Nova edição da Mostra PICS terá auriculoterapia e massagem espiritual

Print Friendly, PDF & Email
Categoria: 
Onde: 
Campus do Gragoatá - UFF
Rua Alexandre Moura, 8, bloco F, salas 304 e 306
São Domingos
Niterói - RJ
Quando: 
qua, 07/08/2019 - 13:00 até 17:00
Descrição: 

Aline Bonifácio

Uma nova edição da Mostra PICS será realizada em 7 de agosto,  no Campus do Gragoatá. As atividades oferecidas serão: consulta do enfermeiro, educação em saúde e sessão de auriculoterapia, com a professora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal Fluminense (UFF), Liliane Belz dos Reis;  e massagem espiritual (imposição de mãos), com a professora do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da UFF, Anna Amorim Mendes, e o Grupo Ipê Roxo.

A auriculoterapia é uma técnica terapêutica da medicina tradicional chinesa, em que é feita a estimulação mecânica de pontos específicos na orelha do paciente. De acordo com a professora Liliane Belz, trata-se de um microssistema em que cada ponto reflete a atividade funcional de órgãos do corpo humano.  Assim, o estímulo aplicado a estes locais, com o uso de agulhas ou sementes, gera impulsos nervosos que são enviados ao cérebro por meio das inervações e resultam em fenômenos físicos no órgão correspondente.

Reconhecida como prática terapêutica pela Organização Mundial de Saúde, a auriculoterapia é recomendada para o tratamento de problemas de origem física, orgânica ou psicológica. Belz salientou que a técnica é excelente para prevenir  doenças e que também possui a capacidade de amenizar a dor, combater vícios, potencializar tratamentos alopáticos e acelerar a recuperação cirúrgica. “No pavilhão auricular há pontos para diminuir ou aumentar a pressão arterial, pontos que colaboram com a regulação hormonal, com o controle da fome etc; enfim, são inúmeras as possibilidades e os benefícios” para aqueles que se submetem ao tratamento.

Já a massagem espiritual, de acordo com a professora Anna Mendes, é uma “arte-técnica terapêutica multidimensional de autoconhecimento e autocura, que utiliza a ressonância entre campos energéticos para promover o equilíbrio nos níveis físico, emocional, mental e espiritual”. A prática, nascida no Instituto Esalen, no Estado da Califórnia, Estados Unidos, foi trazida para o Brasil pela terapeuta brasileira Maria Lúcia Sauer e caracteriza-se pela imposição de mãos em direção ao corpo do paciente.

A massagem beneficia o paciente ao gerar nele “maior autoconhecimento, maior contato com a própria essência, mais facilidade de lidar com as situações do cotidiano e redução dos sintomas apresentados”. Os pacientes costumam relatar, após algum tempo de tratamento,  “aumento da sensação de paz, os problemas podem continuar, mas a relação das pessoas com eles muda”. “Diversas pessoas relatam sentimento de leveza, bem-estar e maior equilíbrio para o enfrentamento de situações difíceis”, esclareceu Mendes.

Mendes explicou que conheceu a técnica em 1995, ao realizar um workshop com Sauer no Rio de Janeiro, e se identificou com as propostas-base. Na técnica da massagem espiritual, enfatizou Mendes, o terapeuta não interpreta, não interfere, não direciona o trabalho, mas apenas se coloca a serviço do campo energético do próprio paciente, pois reconhece que o maior especialista é o eu superior do próprio indivíduo. Sendo assim, o papel do terapeuta resume-se a oferecer ao eu superior as melhores condições possíveis para que realize o que precisa e pode a cada momento. Outro ponto importante é que o terapeuta necessita cuidar primeiro de si mesmo e, só então, estará pronto para se aproximar do campo vibracional de outra pessoa.

Ainda no ano de 1995, Mendes passou a integrar o Grupo Ipê Roxo, fundado e coordenado por  Ângela Moraes, terapeuta que acompanhava Sauer nos tratamentos realizados na Califórnia e no Rio de Janeiro desde a década de 1980. Pouco tempo depois, Mendes assumiu a coordenação pedagógica do grupo, sediado no Rio, posição que ocupa até hoje.

Aprovação das práticas integrativas e complementares pelo Ministério da Saúde

Desde 3 de maio de 2006, a portaria 971/ 2006 do Ministério da Saúde (GM/MS 971/ 2006) reconheceu as práticas integrativas e complementares como recursos terapêuticos que  estimulam os mecanismos naturais de prevenção de doenças e auxiliam na recuperação da saúde. Atualmente, as práticas são oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em cerca de 54% dos municípios brasileiros.

Para Liliane Belz, esse reconhecimento é importante porque disponibilizou ao profissional de saúde novas alternativas terapêuticas para a prevenção de doenças e promoção da saúde, o que traria maior satisfação ao exercício da profissão. Já Anna Mendes destacou a oportunidade de ofertar a imposição de mãos a pacientes do SUS, de forma oficial e integrada com o atendimento por outros especialistas.

Informações complementares:

Os interessados deverão chegar com 20 minutos de antecedência para pegarem uma senha de atendimento.

 O projeto acontece toda primeira quarta-feira do mês e faz parte das atividades oferecidas pelo Núcleo de Estudos e Práticas Integrativas e Complementares (Nepic), do ISC/ UFF.

 

Mais informações
Estas são as informações de contato do setor da UFF responsável pelo evento:
Telefone de contato: 
(21) 2629-9343
Email institucional: 
mostrapicsuff@gmail.com