. Ela volta os projetores para a atuação dos atores e suas interações, solicitando aos cantores qualidades de interpretação teatral. Então, ficamos diante de um grupo de atores e, desse ponto de vista, a noite é um regalo, particularmente com a atuação de Elīna Garanča que faz uma Léonor cenicamente muito madura, que seduz com sua voz quente e sensual de mezzo e dispõe de uma bela extensão e belos graves, com um timbre suntuoso que combina maravilhosamente bem com as nuanças da melancolia. Matthew Polenzani é dotado de uma excelente dicção; ele trabalha com prazer cada frase e convence no papel de Fernand, mesmo que sua forma de terminar seus voos líricos, diminuindo o volume e cantando o agudo com uma voz leve e estridente lá onde se esperava bravura, surpreenda um pouco. A dicção do barítono Mariusz Kwiecien também é impecável e sua participação recebe aplausos francos, sobretudo pela composição do seu personagem. O Balthazar de Mika Kares também é muito apreciado: o cantor finlandês põe sua imponente estatura e seu baixo vibrante e sonoro a serviço do papel surpreendentemente protetor de um superior de convento que dá provas de muito menos rigor do que as ameaças de excomunhão vindas da sua hierarquia. Ouvimos com prazer a voz soprano com uma nitidez cristalina de Elsa Benoit, que agora está na trupe de Bayerische Staatsoper e faz aqui uma excelente Inès. O tenor de Joshua Owen Mills como Don Gaspard participa do mesmo frescor.

Karel Mark Chichon rege a Bayerische Staatsorchester dando um tom italiano a uma música que se diz francesa e cuja linguagem orquestral ele destaca bem. Preocupado com uma boa coordenação com o palco, ele oferece uma visão equilibrada da obra, com passagens abruptas de uma música lenta e interiorizada a uma música grandiloquente e intensa.

Um espetáculo muito bonito cuja dramatização progressiva resulta nos melhores efeitos nos dois últimos atos.

Trailer: www.youtube.com/watch?v=Zwcjo5GG1M

Setor responsável: 
Mais informações
Estas são as informações de contato do setor da UFF responsável pelo evento:
Telefone de contato: 
(21) 3674-7512
Email institucional: 
faleconosco@centrodeartes.uff.br